O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Papa encontra-se com chefe das Forças Armadas de Myanmar

27 nov, 2017 - 10:20

Foi uma reunião fora do programa inicial previsto, realizada poucas horas depois de Francisco ter chegado a Rangum e na véspera do encontro com a Prémio Nobel Aung San Suu Kyi.
A+ / A-
Papa chegou a Myanmar e antecipou encontro com chefe das Forças Armadas
Papa chegou a Myanmar e antecipou encontro com chefe das Forças Armadas

Chegado a Myanmar, esta segunda-feira, o Papa encontrou-se esta manhã com o chefe das Forças Armadas do país, considerado um dos principais rostos da repressão sobre os rohingyas. Primeiro, o encontro não estava previsto no programa, entrou depois na agenda para se realizar daqui a dois dias, mas acabou se realizar logo à chegada do Papa.

Do lado das Forças Armadas do país, estiveram presentes no encontro quatro generais e um tenente-coronel. Do lado da Igreja Católica, esteve o Papa acompanhado por um tradutor da Igreja de Myanmar.

No fim do encontro, que teve uma duração aproximada de 15 minutos, o comunicado da Santa Sé refere que foi discutida "a grande responsabilidade das autoridades do país neste momento de transição".

Houve ainda oportunidade para uma troca de presentes, O Papa ofereceu uma medalha alusiva a esta viagem e os responsáveis militares ofereceram uma harpa em forma de arco e uma taça de arroz decorada.

Na terça-feira, Francisco tem reunião marcada com a primeira-ministra Aung San Suu Kyi, Prémio Nobel da Paz em 1991.

A repressão e perseguição à comunidade rohingya tem colocado as autoridades birmanesas, e a própria Nobel, debaixo de fortes críticas. No país, 91% da população é budista, os rohingya são uma minoria muçulmana.

Francisco é o primeiro Papa a visitar Myanmar, donde segue para o Bangladesh, país de maioria muçulmana e também no centro da crise humana da minoria rohingya.

Nesta viagem que decorre até sábado, dia 2 de Dezembro, o Papa vai percorrer mais de 17 mil quilómetros, numa agenda que inclui encontros com vários responsáveis políticos, líderes católicos e com o Conselho Supremo dos Monges Budistas de Myanmar.

[notícia actualizada às 13h14]

A Renascença com o Papa em Myanmar e no Bangladesh. Apoio: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Quem são os rohingya, que fogem aos milhares de Myanmar?
Quem são os rohingya, que fogem aos milhares de Myanmar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.