A+ / A-

Encontro do Papa pode contribuir para resolver problema dos rohingya, diz Amnistia

27 nov, 2017 - 15:32

Pedro Neto, da Amnistia Internacional em Portugal, reconhece que um encontro de 15 minutos com os líderes militares é muito pouco, mas vê um sinal positivo na abertura de canais de diálogo.
A+ / A-

O director da Secção Portuguesa da Amnistia Internacional considera que o encontro do Papa com as chefias militares de Myanmar, que se realizou esta segunda-feira, é um sinal positivo.

Pedro Neto lembra, contudo, que um encontro de cortesia – de apenas 15 minutos – não chega para solucionar o clima de perseguição contra a minoria Rohingya.

O encontro durou cerca de 15 minutos – e o comunicado da Santa Sé não esclarece se o drama dos refugiados muçulmanos foi um dos assuntos abordados – mas pode ser entendido como um factor que confere visibilidae ao drama de milhares de pessoas da minoria muçulmana naquele país e que foram obrigados a abandonar o território.

Pedro Neto não deixa de reconhecer que é um bom começo: “Seria expectar demais que tudo se resolvesse em tão pouco tempo, ou com esta visita, no entanto, e apesar deste comunicado ser um pouco vago – neste aspecto de não adiantar muito sobre os assuntos que foram tratados – há aqui uma porta aberta, um diálogo que se estabeleceu.”

“O Papa Francisco, como líder de uma religião com relevância mundial e também com a sua boa influência diplomática, assim esperamos, pode ter aberto um canal de diálogo e entendimento, quer para aquilo que têm sido os últimos anos da história do Myanmar, quer para a situação que se vive agora, dos rohingya”, conclui o representante da Amnistia Internacional em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.