A+ / A-

Manifesto sobre enfermagem deixa apelos a utentes, políticos e sindicatos

09 out, 2017 - 11:52

Documento conta com subscritores como a antiga bastonária dos Enfermeiros Maria Augusta Sousa e o presidente da Fundação SNS.
A+ / A-

O manifesto "Enfermagem: Reafirmar os valores essenciais” apela ao poder político, às organizações profissionais e aos enfermeiros para que “evitem, a todo o custo, qualquer evento que possa comprometer a confiança e segurança dos cidadãos no SNS”.

O documento conta com subscritores como a antiga bastonária dos Enfermeiros Maria Augusta Sousa e o presidente da Fundação SNS, José Aranda da Silva, e já foi assinado por 63 pessoas.

O documento começa por referir que, “a enfermagem portuguesa tem vivido nos últimos tempos circunstâncias que desocultaram, junto da opinião pública, os factores objectivos de descontentamento, de discriminação por medidas avulsas que, ao longo dos anos, foram tomadas no quadro da saúde face às várias profissões”.

“Emergiram também, com particular acuidade, carências reais face ao número e à valorização de competências de enfermeiros nos serviços onde prestam cuidados, com a consequente sobrecarga e cansaço que daí advêm e com o manifesto prejuízo dos utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, prosseguem os autores.

Os subscritores consideram que, “nos momentos de conflito, só se projecta solidamente no futuro e se afirma o mandato social das profissões se os discursos e as acções forem eticamente enquadráveis e se a segurança dos cidadãos estiver salvaguardada”.

Para os signatários, há situações que “carecem de soluções de imediato e de curto-prazo que devem ser assumidas pelos governantes e pelas organizações sindicais representativas dos enfermeiros, em resposta às legítimas expectativas dos enfermeiros e que demonstrem respeito pela dignidade da profissão e o valor social do trabalho dos enfermeiros”.

Os autores do manifesto apelam aos utentes do SNS para que “procurem aprofundar as razões do descontentamento dos enfermeiros e para que compreendam que, em última análise, as suas reivindicações visam o fortalecimento dos seus direitos”.

Ao poder político, às organizações profissionais e aos enfermeiros, os signatários apelam para que, “no decurso do actual processo reivindicativo, evitem, a todo o custo, qualquer evento que possa comprometer a confiança e a segurança dos cidadãos no SNS”.

Aos enfermeiros, apelam para que “aceitem o desafio de aprofundamento de uma estratégia justa e duradoura, demonstrativa do valor dos cuidados de enfermagem, para os ganhos em saúde suportados pela formação, gestão, investigação e regulação” e, a todos os profissionais de saúde, “que se identifiquem com este manifesto, para que, no respeito pela autonomia de cada um, cooperem de forma inteligente na definição dos caminhos que potenciem o valor acrescido da multiprofissionalidade e multidisciplinaridade, sempre com a finalidade de mais e melhores respostas às necessidades em saúde dos nossos concidadãos e, desse modo, influenciar as políticas de saúde que as devem suportar”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.