A+ / A-

Cavaco. “Acontece que não votei nas autárquicas. Estava num casamento"

04 out, 2017 - 21:04

Ex-chefe de Estado absteve-se.
A+ / A-

O antigo Presidente da República Cavaco Silva não comenta os resultados das eleições autárquicas até porque não votou.

“Acontece, até, que não votei porque estava num casamento de um familiar muito próximo na Escócia no próprio dia e por isso só acompanhei já na segunda-feira o que tinha aqui ocorrido”, referiu ao jornal “Eco”.

O ex-Presidente engrossou assim os números da abstenção, que, nestas eleições, foi de 45,03%.

À margem da apresentação do livro “Ética aplicada à Economia”, Cavaco Silva escusou-se a comentários sobre a actualidade política. Diz que não faz parte do grupo de “políticos que estão no activo ou comentadores profissionais”.

Quanto à decisão de Passos Coelho de não se recandidatar à liderança do PSD, Cavaco deixou elogios pelo contributo para a trajectória positiva da economia nacional.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Gonçalves
    09 out, 2017 Almada 07:36
    Sr Mendes, mão queira comparar o cidadão comum com o político. Este personagem quando concorria apelavam ao voto. Fosse eles a procurar os jornalistas ou vice versa, não revelava se tinha ou não votado
  • Cidadao...
    05 out, 2017 Viseu 22:45
    Ainda por aqui esta not....? Hummmm, para desgastar?
  • MARCO Giebels-Vitori
    05 out, 2017 Almancil 17:47
    Ele deveria colocar um pedaço de bolo-rei na sua boca, porém em vez disto, falou e assim mostrou desprezo pelo povo que ele sempre instigou a votar.
  • mendes
    05 out, 2017 braga 17:31
    para o depois-- tens razao mas nao foi ele que procurou os jornalistas eles e que o procuraram
  • e depois?
    05 out, 2017 lx 15:28
    Se não votou tivesse votado! O que é que temos a ver com isso? Tal como ele houve muitos portugueses que também não votaram! E que tal recolher-se à Coelha e não atentar-nos a inteligência?
  • dmreis
    05 out, 2017 lisboa 12:57
    Cavaco, o único erro de casting na nossa lista presidencial....
  • mendes
    05 out, 2017 braga 12:22
    nao votou ok fez muito bem eu tambem nao votei preferi estar em casa a ver um filme pornografico votar para que se votamos somos roubados se nao votamos roubados somos este pais e uma comedia -sao ministros secretarias presidentes de cameras e juntas institutos para tudo tribunal constitucional ja ha neste pais mais politicos do que trabalhadores no privado - e ha sempre lugar para mais um ladrao desde que seja politico ou familiar de politico
  • rui ruano
    05 out, 2017 ovar 12:13
    Bom bom era a malta nem votar e o Aníbal ser presidente vitalício, não é Aníbal?
  • Mario Ribeiro
    05 out, 2017 Braga 11:24
    Meu Deus!, alguém que me elucide! Então este senhor, que tantas vezes alertou para o problema da abstenção, com as responsabilidades cívicas, éticas, morais, etc que lhe estão acometidas (nem que seja pela sobrecarga dos impostos para as suas prerrogativas), tem a distinta lata de dizer que não votou porque foi a um casamento, quando o razoável deveria ser o contrário (não ir ao casamento porque tinha um dever a cumprir)? Mesmo assim, não encontrou outra forma de votar? - voto antecipado, por correspondência, no consulado...? Bendito Marcelo, que depois de um bom mergulho matinal, ainda se deslocaria a Celorico para votar, tomaria o avião onde lia um ou dois livros, animava o casamento, arranjava algum tempo para ver um desfile de gaitas de foles, regressava e ainda passaria por Vila Nova de Cerveira onde tinha combinado (semi secretamente) uma patuscada com os escuteiros locais, e depois analisaria com precisão os resultados eleitorais. A História designará o tempo do consulado de Cavaco na PR como o SEGUNDO INTERREGNO embora ele continue ilusoriamente a vaticinar o dia, qual sebastianismo, em que toda a Nação em coro proclame: Grande estadista - grande homem!
  • Marco Visan
    05 out, 2017 Lisboa 10:36
    Velho «bimbo» e mau. Foi sempre um anti-democrático, anti-social, um comedido... Uma múmia!