O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Operação Marquês

MNE sobre Sócrates: "Era essencial" acusação "no lugar próprio"

11 out, 2017 - 13:36

Augusto Santos Silva vê "com muita tranquilidade" a acusação do antigo primeiro-ministro José Sócrates.
A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta terça-feira ver "com muita tranquilidade" a acusação do antigo primeiro-ministro José Sócrates, considerando que "era essencial" que esta decorresse "no lugar próprio", como acontece "num Estado de direito".

Questionado pelos jornalistas sobre a acusação a José Sócrates, no âmbito da "Operação Marquês", num total de 31 crimes, o ministro disse ver "com muita tranquilidade".

"O que era essencial era que a acusação se fizesse no lugar próprio e através dos órgãos próprios, não nos jornais, nas televisões ou nas rádios, não através de fugas de informação, mas que se conhecesse qual é a acusação, os factos em que se fundamenta para também conhecermos qual é a defesa e depois o tribunal julgará. É assim que acontece num Estado de direito", afirmou, falando à margem da visita dos reis holandeses à Universidade de Lisboa, durante uma visita oficial de três dias a Portugal.

Santos Silva, que foi ministro da Defesa e dos Assuntos Parlamentares nos dois governos liderados por José Sócrates, disse ainda que, "como amigo" do antigo primeiro-ministro, aguarda "com toda a serenidade, quer o texto da acusação", que disse ainda desconhecer, "quer a defesa, porque é isso que faz funcionar o Estado de direito: que as pessoas sejam acusadas nos lugares próprios e que se possam defender".

Questionado se a acusação foi demorada, Santos Silva apenas respondeu: "Como ministro dos Negócios Estrangeiros, não tenho mais nada a dizer".

O Ministério Público acusou esta quarta-feira José Sócrates pela prática de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada, na "Operação Marquês".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • O ANJO DO SOCRATISMO
    11 out, 2017 Lx 14:24
    Este a fazer de conta que não conhece o Pinto de Sousa...Grande hipócrita este Santos Silva que pertenceu com mais de 40 por cento do governo actual à família socrática...Agora surge aquii como se estivesse limpinho.Haja decência com estes badamecos e tralha socrática do pior que existe e que levaram o país ao resgate financeiro e à banca rrota...
  • COSTA ILUSIONISTA
    11 out, 2017 Lx 14:14
    E assim vai o socialismo.Roubam indecentemente e levam o país à bancarrota. O resto são os amanhas que cantam...Tristeza de gente esta venal que prejudica o país mas governam-se bem...
  • Mario
    11 out, 2017 Portugal 14:06
    Pois este deve saber muita coisa pois fazia parte do staff de Sócrates, e a sua cumplicidade nao deixa duvidas.....