O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ministra da Administração Interna: "Não, não me demito"

13 out, 2017 - 10:51

PSD quer que ministra peça desculpas, CDS quer que peça para sair do Governo. Relatório da Comissão Técnica Independente ao incêndio de Pedrógão Grande em destaque no plenário da Assembleia da República.
A+ / A-
Ministra da Administração Interna: "Não, não me demito"
Ministra da Administração Interna: "Não, não me demito"

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse, esta sexta-feira, no parlamento, que não se demite, em resultado das conclusões da Comissão Técnica Independente que analisou as circunstâncias que envolveram o incêndio de Pedrógão Grande, em 17 e 18 de Junho.

"Não, não me demito", disse, logo na sua primeira intervenção, Constança Urbano de Sousa, em resposta a uma intervenção do líder parlamentar do CDS, Nuno Magalhães.

A ministra foi chamada para um debate de urgência pedido do maior partido da oposição, decisão cuja seriedade Constança Urbano de Sousa questionou: “Debater um relatório com esta dimensão, com esta profundidade e com esta complexidade menos de 24 horas depois de ser conhecido não pode ser um debate sério.”

Para a ministra da Administração Interna, o debate em curso nesta sexta-feira representa "um desrespeito" perante a Comissão Técnica Independente e perante "os deputados que marcaram para dia 27 um debate sobre esta matéria".

"Não vou tirar conclusões de um relatório que, repito, ninguém teve a oportunidade nem o tempo de analisar com seriedade e cuidado", reforçou.

PSD quer desculpas, CDS quer saída da ministra

O PSD pediu por várias vezes que o Governo peça desculpas aos portugueses sobre o que aconteceu em Pedrógão Grande. Para o deputado Luís Marques Guedes, o relatório é o primeiro ato de justiça para as famílias das vítimas e não dá espaço “para adiar ou fugir à assumpção de responsabilidades”.

“O Estado falhou” e cabe ao primeiro-ministro “pedir desculpa em nome do Estado”, disse Marques Guedes, acrescentando que o PSD vai pedir a avocação em plenário de artigos da lei de compensação das vítimas que foram chumbados em comissão especializada.

Outro deputado do PSD, Carlos Abreu Amorim, pediu também a Constança Urbano de Sousa que assuma “as suas responsabilidades políticas”, considerando que “mudanças em mais de dois terços da Protecção Civil” fizeram ruir a instituição.

Abreu Amorim acusou ainda a ministra de tomar "uma atitude indecorosa" ao recusar a assumpção de responsabilidades.

Para o líder parlamentar do CDS, Nuno Magalhães, o relatório evidencia que tragédia resultou de incompetência. “A começar pela sua, senhora ministra”, disse, acrescentando que demitir o presidente da Protecção Civil não chega e o CDS-PP "não vai deixar que chegue".

Do lado da coligação parlamentar que sustenta o Executivo, Fernando Rocha Andrade, pelo PS, disse ser manifesto que houve falhas operacionais, mas lamentou que a “única preocupação do PSD” é “que alguém seja colocado no pelourinho”.

Sandra Cunha, do Bloco de Esquerda, António Filipe, pelo PCP, e Heloísa Apolónia, do Partido Ecologista "Os Verdes", tiveram discurso similar, coincidindo na ideia de que é cedo para tirar conclusões de um relatório que foi apresentado há menos de um dia.

O relatório foi entregue na quinta-feira na Assembleia da República e analisa os fogos ocorridos entre 17 e 24 de Junho nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Ansião, Alvaiázere, Figueiró dos Vinhos, Arganil, Penela, Oleiros, Sertã, Góis e Pampilhosa da Serra. O incêndio deflagrou em Pedrógão Grande, tendo alastrado a vários municípios vizinhos e provocado 64 mortos e mais de 200 feridos.

