A+ / A-

15 de Novembro é dia de greve nacional de professores

03 nov, 2017 - 11:40

Sindicatos apelam à concentração à frente do Parlamento, no dia em que é discutido orçamento da educação na Assembleia da República.
A+ / A-

A Frente Sindical de Docentes, constituída por oito sindicatos de professores, marcou uma greve e uma concentração para 15 de Novembro, dia em que o ministro da Educação vai ao parlamento debater o Orçamento do Estado na especialidade.

Em comunicado, os sindicatos referem que a situação dos professores e educadores será bastante agravada com o novo Orçamento do Estado, uma vez que o tempo de serviço por eles prestado durante o período de congelamento (9 anos e 4 meses) não será contabilizado para efeitos de progressão na carreira.

Os dirigentes destes sindicatos apelam a todos os docentes para uma forte adesão às iniciativas e formas de luta a implementar, designadamente à greve anunciada para o dia 15 de novembro e à participação na respetiva concentração.

A Frente Sindical refere ainda que entregará, na segunda-feira, no Ministério da Educação, um documento com as suas reivindicações e propostas, reiterando a sua exigência de negociação sindical sobre esta matéria.

O protesto agora anunciado está alinhado com iniciativas semelhantes das suas federações nacionais de professores.

A Fenprof, que já havia anunciado um Dia Nacional de Luta dos Professores a 15 de Novembro, marcou uma greve para o mesmo dia e apelou aos docentes para se concentrarem no parlamento nesse dia, durante a discussão do Orçamento do Estado para o sector. "É importante os professores estarem unidos para fazerem uma tremenda greve e uma grande concentração junto à Assembleia da República no dia em que vai estar em discussão o Orçamento da Educação", afirmou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, durante uma conferência de imprensa, em Lisboa.

O dirigente sindical apelou também à participação dos professores na manifestação nacional que a CGTP vai realizar no dia 18 em Lisboa.

A Federação Nacional de Educação (FNE) também já anunciou a realização de uma concentração em Lisboa a 15 de Novembro assim como a apresentação de um pré-aviso de greve para garantir a adesão dos profissionais.

O principal motivo de protesto dos professores, neste momento, está relacionado com o descongelamento das carreiras e a contagem do todo o tempo de serviço, continuando também em cima da mesa reivindicações relativas aos horários de trabalho e um regime especial de aposentação.

O Orçamento do Estado vai ser votado a 28 de Novembro.

