A+ / A-

Legionella. Unidades de cuidados de saúde vão ser avaliadas

07 nov, 2017 - 06:54

Desde 31 de Outubro, foram registados 30 casos da doença do legionário. Duas pessoas morreram.
A+ / A-

Veja também:


As administrações regionais de saúde do país vão fazer uma "avaliação e gestão do risco" de todas as unidades de cuidados de saúde públicas, devido ao surto de legionella, informaram as autoridades de saúde nacionais.

Num comunicado conjunto da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), enviado na segunda-feira à noite, é indicado que será feito o "levantamento das condições estruturais e processuais das unidades prestadoras de cuidados de saúde que integram o Serviço Nacional de Saúde", incluindo agrupamentos de centros de saúde, unidades locais de saúde, centros hospitalares e hospitais, "no âmbito da avaliação e gestão do risco".

Assinado pela directora da DGS, Graça Freitas, e pelo presidente do INSA, Fernando de Almeida, o comunicado revela também que, o INSA e o Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) "estão a desenvolver um Programa de Intervenção Operacional de auditoria técnica de apoio a todas as unidades hospitalares do Serviço Nacional de Saúde".

No mesmo comunicado, DGS e INSA informam que o número de casos diagnosticados de pessoas infectadas com legionella, no hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, subiu para 30.

Até às 20h00 de segunda-feira, "foram diagnosticados 30 casos de Doença dos Legionários com possível ligação epidemiológica ao Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO) – Hospital de São Francisco Xavier", mais um caso do que o anterior balanço, pode ler-se.

Destes 30 doentes, dois morreram, também na segunda-feira, um teve alta e os restantes encontram-se internados.

"Os doentes são, na sua maioria, idosos com fatores de risco associados, nomeadamente doenças crónicas graves e hábitos tabágicos", indica o comunicado.

As duas entidades informam que "está em curso a investigação epidemiológica nas vertentes da vigilância da saúde humana e ambiental, a fim de apurar as circunstâncias que originaram o surto", tendo sido realizadas vistorias técnicas aos equipamentos e às estruturas "potencialmente associados a fontes de transmissão", trabalhos que vão "manter-se durante os próximos dias".

O comunicado refere ainda que está a ser preparado um relatório conjunto da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, DGS e INSA "para esclarecimento da cadeia de acontecimentos que conduziram ao surto".


guialiga19_20_banner
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • LAMENTÁVEL!!!
    09 nov, 2017 GODIM 18:35
    Gostava de perguntar ao Senhor Ministro da Saúde se a Legionella que se encontrava internada no Hospital de Peso da Régua, já teve alta hospitalar?
  • ACM
    07 nov, 2017 Lisboa 08:50
    Acaba por gastar-se mais com as medidas correctivas do que se gastaria se se usassem sempre medidas preventivas e boas práticas, neste caso, suponho que ao nível dos sistemas de refrigeração, canalização, depósitos, limpeza, etc. De facto a própria subcontratação de serviços que por sua vez contratam gente que nada percebe de higiene e de limpeza, mostra bem o ponto a que tudo isto chegou. Triste