O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Orçamento do Estado 2018. O que muda na minha vida?

27 nov, 2017 - 19:40

Vai haver mais escalões de IRS, carreiras descongeladas na função pública e novo aumento extraordinário de pensões, mas também mais impostos para as empresas mais lucrativas e novas regras de tributação para os recibos verdes.
A+ / A-

O parlamento aprovou esta segunda-feira, em votação final global, a proposta do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), com os votos favoráveis do PS, PCP, BE, PEV e PAN e desfavoráveis do PSD e CDS.

A proposta foi aprovada na generalidade em 3 de Novembro com os votos favoráveis de PS, BE, PCP e PEV, contra de PSD e CDS-PP e a abstenção do PAN.

Após a aprovação na generalidade, e durante de duas semanas, houve no parlamento reuniões sectoriais com os ministros das várias pastas.

Conheça as principais mudanças já aprovadas na especialidade:

Escalões do IRS e outras alterações

O número de escalões do IRS vai aumentar de cinco para sete, tendo sido desdobrados os segundo e terceiro escalões do imposto: serão tributados a 14,5% quem ganha até 7.091 euros, a 23% quem tem rendimentos anuais entre aquele valor e os 10.700 euros, a 28,5% os que auferem entre 10.700 e 20.261 euros, a 35% o intervalo de rendimentos entre os 20.261 e os 25 mil euros e a 37% os entre os 25 mil e os 36.856 euros.

Para os dois últimos escalões, a taxa dos contribuintes que ganham entre os 36.856 euros e os 80.640 fica nos 45% e a dos que ganham mais do que 80.640 euros fica nos 48%.

O mínimo de existência, que determina o nível de rendimento até ao qual trabalhadores e pensionistas ficam isentos de IRS, passará a abranger também os profissionais liberais.

A fórmula de cálculo foi alterada para que deixe de ter um valor fixo (actualmente é de 8.500 euros) e passe a ser actualizado em função do Indexante dos Apoios Sociais (IAS), havendo uma "cláusula de salvaguarda" para garantir que, em resultado da aplicação desta nova fórmula, nunca possa resultar que o mínimo de existência seja inferior ao valor anual do salário mínimo.

Carreiras na Administração Pública

A partir do próximo ano, os trabalhadores da Administração Pública que, nos últimos sete anos de carreiras congeladas, reuniram as condições necessárias vão ter direito a progredir.

O acréscimo salarial correspondente à progressão será, assim, pago de forma faseada: em 2018 serão pagos 25% em Janeiro, mais 25% em Setembro; em 2019 recebem mais 25% em maio e mais 25% em Dezembro.

No caso das carreiras cuja progressão depende sobretudo da contagem do tempo, como é o caso dos professores, o tempo de serviço foi congelado entre 2011 e 2017, e o parlamento decidiu remeter para a discussão com os representantes dos trabalhadores a forma como será contabilizado o tempo no descongelamento destas carreiras, tendo em conta "os recursos disponíveis".

Aumento extraordinário de pensões

Os pensionistas que recebam até 632 euros (1,5 vezes o Indexante de Apoios Sociais - IAS) terão um acréscimo mínimo de seis ou 10 euros, consoante tenha ou não existido atualização da pensão entre 2011 e 2015.

Este aumento extraordinário abrangerá as pensões de invalidez, velhice e sobrevivência atribuídas pela Segurança Social e as pensões de aposentação, reforma e sobrevivência do regime de proteção social convergente atribuídas pela Caixa Geral de Aposentações (CGA), e já vai considerar a atualização de janeiro, em resultado da evolução da inflação e do crescimento da economia.

Complemento Solidário de Idosos

O Complemento Solidário para Idosos (CSI) será alargado a pensionistas que, independentemente da idade, pediram reformas antecipada a partir de 2014, ano em que foi introduzido um agravamento das regras de acesso à reforma antecipada pelo anterior Governo PSD/CDS-PP.

A medida, que deverá abranger cerca de 7.600 pensionistas, prevê que durante o próximo ano quem se reformou por antecipação (por atividade profissional desgastante, desemprego de longa duração ou doença) a partir de 2014 possa candidatar-se a este complemento.

Fim do corte de 10% no subsídio de desemprego

O corte de 10% que é aplicado ao subsídio de desemprego após os seis meses de atribuição vai acabar em 2018.

Regime simplificado de IRS

O novo regime irá abranger apenas os profissionais liberais e os outros prestadores de serviços (como os do alojamento local) e não se vai aplicar aos agricultores nem aos pequenos comerciantes.

A presunção automática de despesas do regime será limitada, mantendo-se os coeficientes que actualmente existem (e que garantem uma dedução automática ao rendimento tributável), mas uma parte ficará dependente das despesas suportadas e registadas no 'e-factura', tendo estes trabalhadores de justificar 15% das despesas.

Para preencher estes requisitos é considerada automaticamente uma dedução de 4.014 euros (igual à admitida para os trabalhadores dependentes) e também as despesas com pessoal, as rendas e os encargos com imóveis e outras despesas, como "materiais de consumo corrente, eletricidade, água, transportes e comunicações e rendas", entre outros.

