|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sheik Munir. Muçulmanos são as maiores vítimas dos atentados

25 nov, 2017 - 17:44 • Susana Madureira Martins

Reage assim ao último atentado que este sábado fez mais de 300 mortos.

A+ / A-

Quem mais sofre com os atentados provocados por muçulmanos são os próprios muçulmanos, diz o líder da Mesquita Islâmica Central de Lisboa.

David Munir reage assim ao atentado de ontem no Egipto que matou mais de 300 pessoas numa mesquita no Sinai, frequentada por muçulmanos sufi.

Munir falou no Seminário da Luz, numa conferência organizada pela Comissão Nacional Justiça e Paz, em Lisboa, sobre migrações e diálogo de culturas onde lamentou aquele acto de terrorismo.

“Ontem, infelizmente, houve um atentado numa mesquita feito por muçulmanos. Quem mais sofre com esses últimos atentados são os próprios muçulmanos. Nenhum atentado se justifica em nome de qualquer religião. Há um versículo do Alcorão que diz: ‘Aquele que salvar uma pessoa salva toda a humanidade, aquele que matou uma pessoa matou toda a humanidade”, disse.

O sheik David Munir sublinhou nesta palestra que o Islão sempre conviveu e dialogou com as outras religiões monoteístas, nomeadamente com cristãos e judeus.

Munir acrescentou ainda que, e dando exemplo dessa aproximação entre religiões, que o Islão "acredita que a mensagem de Jesus veio de Deus e que o seu nascimento é milagroso", sublinhando ainda que a Maria é dedicado o "décimo nono capítulo do Alcorão".

No final do painel em que participou, o líder da mesquita central de Lisboa, garantiu que a comunidade muçulmana em Portugal "não tem nenhum problema de integração", dando também a garantia que estará "sempre disponível para o diálogo independentemente da crença".

Ficou, entretanto, o convite para que todos os que assistiram a esta conferência no auditório do Centro Cultural Franciscano, em Lisboa, visitem "a mesquita em qualquer dia ou hora".

A "irmã" Zahara e a irmã Maria Manoel

Nesta conferência dedicada às migrações e diálogo de culturas houve espaço também para dois depoimentos sobre o acolhimento de refugiados em Portugal.

A primeira experiência relatada foi a de Joana Rigato, uma professora de Filosofia no Colégio São João de Brito, em Lisboa, que decidiu abrir as portas da própria casa a uma família de iraquianos em Março deste ano.

Trata-se da família Aljazaeri, um casal e um filho que chegaram à capital portuguesa por via de uma autêntica rede de voluntários, apoiados pela Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR).

Joana Rigato contou nesta conferência que a ligação entre a sua própria família e a dos Aljazaeri tornou-se tão próxima que actualmente trata a Zahara, a mulher do casal, por "irmã", explicando a boa integração dos três iraquianos, que, entretanto, se tornaram quatro já em Portugal, já que Zahara chegou grávida de oito meses.

Muito diferente foi a integração de outros refugiados que chegaram ao nosso país, numa experiência contada pela Irmã Maria Manoel, uma freira das Escravas do Sagrado Coração de Jesus.

Esta congregação religiosa recebeu até agora quatro famílias de refugiados e os que mostraram mais problemas de integração foram duas famílias provenientes da Síria instaladas em Palmela.

A irmã Maria Manoel explicou mesmo que houve "alguma dificuldade de socialização" e mesmo "uma certa resistência", de tal maneira que uma das famílias, composta por uma mãe e três crianças fugiu da casa de acolhimento "sem dizer nada a ninguém". A outra família ainda se despediu e foi para a Alemanha.

Tudo isto provoca, segundo a irmã Manoel, um problema até de "gestão dos nossos sentimentos e das pessoas que colaboram connosco", que rematou que "não é pedir muito, nem que seja um obrigado" por parte dos refugiados.

Em relação às outras duas famílias acolhidas pela Congregação, tratam-se de cidadãos do Iraque que estão, segundo a religiosa, "cada vez mais autónomos" e já falam português, contando que uma das famílias é composta por uma mãe com pouca mobilidade - desloca-se de cadeira de rodas - tendo a cargo quatro filhos.

O principal problema relatado pela irmã Maria Manoel é o "processo lento de socialização" destas pessoas que chegam a Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Terrorista
    26 nov, 2017 WWW.ceifadores.com.br 13:38
    Os intelectuais progressistas fazem seus planos, mas sempre considerando primeiro o seu lucro, os quais têm que ser remunerados para terem tudo o que necessitam. Já os grandes empresários procuram mostrar que têm capacidade de aumentar seus lucros conforme estudaram, pondo seus projetos a funcionar, sabendo que outros não teriam a capacidade que têm suas mentes. Razões estas que a cada dia engordam mais. Então fazem que os países mais desenvolvidos põem muitos outros para trás, porque suas tecnologias são mais atrasadas, e com isto se aproveitam dos mais fracos, pondo em risco toda humanidade, onde a minoria come do melhor e o restante come do que sobra. E de suas lavouras, o forte agricultor vende seus produtos para as grandes empresas, exportando o que há de melhor. Com tudo isto vai se acumulando cada vez mais o ódio. Então, os que não têm Deus em seus corações se oferecem para serem homicidas, pensando que, com esta injustiça, podem salvar suas almas. E o maior terrorista fica de fora, oferecendo dinheiro e dizendo para a família que, depois da morte, todos os que ficarem irão viver bem; daí começa a desgraça, não sabendo eles que os olhos de Deus podem ver tudo. Irmão estás confuso? Pois te digo: a inteligência pura e santa não parte de um homem que estudou tudo o que precisava. Homens inteligentes são todos aqueles que se entregaram a serviço de Deus, como é o teu caso, irmão Bento. Usas a mais perfeita tecnologia, a Divina. Não a dos homens, mas a de Jesus.
  • Mario
    26 nov, 2017 Portugal 13:12
    Mais um que julga ser dono da verdade, se proibissem a vossa religião na Europa gostaria de ver para onde iriam...Por outro lado deviam respeitar quem vos ajuda e nao tentar implementar os vossos costumes primitivos em quem e mais civilizado que voces....
  • Maria
    26 nov, 2017 Lisboa 02:10
    Uma vergonha o que esse “senhor” diz. Mas aqui podem dizer e fazer tudo o que nos seus países não ousariam fazer
  • José Luís Ourique Vi
    25 nov, 2017 Norte Grande Neves 20:38
    Se dissesses "uns" tudo bem... agora não repetiria isso ás familias dos mortos nos atentados em França, Ingraterra etc etc... agora também podias dizer que os principais causadores disto tudo são os americanos, mas não dizes... porquê? Mesmo que este comentario não seja publicado aqui, pois já estou habituado a censura deste sitio será publicada na minha página do "facebook" onde muita gente é da minha opinião.
  • António Andrade Corr
    25 nov, 2017 Rio mouro 19:36
    Nao meu amigo! Está enganado. As maiores vitimas são os que morreram de forma inocente. Esses sim é que devem ser lembrados e evocados como vítimas
  • das Caldas
    25 nov, 2017 Caldas da Rainha 19:35
    Coitadinhos...Este Munir e o seu jogo de cintura...