A+ / A-

Francisco propõe três reflexões à Universidade Católica

26 out, 2017 - 12:32 • com Ecclesia

Uma comitiva da Universidade Católica Portuguesa esteve hoje com o Papa, a quem agradeceu e pediu a bênção.
A+ / A-

O Papa propôs, esta quinta-feira, três reflexões à comitiva da Universidade Católica Portuguesa na audiência que ocorreu no Vaticano.

As reflexões são em torno das três palavras que constituem o nome da universidade.

A natureza e missão da “universidade” deve abraçar todo “o universo do saber no seu significado humano e divino”, mas “a verdade é mais do que o mero saber”, afirmou Francisco.

O desejo do Papa é que os alunos não olhem os graus universitários como sinónimos “de maior posição”, de “mais dinheiro” ou “prestígio social”, mas sim com “maior responsabilidade face aos problemas de hoje”, “ao cuidado do mais pobre” e “do meio ambiente”.

"Não basta realizar análises e descrições da realidade; é necessário gerar espaços de verdadeira pesquisa, que geram alternativas ás problemáticas de hoje”, disse Francisco.

A palavra “católica” é a segunda reflexão proposta para recordar que “a verdade integral do Evangelho sobre o homem e o sobre o seu caminho moral” é válida para todos, mesmo “para os que não partilham desta fé”, porque “a sabedoria acumulada” pela comunidade crente, é “um tesouro de conhecimento e de experiência ética importante para toda a humanidade”.

Sobre o facto de a universidade ser “portuguesa”, Francisco evocou Fátima. Lembrou que “em Portugal se conservará o dogma da fé”, considerando ser esta “uma promessa do Céu deixada em Fátima há cem anos, tão consoladora como empenhativa”.

O Papa espera, por isso, a colaboração da Universidade Católica Portuguesa.

Durante a audiência, Francisco revelou ainda que lhe “fez muito bem à alma” poder inserir-se na oração do povo português e de todos os que se reuniram em Fátima para “venerar a Virgem Mãe”.

Durante a visita a Portugal, o Papa não pôde deslocar-se à sede da UCP, pelo que uma delegação de 150 pessoas viajou agora até à Santa Sé.

A reitora da UCP, Isabel Capeloa Gil entregou ao Papa dois "presentes": o Fundo de Apoio Social Papa Francisco e uma cruz peitoral, “desenhada por uma jovem artista portuguesa, Carolina Curado, bióloga por formação e designer por vocação”.

“Para que possamos de forma mais reforçada responder ao desafio que nos lançou em Fátima, criámos o Fundo de Apoio Social Papa Francisco que, com fundos da universidade e dos seus benfeitores, tem como objectivo apoiar financeiramente estudantes carenciados ou em situações de fragilidade social, refugiados e migrantes, a frequentar os cursos da Universidade Católica Portuguesa”, referiu a reitora da UCP na ocasião.

“Inspirados no vosso exemplo, desejamos contribuir para uma sociedade solidamente formada, mais respeitadora das diferenças e laborando, através da educação, para o reconhecimento do direito a uma formação integral e integradora dos saberes”, acrescentou.

A cruz peitoral é inspirada na encíclica Laudato Si e feita de “materiais simples, em latão, madeira e pérola, representando o espírito da ecologia integral, da relação essencial da obra da natureza com a mensagem cristã”, referiu Isabel Capeloa Gil.

[Notícia actualizada às 18h37]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Custódia Gaspa
    27 out, 2017 Portela de Sacavém 10:13
    A par de todo o conhecimento científico, tecnológico, económico, social, cultural e outros que possam transmitir aos vossos educandos, a verdade sobre a natureza humana e divina do homem, deverá ser fundamentada e vivida! Parabéns Universidade Católica Portuguesa!!!