Aumento da derrama de IRC

A derrama estadual paga pelas empresas com lucros superiores a 35 milhões de euros será agravada em dois pontos percentuais, para os 9%.

Fim dos duodécimos no setor privado

Os trabalhadores do sector privado vão voltar a receber os subsídios de Natal e de férias de uma só vez a partir do próximo ano, deixando de receber metade de cada um dos subsídios em duodécimos ao longo do ano.

Resposta, apoios, combate e prevenção a incêndios

O Ministério das Finanças vai centralizar um pacote de 186 milhões de euros, dos quais 62 milhões para aplicação em ativos financeiros, destinada ao financiamento de despesas com indemnizações, apoios, prevenção e combate aos incêndios.

A este montante soma-se o apoio de 100 milhões de euros do IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação para apoio às empresas, a abertura de concursos no âmbito do Portugal 2020 com dotação até 80 milhões de euros para projetos geradores de emprego e 35 milhões de euros para a reposição dos equipamentos públicos municipais.

No próximo ano, os proprietários privados têm até 15 de março para limpar as áreas envolventes às casas isoladas, aldeias e estradas e, se isso não for feito, os municípios terão até ao final de maio para proceder a essa limpeza.

Fica prevista ainda uma transferência extraordinária de 50 milhões de euros para as autarquias para execução de rede secundária de faixas de gestão de combustível (nas redes viárias e ferroviárias, na linha de transporte de energia e nas envolventes aos aglomerados populacionais).

O Fundo de Apoio Municipal (FAM) poderá atribuir 10 milhões de euros aos municípios para emprestarem às famílias cujas habitações não permanentes tenham sido danificadas ou destruídas pelos incêndios de grandes dimensões.

O Governo já tinha dito que o total de medidas de medidas de resposta, apoio, prevenção e combate aos incêndios em 2018 vai totalizar 650 milhões de euros, dos quais 230 milhões com impacto no défice. Assim, prevê-se agora um défice de 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no conjunto do próximo ano (acima do 1% previsto anteriormente).

Educação e Ensino Superior

No ano lectivo de 2018/2019, os manuais escolares vão passar a ser gratuitos também para os alunos dos 5.º e 6.º anos e o número de alunos por turma vai ser reduzido progressivamente nos 1.º, 5.º e 7.º anos.

Quanto à gestão das cantinas escolares, o Governo vai começar a fiscalizá-las e a avaliar a qualidade das refeições e os encargos com as respectivas concessões, quando existam, publicitando os respectivos resultados, sendo que o valor da refeição cobrada aos estudantes não pode subir.

No pré-escolar, serão abertas no próximo ano "pelo menos 150 novas salas" na rede pública em articulação com os municípios.

Já no ensino superior, o valor das propinas ficou congelado, o valor das bolsas de doutoramento será, no próximo ano, "atualizado com base no índice de preços ao consumidor (IPC -- média anual) que se vier a verificar em 2017" e as bolsas de ação social escolar atribuídas aos alunos com necessidades educativas especiais serão majoradas em 60%.

Transportes

No próximo ano, o desconto de 25% do passe de transportes para os estudantes entre os 4 e os 18 anos será alargado a todos os alunos, mesmo aos que não têm apoio social.

Também o passe sub23@superior.tp, dirigido aos estudantes do ensino superior até aos 23 anos, foi alargado aos serviços de transporte coletivo de passageiros autorizados ou concessionados pelos organismos da administração central e regional, bem como aos serviços de transporte de iniciativa dos municípios.

Além disso, foi ainda alargada a idade até à qual os estudantes de Medicina e de Arquictetura podem beneficiar deste título de transporte, até aos 24 anos.

Energia

Uma das maiores polémicas deste Orçamento aconteceu na área da energia e entre partidos que apoiam o Governo. O PS mudou de posição e anunciou o voto contra a contribuição das renováveis, que tinha sido proposta pelo Bloco de Esquerda. Na resposta, Maria Mortágua acusou os socialistas de "deslealdade".

A tarifa social da electricidade, destinada às famílias com baixos rendimentos, vai passar a abranger também as botijas de gás, pelo que, no próximo ano, vão usufruir desta tarifa especial as famílias de baixos rendimentos cujas casas ainda tenham gás engarrafado, o que é comum nas casas mais antigas.

Cativações

O Governo ficará obrigado a enviar informação ao parlamento sobre a evolução das cativações todos os meses e as propostas do Orçamento passarão a incluir os montantes das verbas sujeitas.

