O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Cancro da mama. Rastreio vai começar mais tarde

15 nov, 2017 - 07:32

Passa dos 45 para os 50 anos. Todos os dias morrem quatro mulheres com a doença.
A+ / A-

O rastreio ao cancro da mama vai passar a ser iniciado a partir dos 50 anos, com uma mamografia a cada dois anos.

A decisão consta de um despacho do Governo datado de Setembro e é confirmada pelo presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro à agência Lusa.

Actualmente, o rastreio inicia-se aos 45 anos e destina-se a mulheres até aos 69 anos. O despacho pretende agora “uniformizar critérios” nos programas de rastreio a doenças oncológicas e o rastreio passa a abranger mulheres dos 50 aos 69 anos.

O presidente da Liga Contra o Cancro admite várias pessoas têm vindo a defender que as mamografias sejam feitas a partir dos 50 anos, mas considera que devia ter-se aproveitado para abarcar as mulheres mais velhas, até aos 75 anos pelo menos.

Na prática, diz ainda Vítor Veloso, a data dos rastreios com a nova faixa etária vai depender de cada administração regional de saúde.

Segundo o diploma, “as adaptações necessárias aos novos programas de rastreio” devem estar implementadas até final do próximo ano. As utentes entre os 45 e os 50 anos que já tenham iniciado o programa de rastreio antes da introdução das alterações devem ser mantidas no programa.

Todos os anos, há cerca de seis mil novos casos de cancro da mama em Portugal, o que significa 11 casos novos por dia, que provocam a morte a quatro mulheres todos os dias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • solução
    15 nov, 2017 Santarém 23:08
    Toca a cortar que o dinheiro não dá para todas as promessas!