A+ / A-
Luís Filipe Vieira

Dívida do Benfica? "Há 17 anos, nem as pedras da calçada tínhamos"

09 nov, 2017 - 21:42

Objectivo do presidente do Benfica, mais do que o passivo, é reduzir a dívida no mercado bancário.
A+ / A-

O presidente do Benfica considera que o passivo do clube está a ser reduzido de forma gradual e dentro das previsões mas não deixa de recordar o estado caótico das finanças encarnadas quando chegou à Luz, ainda como braço direito de Manuel Vilarinho, há 17 anos.

"O que tínhamos há 17 anos? As pedras da calçada para passar por cima delas. E não eram nossas. Tínhamos de entregá-las ao banco", disparou Luís Filipe Vieira, em entrevista à BenficaTV, por ocasião da efeméride dos 14 anos de liderança das águias, em pleno Museu Cosme Damião, perante uma plateia de 70 convidados.

"O passivo do Benfica tem vindo a baixar dentro do que estava previsto. Face ao último ano de vendas, o Benfica quando vende um jogador não recebe logo, vende por 30 milhões mas não recebe ali. É em dois anos, três anos. É natural que o activo suba e o passivo reduza pouco numa situação destas. O preocupante era se o activo fosse descendo e o passivo subindo. Recuperámos os capitais próprios e queremos continuar. Para sermos um grande clube, temos de ter contas saudáveis. E temos de ir pagando o que devemos. O Benfica quer libertar-se da dívida financeira. Numa primeira fase com empréstimos obrigacionistas e quando puder, não renovando", prosseguiu.

Com o passivo, então, a rondar os 430 milhões de euros, Vieira foca-se na dívida ao mercado interno, ao nível bancário. E é essa fasquia que pretende atingir.

"O Benfica nunca fez uma antecipação de receitas e quando o fizesse, seria para abater dívida e não para comprar um jogador. Queremos trazer a dívida do Benfica para 150 milhões de euros. A dívida está agora nos 270 milhões e tem de ir reduzindo", finalizou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.