O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Passos sai para não ser "caricatura" de quem está "agarrado ao poder"

03 out, 2017 - 21:17 • Filipe d'Avillez

O ainda líder do PSD confirma que não se recandidata. Propõe eleições directas em Dezembro. E está disposto a sair mais cedo, se o partido quiser.
A+ / A-
Passos sai para não ser "caricatura" de quem está "agarrado ao poder"
Passos sai para não ser "caricatura" de quem está "agarrado ao poder"

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, confirmou esta terça-feira, no Conselho Nacional do partido, que não se recandidata à liderança dos sociais-democratas. É a decisão que "faz sentido" depois da "surpresa" dos maus resultados para o PSD das eleições autárquicas, disse Passos.

Passos propõe a realização de eleições directas já em Dezembro, caso o partido considere útil que abandone a liderança mais cedo.

"Não me tendo demitido, isso não significa que não deva mostrar total disponibilidade para não perpetuar, por mera questão de calendário, a marcação de eleições internas e respectivo congresso. Se esse for o desejo do Conselho Nacional podemos fazer directas em Dezembro", afirmou aos conselheiros nacionais e aos jornalistas (o início da sessão, o momento em que Passos falou, foi aberto à comunicação social).

As eleições só não se realizam mais cedo pois "é preciso respeitar as nossas regras democráticas, que estão muito testadas. É preciso que as eleições decorram com transparência, que todos tenham tempo para pagar quotas, angariar apoios e fazer listas e acho que dois meses e meio é tempo para se fazer bem as coisas", disse Passos.

Nas suas palavras dirigidas ao Conselho Nacional, Passos Coelho afirmou ainda que concluiu, após o resultado das autárquicas, que a sua continuação à frente do partido seria contraproducente para o mesmo. "Se eu permanecesse vitorioso à frente do PSD, em vez de estar a construir uma alternativa de Governo estaria em permanência a combater o preconceito e a ideia feita de que estava agarrado ao poder e a resistir ceder o lugar a quem tem melhores ideias e estratégia para levar o partido a melhor porto."

"A afirmação de uma nova liderança por parte do PSD, bem como da estratégia que lhe estará associada, terá melhores probabilidades de progressão e sucesso do que uma que eu poderia encabeçar. Digo isso porque o ambiente que se gerou ao longo destes dois anos torna o resultado das eleições um resultado que centra na liderança do PSD a afirmação de uma alternativa, em vez de libertar o PSD para a construção dessa alternativa", disse ainda.

"Ficar seria oferecer a caricatura que estamos agarrados apo poder interno e que nessa medida estaríamos simplesmente a resistir às coisas em vez de construir um horizonte que pudesse trazer uma amplitude de resultado maior", concluiu.

No final do discurso, Passos Coelho prometeu que não deixará de participar activamente na vida política nacional e do partido, apresentando as suas ideias (o que mereceu fortes aplausos), mas disse ainda que não ficará a "rondar" nem a "assombrar" a próxima liderança.

O ex-primeiro-ministro admitiu ter ficado surpreendido com a dimensão da derrota do partido nas autárquicas e disse que essa derrota era para ser assumida, ao contrário do que, disse, se passa noutros partidos.

"Outros tiveram resultados ainda mais pesados, foram praticamente varridos e parece não estarem preocupados com isso, evidentemente. O Bloco de Esquerda não perdeu muito, porque não tinha para perder, o PCP perdeu mas acha que há outras coisas que compensam", disse, elogiando ainda a prestação de Assunção Cristas na sua candidatura a Lisboa.

Rui Rio candidato?

Rui Rio deve avançar com uma candidatura à liderança do PSD. O antigo presidente da Câmara do Porto reuniu-se na segunda-feira à noite com várias figuras do PSD em Azeitão, no distrito de Setúbal, e, numa declaração ao "Diário de Notícias", assume que vai continuar a fazer contactos. “O que era notícia é que eu não falasse com ninguém nesta altura”, disse Rio.

