O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Francisco Sarsfield Cabral

Encarar a realidade

18 fev, 2013 • Francisco Sarsfield Cabral

Resultados reais desmentem as previsões governamentais em quase tudo. Os dados mais preocupantes foram revelados pelo INE na sexta-feira, mas grave é, sobretudo, que, ao longo de 2012, cada trimestre tenha sido pior do que o anterior.
O primeiro-ministro admitiu, no Parlamento, a possibilidade de rever as previsões económicas do Governo, “na medida em que os resultados reais o aconselhem”.

Ora, os resultados reais desmentem as previsões governamentais em quase tudo: na queda do PIB, na subida do desemprego, na quebra das receitas fiscais, etc. Assim, mais importante do que rever previsões, é preciso agora rever metas, naturalmente em acordo com a “troika”.

A França – que, é certo, não está sujeita a um programa de ajustamento – já declarou que não irá este ano cumprir o défice orçamental de 3% do PIB a que se havia comprometido.

Os dados mais preocupantes foram revelados pelo INE na sexta-feira. Não é tanto o facto de a previsão do Governo para a queda do PIB no ano passado (3%) ter ficado duas décimas acima. Grave é que, ao longo de 2012, cada trimestre foi pior do que o anterior.

No quarto trimestre, em comparação com igual período de 2011, a queda foi de 3,8%. E as exportações, até então o único motor da nossa economia, não abrandaram – caíram mesmo.

É preciso encarar a realidade.