O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Mudanças em Angola são actos de “sobrevivência política”, diz líder parlamentar da UNITA

16 nov, 2017 - 10:43 • Pedro Mesquita, com Cristina Nascimento

Adalberto da Costa Júnior garante, em entrevista à Renascença, que, apesar das mudanças, não há qualquer clima de liberdade no país.
A+ / A-

O líder parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, considera que as recentes mudanças em Angola não passam de actos de sobrevivência política.

“João Lourenço ou toma estas atitudes ou a sua duração na governação é curta, porque ele não tem os instrumentos económicos na sua mão - estes instrumentos estão nas mãos dos filhos do ex-Presidente da República", afirma Adalberto da Costa Júnior em entrevista à Renascença. "Os seus actos têm muito a ver com a condição de garantir a sua sobrevivência política”, declara.

O novo Presidente de Angola, João Lourenço, tem feito várias alterações em posições de poder no país. Nomeadamente, afastou Isabel Soares dos Santos da presidência da Sonangol e retirou à Semba Comunicação a gestão do segundo canal da TV Pública de Angola (TPA), afastando dessa forma Welwitshea ‘Tchizé’ dos Santos e o irmão José Paulino dos Santos, sócios da empresa. Todos filhos do antigo chefe de Estado, José Eduardo dos Santos.

Adalberto da Costa Júnior considera que são precisas ainda outras mudanças e espera que o novo Presidente "tenha coragem para o fazer".

Como interpreta o afastamento de Isabel dos Santos da Sonangol e estas decisões de mudança do novo Presidente angolano?

João Lourenço tem que tomar estas decisões ou a sua duração no poder será curta. Ele não tem os instrumentos económicos na sua mão. Estão nas mãos dos filhos do ex-Presidente. Portanto, os seus actos têm muito a ver com a condição de garantir a sua própria sobrevivência politica.

João Lourenço consegue garantir essa sobrevivência politica quando Eduardo dos Santos ainda é o líder do MPLA?

São desafios que existem, vamos ver... A estrutura de topo do MPLA governou, no passado, o 'bureau político' é o mesmo e, portanto, essas são questões que todos nos colocamos. O que ele está a fazer é aquilo que nós há muito tempo requeríamos. Faltam outros actos, muito urgentes, também. Esperemos que ele tenha coragem.

Um exemplo...

Olhe, a mudança do chefe do fundo soberano ,que está nas mãos de um outro filho. Não há prestação de contas. São actos devidos e João Lourenço sabe que, se não o fizer, não tem condições de governação.

Alguns analistas sugerem que as decisões do novo Presidente estão a ser concertadas com José Eduardo dos Santos...

Esse hipotético acerto acabará sempre por criar divergências de opinião. Espero que tenhamos um presidente que trate mais do país e menos do partido.

João Lourenço está a ser um bom Presidente?

Ainda é cedo para avaliar. Está há menos de 100 dias na presidência e há aspectos estratégicos do país em que ele ainda não meteu a mão. Portanto, visto de fora, é normal a surpresa. Visto de dentro, há uma enormíssima falência em tudo que são instituições e, por isso, a expectativa em relação a ele é muito maior do que aquilo que já fez.

Sente-se em Angola mais liberdade, neste momento?

Não, de maneira nenhuma. Dou um pequeno exemplo: eu, enquanto dirigente da UNITA, nunca tinha tido uma primeira página de um jornal de Angola, com uma entrevista. Tive-a há 15 dias, mas todas as respostas dadas sobre João Lourenço foram censuradas. Portanto, se antes não se podia falar do Presidente, hoje também não.

Isaías Samakuva é lider desde 2003. Não chegou a altura de renovar, também, a UNITA? Para mais, porque existe agora um Presidente da República com posições bem diferentes, pelo menos aparentemente, de José Eduardo dos Santos?

A UNITA é diferente do MPLA. Sempre tivemos congressos com propostas plurais e existe absoluta democraticidade na eleição do seu presidente. As diferenças são enormes, mas, de qualquer maneira, há quem, de fora do partido, questione, e temos que estar atentos. O senhor sabe que Isaías Samakuva colocou, depois das presidenciais, o seu lugar à disposição, para que o partido se pronuncie. Teremos, no final do mês, uma reunião da Comissão Politica que tomará decisões sobre esta matéria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.