A saída de Passos era já pedida por várias vozes importantes do PSD. Logo na noite eleitoral, Manuela Ferreira Leite, ex-presidente do PSD, disse-se "chocada" com os resultados do PSD e concluiu que Passos Coelho "não tem" condições para continuar. Marques Mendes, outro ex-presidente laranja, disse que a vida de Passos seria um "inferno completo", dando como provável a sua saída.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mario
    04 out, 2017 Portugal 12:16
    Talvez para o povo o exemplo do Sócrates e que foi exemplar esse e o tipo de políticos que este povo aprecia.....
  • Paulo Campos
    04 out, 2017 Porto 09:52
    A tua saída só peca por tardia, o povo não esquece, e agora deu a resposta. Não voltes.
  • Antonio
    04 out, 2017 Vale de Cambra 06:46
    És o exemplo a nunca ser tomado como EXEMPLO. Parabéns farsola egoísta, pelos serviços prestados aos teus amiguinhos. Mesmo assim ainda queres ficar mais algum tempo, sabe-se là ? para encontrar os papéis dos Submarinos ?? Não dês notícias. muito OBRIGADO por partires.
  • luis
    04 out, 2017 lisboa 04:51
    Agora que quase estava a conseguir rebentar definitivamente com o PSD é que sai. Até neste propósito falhou.
  • hugo
    03 out, 2017 preston 23:49
    Vai, vai que ja vais tarde... Faz o favor de nao voltar.
  • César santos
    03 out, 2017 Caminha 23:17
    Passos coelho deu-se mal por ter feito tão bom trabalho. Os portugueses não merecem ser resgatados da política mentirosa da esquerda que nos empurra desde a ditadura para a insolvência. Para quem anda de olho aberto fica o sentimento de gratidão para com PPC por tudo o que Portugal conseguiu nestes últimos anos. Parabéns aos jornalistas pela cobertura dada a esta notícia. Agora por favor peçam também um pouco de sangue do verdadeiro derrotado de domingo, o Sr. Jerónimo...
  • Francisco Serra
    03 out, 2017 Lisboa 22:45
    Passos é um homem digno.Merece que os sociais democratas agradeçam e escolham alguém pelo menos com as características deste homem.Honesto,não alimentou lóbis, trilhou um novo destino para políticos e politica, mas não foi compreendido e foi derrubado precisamente por esses lóbis.Mas o PPD/PSD sempre não eternizou líderes.E sabe dizer não ,quando acha necessário. Tem os melhores militantes que pode haver.Mas tem também muito veneno nos seus ditos "notáveis" por isso é necessário uma mudança na renovação e apostar nos jovens e alguns promissores.Aliás, Sá Carneiro sempre fez isso quando foi disputar a liderança.Que o diga Santana.Hoje diferente e parece que perdeu as qualidades que Sa Carneiro lhe transmitiu.Já não chora o seu ídolo.Mas quem diz Santana há muitos outros.A renovação na continuidade não interessa e não falo de Passos.É imperioso aparecer gente nova e de carne e osso. Esqueletos não.Um partido como o PPD/PSD é um partido viril logo de gente nova e não de dirigentes onde o cheiro a mofo já não cola.Viva o PPD/PSD , viva o partido mais independente e genuino de PORTUGAL.
  • Joaquim Martins Augu
    03 out, 2017 Alges 22:41
    Apesar de ser mau para a Esquerda, a saída do PPC já devia ser â mais tempo, para bem da democracia. No entanto, quem o substituir deve um verdadeiro social democrata. Nunca Rangel, nem Montenegro, nem Hugo Soares
  • José A. Silva Simões
    03 out, 2017 Figueira da Foz 22:25
    Vai, vai e não voltes que de mal já fizeste bastante. Os meus pêsames.
  • MARIA
    03 out, 2017 Lisboa 22:17
    És fantástico Passos, responsável e muito coerente!