A+ / A-

IGAI abre inquérito a morte de mulher por engano em perseguição da PSP

15 nov, 2017 - 13:07

Mulher seguia dentro de um carro que foi confundido com a viatura envolvida num assalto a um multibanco.
A+ / A-

A Inspecção Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito para apurar em que circunstância ocorreu a morte de uma mulher durante uma perseguição policial esta madrugada em Lisboa, anunciou o Ministério da Administração Interna (MAI).

"A Inspecção Geral da Administração Interna determinou a abertura de um inquérito para apuramento dos factos relacionados com a ocorrência que teve lugar na madrugada de hoje, da qual resultou a morte de uma cidadã na sequência de uma intervenção policial", refere o MAI, em comunicado.

A mulher morreu depois de a viatura em que seguia ter sido confundida com uma outra envolvida num assalto a uma caixa multibanco, em Almada. Os criminosos colocaram-se em fuga, levando as autoridades a iniciar uma perseguição, que atravessou a Ponte 25 de Abril, chegou à Rotunda do Relógio, junto ao aeroporto de Lisboa.

De acordo com o comunicado da PSP (leia em PDF), por volta das 3h35, na zona da Encarnação, Lisboa, foi detectada uma viatura que aparentava corresponder às características da viatura suspeita, cujo condutor desobedeceu à ordem de paragem.

"Esta viatura, durante a fuga, tentou atropelar os polícias, que tiveram de afastar-se rapidamente para não serem atingidos e, em acto contínuo, os polícias foram obrigados a recorrer a armas de fogo. Mais à frente, a viatura voltou a desobedecer à ordem de paragem por outra equipa de polícias, tendo sido interceptada pouco tempo depois", lê-se na nota.

O comunicado refere ainda que "constatou-se, minutos depois, que na viatura seguiam um homem e uma mulher, encontrando-se a mulher ferida por impacto de projéctil de arma de fogo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pindorica
    15 nov, 2017 lisboa 17:44
    e por acaso a dita igai já abriu um inquérito aos policias espancados todos os dias?