A+ / A-

​Facebook e Twitter confirmam operação russa nas eleições americanas

30 out, 2017 - 23:01

Milhares de mensagens de contas falsas chegaram a 126 milhões utilizadores americanos do Facebook. No Twitter, contas falsas com ligações à Rússia geraram 1,4 milhões de mensagens sobre as eleições de 2016.
A+ / A-

As redes sociais Facebook e Twitter confirmam que milhares de contas falsas com origem na Rússia publicaram mais de um milhão de mensagens para tentar influenciar a política e as eleições norte-americanas do ano passado.

No Facebook, a rede com mais seguidores do mundo, foram registados 80 mil “posts” dessas contas russas num período de dois anos, que terão alcançado 126 milhões de americanos.

A informação consta de um testemunho escrito que seguiu para o Congresso dos Estados Unidos, a que agência Reuters teve acesso.

Os 80 mil “posts” foram publicados entre Junho de 2015 e Agosto de 2017. A maioria são mensagens políticas ou sobre temas sensíveis, como o direito a possuir armas de fogo ou relativas a questões raciais, indica o Facebook.

“Estas acções contrariam a missão do Facebook de construir uma comunidade e tudo o que representamos. Estamos determinados a fazer tudo o que podermos para lidar com esta nova ameaça”, escreve o conselheiro geral daquela rede social, Colin Stretch.

Os responsáveis do Twitter, a rede social de eleição do Presidente norte-americano, Donald Trump, refere que contas falsas com ligações à Rússia geraram 1,4 milhões de mensagens sobre as eleições de 2016.

O número representou 0,74% de todos os “tweets” que foram escritos sobre as presidenciais americanas.

Em resposta ao Congresso, os responsáveis do Twitter dizem ter detectado 2.752 contas ligadas a operacionais russos.

O Twitter suspendeu estas contas e entregou os nomes aos investigadores do Congresso de Washington.

O Governo da Rússia tem vindo a negar qualquer tentativa de influenciar as eleições presidenciais americanas, que resultaram na vitória do republicano Donald Trump e na derrota da democrata Hillary Clinton.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JLopes
    31 out, 2017 Braga 01:52
    Portanto o famoso escândalo da super influência russa nessas presidências consiste em 126 milhões de visualizações no facebook. Um alcance diário e bem maior teria concerteza todos os media americanos em conjunto a difamarem trump durante as presidênciais. Tanto escândalo por 0,74% de todos os tweets sobre presidênciais e os outros 99,25% influenciados pelo financiamento de grandes companhias na sombra, não interessa? Se andassem atrás do G.W.Bush e amigos e dos seus crimes contra a humanidade estas notícias seriam bem mais interessantes, enfim é por isso que a media e os politicos são cada vez mais desacreditados.
  • Ó Caraças
    31 out, 2017 Câmara dos Lobis 00:08
    Amanhã vai dar para ir à praia...? O pior é a seca..., dizem!