O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Raquel Abecasis

Conselhos para bem gerir

04 jun, 2012 • Raquel Abecasis

Tudo seria diferente se nos colocássemos no lugar daqueles a quem atingimos com as nossas acções.
A Associação de Empresários e Gestores Católicos organizou, este fim-de-semana, um congresso destinado a debater “O amor ao próximo como critério de gestão”.

De uma forma simples, António Pinto Leite, presidente da associação, explicou que se trata de “tratar o outro como gostaríamos que nos tratassem se estivéssemos no lugar deles”.

É uma regra simples e que parece óbvia, mas que, infelizmente, é cada vez menos considerada por quem está nas empresas e na vida pública. Um ano passado sobre as legislativas que levaram novos políticos ao Governo, que diferença seria se este conceito fosse tido em conta para a aplicação das necessárias reformas.

Seguramente, a renegociação das PPP já estaria em curso, bem como outras mudanças muito mais importantes para o reequilíbrio das finanças públicas do que o aumento de impostos.

Mas, também ao nível da vida pública, tudo seria diferente se nos colocássemos no lugar daqueles a quem atingimos com as nossas acções.

Basta pensar nos escândalos que envolvem os serviços secretos portugueses ou na divulgação de documentos confidenciais e pessoais do Papa Bento XVI. Seguramente, os autores não gostariam de ver as suas vidas e as suas acções expostas de forma a beneficiar interesses puramente egoístas em prejuízo do bem comum.