Foi ainda aprovada uma norma "travão" para que as cativações no próximo ano sejam inferiores a 90% do valor global inicialmente bloqueado em 2017, bem como a exclusão deste instrumento dos hospitais e quatro entidades da saúde, e ainda da educação e dos transportes.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Sousa
    28 nov, 2017 Ribeira brava 17:40
    Onde é que está o aumento dos salários acima do salário mínimo é só aumentos para o salário mínimo e os outros? Eu sou motorista de transporte público e já não tenho aumento de salário há 8 anos isto é uma vergonha.
  • pois, pois,pois,pois
    28 nov, 2017 dooutrolado 16:56
    Será mesmo que descontou para o estado? Ou não será que descontou foi para os patrões meterem mais na sua conta? Concordo que todos devam ser tratados da mesma forma, mas também o que acho bem é que todos descontam da mesma forma, não é uns descontaram e outros não mas depois requererem dos mesmo direitos e ainda acharem-se no direito de ficar contra os outros. há muitos funcionários públicos que só ganham acima dos 500 euros mais uma ninharia, uma miséria e já trabalham muitos anos. Neste caso não é culpa dos funcionários que têm reformas de 500 euros dos funcionários públicos. O salário minimo qualquer dia encosta aos outros, mas os outros nada de subir, mas quando se pensa em subir umas serrilhas, lá vem tudo reclamar dos funcionários públicos. Vocês para estarem caladinhos é vendo os funcionários públicos sempre para pior, só se lembram de quem tem pouco quando é para dar mais umas migalhas a quem tem levado sempre no mesmo. Pois é, quem é que se lembra disto?
  • Ines Ribeiro
    28 nov, 2017 Espinho 10:41
    Tudo muito bem. Temos de aceitar ordens dos n/superiores, não esquecendo de quem nos comanda. Eu tenho em minha casa um português que começou a trabalhar com 11 anos de idade, descontou 48 anos, optou por se reformar aos 60 anos porque nesta altura deram opcoes aos portugueses, para usufruir de uma reforma que nem sequer chega aos 500 euros. Passado alguns meses ou ano a lei tornou a alterar. Neste caso o português como possivelmente muitos outros estão prejudicados pelas penalizações. Os governantes em primeiro lugar só se preocupam com os funcionários públicos esquecendo que todos os contribuintes contribuem para tantos pagamentos do estado. Pergunto agora ainda nenhum partido se lembrou de igualar as leis para todos os portugueses de igual forma? Muito obrigado
  • Elsa Dias
    28 nov, 2017 Almancil 10:27
    E ordenado mínimo ninguem disse nada. ...em quanto ficámos?
  • muladacooporativa
    27 nov, 2017 deu dois coices no telhado 13:12
    A opinião do xuxas da treta. Que se corte mais na função pública, que se empobreça mais, que se acabe com a funç.pública para dar tudo aos privados, para estes enriquecerem cada vez mais. Tudo isto é o que queria o xuxas. Tudo para o privado, mas para os patrões, nada para os trabalhadores ou cada vez menos, nada para a função pública. Ou seja, xuxar queres tu mais, mas à custa de quem empobrece mais. Vocês o privado não precisam do publico, são muito bons. Criam as riquezas, mas muitas vezes à custa do estado, o sierspa na negociata custou 3 x mais, tudo para os ladrões do privado e para o ze povinho pagar. Depois os privados é que produzem mas não precisam dos funcionários públicos para lhes comprar o que produzem. Alguns trabalham como condutores no privado, como contabilistas, como professores, mas estes é que produzem, quem trabalha como condutor, contabilista e quem é professor no público estes são parasitas, não têm direito à sua dignidade nem são dignos de respeito, deveriam era estar desempregados ou então recebendo metade do salário. Não é xuxaria manuputaquetepariu?
  • Manipuldor e mamador
    27 nov, 2017 do r-q-t-parta 12:43
    xuxa tás precisando tu mas é nesta boca para te calar. Ainda não te basta os salários e carreiras congeladas desde de 2010? Queres isto para o resto da vida? Será que és daqueles que ganha o salário minimo ou ganha á volta de 700 euros mas que quer continuar até ao resto da vida com o mesmo salário e com a carreira congelada? O que é que tu fazes na vida e o que é que ganhas? Ou falas porque tens uma vida bem estabilizada mas os outros têm que viver cada vez mais pobres, idiota? É porque as coisas cada vez estão mais caras, a 3x mais em relação ao tempo do escudo, com o mesmo salário, graças à moedinha do euro.... Querias era um como o coelho, que cada vez tirou mais aos trabalhadores para dar aos patrões. Assim é que tu querias. Esta é a conversa que daqui a vinte anos se vá ouvir de gente como tu. Comilão! O que tu queres é mais pobreza, menos direitos para os trabalhadores, menos salário e mais horas de trabalho para que gente da tua laia possa enriquecer mais e comprar carros top, mercedes e bmw, enquanto que há muitos da funç.publica com o carro cheio de ferrugem e cheio de buracos sem os poder arranjar. Cal-te merdoso! Isto não vai acabar mal. já acabou mal porcausa de tanta gente sem escrúpulos que este país tem e que o levaram a este ponto. Não dês o que tens aos outros. Manipulador enquadra-se bem é em ti. (...) não te digo o que mereces porque depois não publicam se não chamava-te tudo e mais alguma coisa.
  • XUXAS MANIPULADORES
    27 nov, 2017 Lx 11:50
    Orçamento da treta, da peta e da teta da função pública...ai kamarada Kosta que isto vai acabar mal...