O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Catalunha. “Não, não houve” declaração de independência

13 out, 2017 - 09:51 • Pedro Mesquita

Deputado do partido de esquerda que apoia o governo da Catalunha esclarece, em entrevista à Renascença, as dúvidas sobre a declaração de Carles Puidgemont. Presidente da Generalitat está cada vez mais pressionado.
A+ / A-

Veja também:


Carles Riera, deputado da CUP (Candidatura de Unidade Popular, o partido de extrema-esquerda que apoia o presidente do governo da Catalunha), diz à Renascença que o discurso desta semana de Carles Puidgemont, sobre o resultado do referendo, acabou por não ser uma declaração de independência.

Mas se tal declaração não acontecer, a CUP ameaça retirar o seu apoio a Puidgemont, se o presidente da Generalitat não responder à carta do primeiro-ministro, Mariano Rajoy, a dizer que avança para a independência.

“Deve responder ao Governo espanhol que vai pôr em marcha o processo para a criação da República da Catalunha”, diz.

Ao contrário de alguns elementos da juventude deste pequeno partido de extrema-esquerda, Carles Riera não usa a palavra traição para classificar a estratégia de Puigdemont, que suspendeu a independência para dar uma “última oportunidade” ao diálogo.

Sublinha, ainda assim, que o presidente do governo regional não cumpriu os acordos e pactos que tinha assumido. Faltou ao compromisso, mas pode agora emendar a mão, ressalva.

Se Rajoy rejeitou o diálogo e deu um prazo de cinco dias a Puigdemont para dizer formalmente se avança com a declaração de independência ou regressa à legalidade constitucional, na leitura da CUP só pode haver uma resposta: carimbar a independência.

Caso contrário, diz o deputado Carles Riera, é possível que os 10 deputados da CUP abandonem o parlamento e Puigdemont perca um apoio essencial à sua sobrevivência como chefe do governo catalão.

“É uma possibilidade. Não viemos para o parlamento para reformar a autonomia, não é esse o nosso projecto. Viemos para defender a autodeterminação e a constituição de uma república. Se não for esse o caminho, podemos vir a abandonar as instituições de que fazemos parte, mas temos que pensar muito bem se o fazemos ou se o fazemos parcialmente”, conclui.

Cresce, assim, a tensão dentro da própria Catalunha. É a região mais rica de Espanha e quer separar-se do resto do país.

No dia 1, realizou um referendo sobre a sua independência que, segundo o governo regional, deu 90% dos votos a favor da separação de Espanha.

As repercussões da crise política chegaram à economia. Desde 2008, a Catalunha já perdeu mais de 2.500 empresas e vários bancos decidiram retirar a sua sede da região.

À Renascença, o presidente da Associação de Empresários da Catalunha, José Bou, mostra-se contra a independência e fala dos prejuízos para a região da actual situação.

Cadeiras voam em Barcelona no Dia Nacional de Espanha
Cadeiras voam em Barcelona no Dia Nacional de Espanha
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sancho
    13 out, 2017 Llobregat 13:41
    A independência não está nem nunca esteve em causa. Irá acontecer, se não for agora será no futuro, mas está cada vez mais perto. No entanto foi claro, a independência foi declarada e suspensa. A negociacão tem de ser iniciada. Caso madrid não aceite o dialogo apenas existe uma opcão: Independência unilateral.
  • B
    13 out, 2017 Porto 12:30
    "No dia 1, realizou um referendo sobre a sua independência que, segundo o governo regional, deu 90% dos votos a favor da separação de Espanha" errado. escrevam as coisas como aconteceram. 40% votou e desses. 40%, houve 90% a favor da independencia.
  • Luis B.
    13 out, 2017 Para cá da muralha da China 12:26
    A comunicação social esquece de referir que os partidos do "não" à independência tiveram mais votos nas ultimas eleições do que os partidos do "sim". O método de Hondt é que trocou as voltas à legitimidade do "não"! Estas tipos da CUP são de extrema esquerda e natureza anárquica.. Aquela tipa de cabelo cortado à frente ganha 100 mil euros (pagos pelo Government), mais 15 mil do que o PM espanhol, mas não dá esse dinheiro aos desfavorecidos ou associações humanitárias... De facto diz bem o leitor: há que acabar com o fascismo da esquerda....
  • FASCISMO ESQUERDA
    13 out, 2017 Lx 11:12
    Os esquerdelhos sempre prontos a destruir um país e uma região pelos seus ideais pouco ou nada democráticos.Eleições na Catalunha já. Acabem com o fascismo de esquerda.