O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Quais os municípios mais amigos das famílias?

14 nov, 2017 - 09:02

Os distritos com maior número de municípios distinguidos são Coimbra (com 10), Lisboa (com nove) e Santarém (com sete). Arganil, Figueira da Foz, Leiria, Palmela e Santo Tirso recebem a distinção pela primeira vez.
A+ / A-

São 61 os municípios que este ano vão receber a Bandeira Verde por terem práticas amigas das famílias, como apoios à maternidade e paternidade e medidas de conciliação entre trabalho e família.

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis anunciou que, em 2017, aderiram a este projecto 115 municípios (dos 308 existentes), dos quais 61 vão receber a bandeira verde.

Arganil, Figueira da Foz, Leiria, Palmela e Santo Tirso são os municípios que recebem a distinção pela primeira vez.

De acordo com o Observatório, criado em 2008 pela Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, há 40 autarquias que são distinguidas há três ou mais anos consecutivos e sete delas são distinguidas desde a primeira edição do prémio, em 2009: Angra do Heroísmo, Cantanhede, Torres Novas, Torres Vedras, Vila de Rei, Vila Real de Santo António e Vila Real.

Os distritos com maior número de municípios distinguidos são Coimbra (com 10), Lisboa (com nove) e Santarém (com sete).

O observatório avalia iniciativas dos municípios em 12 áreas, entre as quais o apoio prestado à maternidade e paternidade, o apoio às famílias com necessidades especiais, medidas de conciliação entre trabalho e família, serviços básicos, educação, habitação, transportes, saúde, cultura, desporto e tempo livre e participação social.

Entre as medidas valorizadas estão o pagamento de creches e jardim-de-infância, comparticipação de consultas de oftalmologia e apoio à aquisição de óculos, bancos de medicamentos e comparticipação de medicamentos, oferta de vacinação fora do Plano Nacional de Vacinação, cantinas sociais e cantinas escolares abertas durante os períodos de pausas escolares, cheque bebé e transportes escolares gratuitos até ao 12º ano.

Na nota, Isabel Paula Santos, responsável pelo Observatório, destacou que se tem verificado "um grande esforço por parte dos municípios na criação de condições para captar e fixar as famílias, com medidas nalguns casos extraordinárias".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • excelente artigo
    14 nov, 2017 St 11:58
    jornalístico "Reportagem multimédia: Cheias de 1967. A tragédia que Salazar quis esconder". Parabéns à RR e às jornalistas que o subscrevem!