O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Filme português conquista prémio no Festival de Cinema Europeu de Sevilha

11 nov, 2017 - 16:41

"A fábrica de nada" estreou-se no Festival de Cannes, onde venceu o prémio da crítica, a que se seguiu o prémio CineVision, em Junho, em Munique, para melhor novo filme, e outros prémios.
A+ / A-

O filme português "A fábrica de nada", de Pedro Pinho, ganhou o principal prémio do Festival de Cinema Europeu de Sevilha, o Giraldillo de Oro, para o melhor filme.

O júri da secção oficial destacou a reflexão que o filme mostra sobre alguns factos relacionados com a crise económica vivida em muitos países europeus.

A longa-metragem narra as vicissitudes de um grupo de trabalhadores que continua a ir para a sua empresa depois dos proprietários a terem abandonado.

O realizador, presente na leitura do palmarés, foi muito aplaudido na sala e agradeceu o prémio, que receberá na gala de encerramento do festival hoje à noite.

"A fábrica de nada" estreou-se em Maio no Festival de Cannes, onde venceu o prémio da crítica, a que se seguiu o prémio CineVision, em Junho, em Munique, para melhor novo filme.

Foi igualmente distinguido nos festivais Duhok, no Iraque, e Miskolc, na Hungria, e seleccionado para os festivais de Londres, Toronto e Jerusalém.

O prémio do Festival de Cinema Europeu de Sevilha para o melhor realizador foi para o francês Mathieu Amairic por "Barbara", enquanto o grande prémio do júri foi para "Western", da alemã Valeska Grisebach.

Zama, de Lucrecia Martel, uma co-produção luso-argentina, recebeu uma menção especial do júri e Thierry de Peretti recebeu o prémio de melhor argumento com "A Violent life".

Selene Caramazza, por "Corazón Puro", e Pio Amato, por "A Ciambra", ganharam os galardões de melhor actriz e actor, respectivamente.

Sete produções ou coproduções portuguesas estiveram em competição neste festival, que tem por objectivo promover o cinema de produção europeia.

Foram ainda homenageados António Reis e Margarida Cordeiro, "duas lendas do cinema português", com a retrospectiva "Lejos de las Leyes", que decorreu ao longo de todo o certame, e encerra hoje com a projecção de "Mudar de Vida", de Paulo Rocha (filme escrito em parceria com António Reis).

Fora de competição é também exibido hoje "O Ornitólogo", de João Pedro Rodrigues, distinguido com o prémio de melhore realização em Locarno, em 2016.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.