A+ / A-

Amesterdão recebe Agência Europeia do Medicamento

20 nov, 2017 - 15:48 • Rui Barros com Vasco Gandra (Bruxelas)

Cidade do Porto ficou em 7.º lugar e foi afastada. Milão, Amesterdão e Copenhaga passaram à segunda ronda de votações. Na terceira ronda, houve empate e a decisão foi tomada por sorteio, com a cidade holandesa a ganhar a Milão.
A+ / A-

Veja também:


A candidatura portuguesa para acolher a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês), que abandonará o Reino Unido devido ao "Brexit", foi excluída na primeira votação, confirmou a Renascença em Bruxelas.

A cidade de Amesterdão acolherá a agência. Segundo avança o site "Politico", a cidade holandesa empatou a terceira ronda de votações com Milão, tendo vencido por sorteio.

A votação, que decorreu esta segunda-feira com a participação dos 27 Estados-membros da União Europeia, ditou que a cidade do Porto fosse excluída logo na primeira ronda. Havia 14 concorrentes.

Milão (25 votos), Amesterdão e Copenhaga (ambos com 20 votos) passam à segunda ronda de votações. O Porto ficou-se pelos 10 votos, sendo a 7ª mais votada, a par de Atenas.

Na primeira volta, cada Estado-membro podia atribuir três, dois ou um ponto entre as candidaturas. Se uma das candidaturas recolhesse o apoio de pelo menos 14 votos, seria imediatamente vencedora. Isso não aconteceu e a cidade portuguesa não ficou nas três mais votadas.

Não havendo consenso, como foi o caso, as três cidades mais votadas passam a uma segunda ronda, na qual os 27 países voltam a votar numa das três cidades mais votadas.

A escolha é feita por voto secreto, pelo que não é possível perceber quem votou em quem.

À terceira ronda de votações Milão e Amesterdão empataram, tendo a cidade holandesa vencido por sorteio.

A candidatura portuguesa corria inicialmente contra outras 18 cidades: Amesterdão (Holanda), Atenas (Grécia), Barcelona (Espanha), Bona (Alemanha) Bratislava (Eslováquia), Bruxelas (Bélgica), Bucareste (Roménia), Copenhaga (Dinamarca), Dublin (Irlanda), Helsínquia (Finlândia), Lille (França), Milão (Itália), Sófia (Bulgária), Estocolmo (Suécia), Varsóvia (Polónia), Viena (Áustria), Zagreb (Croácia) e ainda Malta, que não especificou a cidade.

Na sexta-feira, foi noticiado que Malta retirara a sua candidatura, sendo seguida por Croácia e Irlanda, que anunciaram que retirariam a sua candidatura esta segunda-feira, dia da votação. Dublin manteve-se, apesar de tudo, na corrida para receber a Autoridade Bancária Europeia.

O Palácio dos Correios, na Avenida dos Aliados, o Palácio Atlântico, na praça D. João I, ou instalações novas na avenida Camilo Castelo Branco eram as três localizações propostas para a EMA no Porto, tendo o autarca Rui Moreira garantido que a sua instalação na cidade não teria custos para Portugal.


Votos por cidade para acolher a Agência Europeia do Medicamento:

Milão – 25 pontos
Amesterdão – 20 pontos
Copenhaga – 20 pontos
Bratislava - 15 pontos
Barcelona – 13 pontos
Estocolmo – 12 pontos
Porto – 10 pontos
Atenas – 10 pontos
Bucareste – 7 pontos
Varsóvia – 7 pontos
Bruxelas – 5 pontos
Helsínquia – 5 pontos
Viena – 4 pontos
Bona – 3 pontos


A polémica do centralismo

A candidatura portuguesa esteve inicialmente envolta em polémica. A cidade de Lisboa esteve para ser a candidata portuguesa, mas, depois de alguns protestos de Rui Moreira, que classificou a decisão de centralista, o Conselho de Ministros tomou a decisão de candidatar a cidade do Porto.

Tomada a decisão, Portugal redobrou-se em esforços diplomáticos para conseguir o voto dos restantes 26 países votantes. De acordo com a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, "foi feito um intenso trabalho diplomático e muitas diligências diplomáticas junto dos 26 países envolvidos". Na sexta-feira, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, também defendeu que "o Porto está claramente no conjunto das candidaturas mais fortes".

Esta segunda-feira de manhã, o primeiro-ministro português recorreu à conta oficial na rede social Twitter para dizer que “o Porto oferece à EMA a melhor solução para a sua relocalização” e questionar se a União Europeia iria aproveitar “esta oportunidade”.

Apesar dos esforços, ao longo da candidatura foram diversas as informações que surgiram sobre a candidatura do Porto. Se um estudo feito a pedido da Associação Comercial do Porto colocava a cidade portuguesa “entre as cinco cidades favoritas” para acolher a EMA, o jornal económico "Financial Times" dizia que o Porto “estava fora das cidades favoritas”.

[Notícia actualizada às 17h19 com a informação de que Amesterdão é a cidade eleita]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mario
    20 nov, 2017 Portugal 23:56
    AHHHHHHHH com os estúpidos que temos no governo que passam a maior parte do tempo a discutir sobre o sexo dos anjos em vez de resolverem logo inteligentemente agora toma mais uma prova da incompetência da classe politica Portuguesa AHHHHHH
  • Fausto
    20 nov, 2017 Lisboa 23:03
    Não fazia sentido a agência...dos medicamentos...ser em Portugal...
  • Jorge Silva
    20 nov, 2017 Santarém 22:38
    O nacional parolismo está de luto. Valha-nos a Eurovisão
  • Faz sentido...
    20 nov, 2017 N/S 21:55
    Tendo em conta a quantidade de toxicodependentes encartados e também por causa do red district!!
  • José Cunha
    20 nov, 2017 Paredes de Coura 18:53
    Continuamos a ser o Portugal dos pequeninos, não somos respeitados como país com história onde deixa muitos outros incomodados. Ó porto vai por certo continuar no seu progresso com gente de trabalho e honrada que através de séculos soube dar a volta por cima destes meros casos de política de baixo nível, Viva Portugal Viva ao PORTO.
  • José António
    20 nov, 2017 Setubal 18:38
    Previsível desde o inicio, a candidatura do Porto, não passou de "verbo de encher"!...há países de 1º mundo e depois há os outros....! Aprenderam a lição?
  • 20 nov, 2017 18:31
    Milão – 25 pontos Amesterdão – 20 pontos Copenhaga – 20 pontos
  • Fernando Tavares
    20 nov, 2017 Lisboa 18:10
    Pronto, os portistas estão contentes. Era uma chatice mais uma centralização: sede em Lisboa!?
  • JOÃO MELO
    20 nov, 2017 ALQUERUBIM 18:07
    O Sr JP tem razão em tudo o que disse. Somos uns parolos sem qualidade para nos candidatarmos seja a que for quando os argumentos que utilizamos são tão reduzidos... Já agora, se tivéssemos candidatado a bela cidade de Aveiro... aí sim teríamos muito mais hipóteses; além de ser uma cidade belíssima, ter talvez a melhor Universidade portuguesa e... já que gostaram tanto de canais, os nossos são incombatíveis...
  • J.c. Melim,
    20 nov, 2017 Fx. 17:58
    Afinal o "centro da Europa" e do mundo não é Portugal, que chatice, que maçada! Qual é discussão seguinte, qual é a cidade que receber o campeonato do mundo, Lisboa ou Porto?