|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Aberto caminho à beatificação de João Paulo I

09 nov, 2017 - 11:22 • Ecclesia

O decreto foi aprovado pelo Papa Francisco. João Paulo I foi Papa durante apenas 33 dias, tendo recusado uma coroação formal e a cadeira gestatória.

A+ / A-

O Papa Francisco aprovou esta quinta-feira a publicação do decreto que reconhece as “virtudes heroicas” de João Paulo I, pontífice que faleceu em 1978, 33 dias depois da sua eleição.

O documento foi publicado na sequência de uma audiência entre o Papa Francisco e o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Angelo Amato, esta quarta-feira.

Albino Luciani nasceu em Canale d'Agordo, Diocese de Belluno, no Véneto, a 17 de Outubro de 1912; era patriarca de Veneza quando foi eleito Papa a 26 de Agosto de 1978, assumindo o nome de João Paulo I; ficou conhecido como o "Papa do Sorriso".

Foi o primeiro pontífice, desde Clemente V, a recusar uma coroação formal, e não quis ser carregado na cadeira gestatória.

A 28 de Setembro de 1978, 33 dias após a eleição pontifícia, viria a ser encontrado sem vida, no seu quarto.

O reconhecimento das “virtudes heroicas” é uma fase central do processo que leva à proclamação de um fiel católico como beato, penúltima etapa para a declaração da santidade.

A aprovação de um milagre é agora o passo necessário para a proclamação de João Paulo I como beato.

A jornalista Stefania Falasca, vice-postuladora da causa de canonização de João Paulo I, lançou esta terça-feira um novo livro sobre o Papa italiano, que desmonta “teorias da conspiração” sobre a sua morte.

O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, fala da obra como uma reconstrução efetuada com “uma pesquisa histórica rigorosa, com base numa documentação de exceção, até agora inédita”.

Stefania Falasca, autora do livro, disse à Rádio Vaticano que procurou reconstruir “os últimos instantes da morte do Papa” italiano, com testemunhos e documentação médica, tendo chegado à certeza de que João Paulo I “morreu por causa de um acidente isquémico que provocou um enfarte”.

“Esta é a verdade nua e crua”, acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Adosinda Dias
    12 nov, 2017 21:07
    Quando não há certezas, não podemos levantar falsos testemunhos? Ainda há dias li que foi de enfarte, não podemos blasfemar, o que os olhos não vêm, o coração não sente, e muitas coisa que os olhos possam ver, na maioria dos casos é melhor o silêncio? Deus lá saberá o porquê e como, tem a justiça em suas mãos.Fosse como fosse agora dada o trás de volta, seja beatificado era um rosto sorridente, e muito humilde.
  • António Pereira
    11 nov, 2017 Barreiro 22:26
    É mais uma atitude que revela a enorme inteligência, o espírito humaníssimo e o sentido de justiça do nosso querido Papa Francisco !
  • CARLOS SANCHES
    09 nov, 2017 SÃO JOAO DA PESQUEIRA 14:04
    Há-de aparecer um qualquer milagre que o leve à santidade.
  • Antonio
    09 nov, 2017 Vale de Cambra 13:55
    Palhaçadas SEM FIM
  • Alano de lá Roche
    09 nov, 2017 Portalegre 12:28
    Com todo o respeito pela investigação da jornalista, parece haver provas em sentido contrário...