[notícia actualizada às 12h29]
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • arrancada
    14 nov, 2017 Aveiro 18:08
    A inveja e a ignorância são lixadas. Só os medíocres a sentem.
  • Portugal Indiscreto
    14 nov, 2017 Marvila 16:04
    É pena que só vejo barbaridades escritas e opiniões deturpadas. Alguns dos que escreveram, devem ser daqueles que andam a roçar o rabo pelas paredes à espera de subsídio e a comprar baixas, ou daqueles que trabalham cursos profissionais e não sabem escrever português, mas querem ganhar tanto como um professor. Levantem-se cedo como eu e vão trabalhar doentes para ver o que é bom. Ainda dizem que somos todos europeus... Vocês são é a vergonha deste país, parasitas e mal formados que querem viver às custas dos meus descontos. Depois de trabalhar tanto tempo ainda me querem roubar à descarada 10 anos de serviço? Estejam calados com as empresas, pois vocês saem do trabalho e não levam trabalho para casa, nem preparação de aulas ou correção de trabalhos. Estão a ganhar 1000€? Já é muito bem pago, pois quando iniciei funções no estado não recebia essa quantia e para além disso, não tenho regalias como vocês devem ter.
  • Vergonha
    06 nov, 2017 08:14
    Esta Fenprof, ainda não percebi se luta pelo bolso dele próprio, ou pelo futuro do nosso país, que são as crianças. No ano anterior foi uma pouca vergonha as convocatórias de greves...., miúdos que querem çrescer, apreender, fazer exames nacionais para avançar na "carreira" deles, andam estes da Fenprof armados em anjos..e só provocar desiquilibrio...mas isto é mm só cá....... É pena que realmente alguns profs pagam por outros, mas lembrem se o tempo Das Vacas Gordas acabou.... Isso de terem reformas iguais aos ordenados.... Só Pq sim.... Alguém tem de sustentar isso... Agora que tiveram que mexer nessa pouca vergonha, sim, Pq há muita gente a ganhar o ordenado mínimo e descontar tudo direitinho, para que o sr/a prof reformado possa receber a sua reforma (que a obteve ao 50 anos) de 5000eur....nisso ninguém fala.... Em vez de se preocuparem de o tipo de ensino dado em Portugal está bem ou se se pode melhorar?!, isso não é importante... O bolsinho sim.... Roubar mais um bocadinho.....os otarios......
  • mena-girl-invejosa
    03 nov, 2017 Por Cá 16:10
    Sabes, além de ignorante, és mentirosa: a vida de luxo que dizes que os profs têm, é um chorrilho de mentiras do principio ao fim. Eu perguntava-te se já foste professora ou então quantos profs conheces que tenham essa vida, mas deviam vir as respostas "enlatadas" do costume e portanto, não vale a pena perder tempo contigo. A Greve, que é um direito de todos, é usada quando as negociações falham e só nessa altura, sabes porquê? Porque esse dia ou dias são descontados no salário e a Vida custa a todos. Quando resulta, todos ganham - não vejo os ditos privados virarem a cara ou recusarem as benesses que são para todos, mesmo quando deixaram o trazeiro a polir o sofá e só se aproveitam do que outros conquistaram. E quando a greve não resulta, quem paga é quem a fêz, os outros recebem o salário sem cortes. E a coisa pode ser vista de outra maneira: se os do Privado não estão contentes, então que metam os papeis para irem para o Publico. Só deves estar f... é porque tu e alguns bestuntos que aqui comentam, nesse dia não têm onde despejar a fedelhada e estão com medo de se os deixarem em casa sózinhos, quando voltarem, já não houver casa. Ou Fedelhos.
  • 03 nov, 2017 Lisboa 15:25
    E marcha a actividade circense do PCP/CGTP. lutar por qualificar professores?? por exemplo: novas tecnologias são os alunos que ensinam os professores e muito mais.
  • COSTA ILUSIONISTA
    03 nov, 2017 Lx 15:24
    É a chamada paz social das esquerdas unidas..É só ris este pobre país mas os tugas gostam destes pândegos que vivem à manjedoura do Estado...Aliás, o orçamento é odo ele feito á medida da função pública. Os recibos verdes sem quaisquer direitos ou regalias que se lixem.E assim se vê a força do PC e do BE que poê de cócoras o demagogo e populista Costa......Um governo que gere à vista e que não faz reformas no país e que enche o Estado com as suas clientelas políticas...UMA VERGONHA!!!!
  • Mena
    03 nov, 2017 Golega 14:51
    Porque os professores, insatisfeitos, com as regalias da função publica, não vão trabalhar para os colégios privados, ou os colégios com acordos com o Estado? Lá não há greves!
  • mena
    03 nov, 2017 golega 14:32
    Deviam ter vergonha! Se ganhassem o salário mínimo, como muitos licenciados, não faziam greve. Quantos professores estão desempregados? Quantos não aceitariam leccionar por um vencimento de 1000€? Os professores saem ás 15h30, tem 60 dias de férias ( interrupções letivas: Natal, Páscoa, Verão). Não tem autoridade na sala de aula, não conseguem lidar com a indisciplina dos alunos, não dão muitos não dão devidamente as aulas e carregam os alunos com trabalhos de casa (trabalhos que deviam ser feitos na escola).
  • Kaneko
    03 nov, 2017 cuba 14:18
    Dito doutra forma, o que a rapaziada quer é aumentos de 1000 euros por mês e todos, menos os desgraçados do contratados, no escalão de topo - 10 - a limpar 3500 euritos por mês, os portugas que dêem o litro a trabalhar nas empresas para pagar o regabofe nas escolas. 15 Nov mais um dia de festa dos profs e mais uma ponte prolongada para o fim de semana. A propósito, parece que o tempo no Algarve vai estar óptimo.
  • barsanulfo
    03 nov, 2017 alcains 13:59
    PARA QUE NOS ENTENDAMOS! Eis o motivo desta greve, mais uma greve! "O principal motivo de protesto dos professores, neste momento, está relacionado com o descongelamento das carreiras e a contagem do todo o tempo de serviço, continuando também em cima da mesa reivindicações relativas aos horários de trabalho e um regime especial de aposentação". A FENPROV, do kamarada Nogeirov, anuncia mais um dia de folclore! Este títere, ao serviço da CGTP/IN/PCP do kamarada Geronimov, já provocou mais danos e prejuízo á economia nacional, que Trapassos Coelho em 4 anos.Os profs, estes, claro, permitem-se ser instrumentalizados, usados, porque a canalhice lhes interessa.Topo da carreira, promoção por antiguidade, avaliação quanto menos melhor, reforma garantida e emprego para a vida.Uma corja, ou uma casta,que há muito urge decapitar! Sonham com as sextas feiras,feriados nacionais e locais, férias de carnaval, páscoa, natal e anuais. Despejar matéria, cumprir minimamente o programa, uns "atestados" a atestar doenças inexistentes,dar aulas é uma canseira! O contribuinte que nem ousa sonhar ter metade, paga! uma quadrilha!