A+ / A-

​Receber subsídios por inteiro é um “incentivo à poupança”

24 nov, 2017 - 11:38

Na Manhã da Renascença, o secretário de Estado do Emprego classificou a medida como um regresso à normalidade.
A+ / A-

O secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, defende que o fim do pagamento dos subsídios de Natal e férias em duodécimos no sector privado estimula a poupança.

“É um incentivo à poupança e a haver rendimentos que são concentrados num momento do ano para que não seja diluído nos salários, desincentivando a poupança das pessoas”, explicou o governante em declarações ao programa Carla Rocha – Manhã da Renascença.

A medida proposta pelo PCP foi aprovada na quinta-feira, no Parlamento, no âmbito das propostas de alteração ao Orçamento do Estado, prevê o fim da possibilidade de os trabalhadores do sector privado poderem optar pelo pagamento do 13º e 14º mês em duodécimos.

Miguel Cabrita encara a medida como um regresso à normalidade e explica que “os dados mostram que boa parte das pessoas já optava por receber os subsídios nos tempos em que eles eram tradicionalmente atribuídos”.

O governante reconhece que nalgumas empresas os cortes salariais sofridos durante o período de crise ainda não foram revertidos. No entanto, considera que há condições para o fim dos duodécimos.

“Com o alívio fiscal que tem sido conseguido nos últimos anos, com o aumento dos salários que tem também existido, há hoje condições para que as pessoas não sintam da mesma maneira esta questão”, explica.

A proposta do PCP foi aprovada com os votos a favor de todos os partidos com excepção do PSD, que votou contra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • gaspar
    24 nov, 2017 lisboa 18:18
    Receber subsidio por inteiro é um ataque ao consumo e precariedade económica em famílias que mais uma vez terão que viver com menos dinheiro. É um atentado e um corte reversivo?que vai infligir uma forte diminuição da qualidade de vida.O inferno volta e quem trouxe o Diabo q afinal foi não foi a direita.Isto tudo porque o colossal aumento de impostos de Gaspar não só se mantém como aumentou.
  • Dino
    24 nov, 2017 Lisboa 18:08
    Aqui temos uma cativação descarada,menos dinheiro para o consumo e a possibilidade se o orçamento derrapar não pagarem um ou os dois subsídios.Tomam medidas despesista em Janeiro que empurram com a barriga ,junho e novembro meses de pagamento subsídios.Malabarismo que vai penalizar todos que recebiam os duodécimos ,a tal classe que paga impostos.Votos em queda 1 milhao
  • Jm
    24 nov, 2017 Tercena 14:15
    Mudanças de escalão menos dinheiro no bolso
  • XUXAS MANIPULADORES
    24 nov, 2017 Lx 13:44
    Seu mentiroso compulsivo e manipulador socialista...Portugal tem uma taxa de poupança média de cerca de 3 por cento e a média europeia é de mais de 15 por cento...Enfim, só demagogia e manipulação para quem não sabe, não pensa e não estuda os assuntos.Uns manipuladores estes socialistas que nunca foram bons em contas...
  • 24 nov, 2017 aldeia 13:41
    Claro....excepto o psd,a vontade deles era acabar com os subsídios.