[notícia actualizada às 13h05, com posições de PSD, PS, BE, PCP e PEV]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao...
    15 out, 2017 Viseu 21:32
    Hoje, domingo, com a sra. Ministra a presidir a uma reuniao do CCON, na Proteccao Civil, como sempre o deve ter feito no passado, tera a oportunidade de mais uma vez saber, decidir e ajuizar a situaçao dos incendios.E o nao é a responsavel maxima?
  • Helena Matos
    15 out, 2017 Coimbra 12:52
    Ao Nekas: Vou citá-lo "...quando em tempos idos foram muito mais incompetentes..." para lhe perguntar em q altura houve uma tragédia tão grande como esta? Não vale a pena pensar, não existiu, a não ser a de Entre-os-Rios, q levou tb a um número semelhante de vítimas. Curiosamente ambas ocorridas durante um governo PS. Mas, ao contrário de si, recuso-me a ir por aí. As tragédias ocorrem por muitas causas: naturais, negligentes ou criminosas. Foi e ha-de ser sempre assim. E nem sequer os incêndios este ano foram em maior número. Abrangeram, isso sim, uma área muito maior. E sabe porquê? Porque, fruto de uma má avaliação por parte de quem devia ter atuado, o socorro não chegou a tempo, apesar de todos os pedidos de ajuda; o fogo deflagrou às 14 horas e só 4 horas depois chegaram os avioes q podiam ter evitado o lavrar das chamas e a necessidade de evacuar as povoações, q estiveram entregues à sua (má) sorte durante grande parte da tarde. E esses serviços estão ligados a uma tutela, o MAI, tutelado pela Ministra. Quando os males ocorrem, pede-se que os serviços q todos pagamos atuem eficaz/. E isso não aconteceu e têm de ser responsabilizados. Perdi dois amigos nesta tragédia; ouvi e sei de fonte direta o q se passou e como tudo falhou. Não preciso de nenhum relatório para o confirmar. Mas feliz/ foi nomeada uma comissao independente, quase exclusiva/ com técnicos das Faculdades, para apurar a verdade sobre esta tragédia (bem contra a vontade do PS e do governo, diga-se).
  • a oposição
    15 out, 2017 lx 12:33
    e os partidos que a fazem, são de muito baixo nível!...continuam a servir-se da tragédia dos que sofreram na carne os acontecimentos, para tentarem tirar dividendos políticos! Não sabem fazer mais nada, infelizmente!
  • Carlos Amorim
    14 out, 2017 Arganil 15:46
    Aqui se vê o que o PS mudou. Não quer saber dos mortos,dos prejudicados e dos que estão mentais doentes.Para esta esquerda tudo é feito para não compensar os familiares de quem morreu e de quem cá ficou e sem nada.Além daqueles traumatizados pelo que pasaram.A esta esquerda só lhes interessa quem vota os outros já foram e não lhes interessa.O PS,PCP e BLOCO já estão a entupir o caminho para pagar indeminizações a este povo, que teoricamente por incapacidade de liderança no combate ao incêndio é responsável pelas mortes.E é a esquerda (geringonça) a obstruir os elementos da responsabilidade do Estado (governo)para pagarem o menos possível e a pagar alguma coisa será com promessa de votos. Vejam a tristeza do presidente de Pedrógão Grande que era ligado aos partidos da direita e deu uma pirueta e concorreu pelo PS.Há li muito dinheiro em jogo que será encaminhado pelo governo a maioria. Há que apanhar este comboio só assim apanharei o comboio da distribuição.E é esta gente que temos e se vendem por alguns euros.Quanto à esquerda só apostam no que rende logo (votos), os mortos não interessa. Estes já não votão e os que ficaram sabem quem os levou à desgraça.Logo por mais caciques que lá tenham como Valdemar presidente de Pedrógão Grande o povo não vai nunca esquecer o carrasco(governo costa) que lhes roubou tudo.
  • Victor
    14 out, 2017 Lx 11:28
    Uma ministra desorientada que já não é ministra mas que não tem respeito nem por ele própria, os boys que deviam estar demitidos, o sr. Albino que a policia já o devia ter ido buscar e ter sido demitido no primeiro minuto da publicação do relatório; mas ainda falta dizer que este relatório foi propositadamente travado antes das ultimas eleições!
  • Todo o mundo seu
    13 out, 2017 lisboa 22:27
    Isto quem não tem vergonha todo o mundo é seu.
  • À Helena Matos
    13 out, 2017 Lx 20:08
    O seu arrazoado baseia-se maisna parte sentimental do que na racionalidade! Ora se defende que devem haver ensinamentos sobre o que se passou para acautelar situações semelhantes no futuro, do que serve na pratica demitir-se a ministra quando o que é necessário é corrigir o que está mal? E as correcção e responsabilidade, cabem aos especialistas que estavam no comando das operações e não à ministra que durante todas operações não se cansou de estar presente no terreno, confiando nesses especialistas! Já leu o relatório? Ou limitou-se a ouvir os media, como sempre "informando" à sua maneira, sempre com apresentação de sucessivas imagens que levam os incautos a nem se aperceberem do que expressa o relatório, manipulando e enaltecendo excertos fora do contexto onde se inserem!
  • Rui
    13 out, 2017 Lisboa 19:33
    Oh justo você não deve estar a raciocinar em condições certamente eu até concordo que a ministra se demita para fazer a vontade à direita arruaceira pode ser que assim tenhamos paz por uns tempos com as birras da cristas e as profecias do mal.
  • fanã
    13 out, 2017 aveiro 18:00
    Não se demite....claro !......não é preciso , será demitida , só que para cortar o tronco , primeiro terá que se cortar os ramos . É isso que vai suceder e bem !
  • Cidadao...
    13 out, 2017 Viseu 16:54
    Entao vamos la ver, o que é que a ministra,afinal sabe? Pouco ao que parece, tambem nao le os relatorios, e sendo assim, pode arder tudo a sua volta que nem conta da! So quando as chamas lhe queimarem os......... .