A+ / A-

Passos Coelho não se recandidata à liderança do PSD

03 out, 2017 - 17:01 • Paula Caeiro Varela

O presidente do PSD anunciou esta terça-feira na reunião da Comissão Política Nacional que não se irá recandidatar ao cargo nas próximas eleições directas, apurou a Renascença.
A+ / A-

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, anunciou esta terça-feira na reunião da Comissão Política Nacional que não se irá recandidatar ao cargo nas próximas eleições directas, disseram à Renascença fontes sociais-democratas presentes neste órgão.

Passos Coelho põe, assim, um ponto final na reflexão pessoal que anunciou no domingo que iria fazer e também um ponto final na sua liderança do PSD. O ainda líder social-democrata explicará a sua decisão no início da reunião do Conselho Nacional do partido, que está marcada para esta terça-feira às 21h30.

A intervenção inicial de Passos Coelho será aberta à comunicação social, apurou a Renascença.

Esta reunião do Conselho Nacional, o principal órgão do PSD entre congressos, já estava convocada antes das eleições autárquicas e deveria servir para discutir os resultados. Depois, em Novembro, deveria ser convocada nova reunião que, por sua vez, marcaria as eleições directas e o congresso do PSD que, segundo os estatutos do partido decorrem a cada dois anos.

O anúncio de Passos Coelho pode acelerar o calendário, até porque já é conhecida a vontade de Rui Rio de avançar para uma disputa da liderança social-democrata.

Rui Rio deve avançar com uma candidatura à liderança do PSD. O antigo presidente da Câmara do Porto reuniu-se na segunda-feira à noite com várias figuras do PSD em Azeitão, no distrito de Setúbal, e, numa declaração ao "Diário de Notícias", assume que vai continuar a fazer contactos. “O que era notícia é que eu não falasse com ninguém nesta altura”, disse Rio.

A saída de Passos era já pedida por várias vozes importantes do PSD. Logo na noite eleitoral, Manuela Ferreira Leite, ex-presidente do PSD, disse-se "chocada" com os resultados do PSD e concluiu que Passos Coelho "não tem" condições para continuar. Marques Mendes, outro ex-presidente laranja, disse que a vida de Passos seria um "inferno completo", dando como provável a sua saída.

"Um dos piores resultados de sempre"

Passos admitiu no domingo não se recandidatar a novo mandato no partido depois de os sociais-democratas obterem um "dos piores resultados de sempre" na sua história.

"Eu não me vou demitir hoje ou amanhã. Farei uma reflexão aprofundada sobre as condições para me submeter a um novo mandato", disse Passos, este domingo, explicando que essa reflexão será feita com a sua comissão política, mas será, sobretudo, uma reflexão pessoal. "Vou avaliar se politicamente faz sentido ou não propor-me a um novo mandato dentro do PSD”.

“Disse que não me demitiria em resultado de eleições locais e mantenho aquilo que disse, não seria um bom princípio, mas farei a minha avaliação para ver se tenho condições para novo mandato”, disse.

Passos não se demite, mas admite não se recandidatar
Passos não se demite, mas admite não se recandidatar

Passos Coelho admitiu que o partido não só não alcançou o objectivo a que se tinha proposto de conquistar mais câmaras e mandatos como deverá, até, ter um resultado inferior ao de 2013, que já tinha sido o pior resultado de sempre dos sociais-democratas em eleições autárquicas.

“Tudo indica que teremos tido um dos piores resultados de sempre do PSD, pior do que teve em 2013”, acrescenta. "O resultado desta noite foi um resultado muito pesado para o PSD e eu não gosto de fugir às minhas responsabilidades", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadão
    03 out, 2017 Lisboa 22:08
    "Que se lixem as Eleições" - disse ele. Afinal, as Eleições estão bem, e quem se lixou foi ele. Eleito numa campanha eleitoral que se veio a verificar ser uma sinistra burla, com o pretexto da Troika da qual se gabou de "ter ido além...", cortou salários, pensões, perseguiu reformados - a "peste grisalha" - perseguiu Funcionários públicos, perseguiu a classe média, virou a sociedade Portuguesa uns contra os outros, cortou serviços sociais indispensáveis em alturas de crise, governou contra as pessoas, provocou o maior numero de falências e desemprego que há memória, fez cair o PIB de tal maneira que apesar dos recentes bons indicadores ainda não conseguimos voltar a 2008, vendeu ao desbarato empresas publicas rentáveis em negócios nunca bem explicados, na Europa esteve sempre de joelhos numa subserviência tal ao Diktat, que até dava vergonha de ser Português. E agora os grupos sociais que ele humilhou, roubou e perseguiu, deram-lhe a paga, por fuga maciça de votação. Mas não deve afligir-se: encare o desemprego como uma oportunidade. Saia da sua zona de conforto. Não seja piegas. E desapareça para bem longe e não se incomode em voltar. Pode ser que finalmente o PSD reencontre a matriz social-democrata à séria e não um neo-liberalismo e uma visão de sociedade e modelo económico, que a Sociedade Portuguesa - excepto Patronato e afins - rejeita em peso. Falou tantas vezes nele, aproveite para o ir visitar e vá para o D...
  • Rumo
    03 out, 2017 Lisboa 19:28
    O que penso sobre o ex primeiro ministro PPC. Um homem que em circunstâncias normais nunca seria um PM, pela tremenda falta de curriculo, experiência, cultura e sensibilidade social. Mas, ao ter provado o sabor do poder, ficou viciado, não consegue descolar.
  • Eborense
    03 out, 2017 Évora 19:11
    É assim! Quem ganha eleições tem que ir embora. Os oportunistas políticos, governam! Ou melhor, desgovernam!
  • Pedro Godinho
    03 out, 2017 Lisboa 18:25
    A todos os detractores de Passos Coelho, lembro que ganhou duas eleições legislativas, a segunda das quais depois de 4 anos e meio de governação muito difícil, tendo em conta o estado em que o Governo lhe foi "entregue" em 2011. Reconheço que estes 2 anos foram muito maus para o PSD, mas a questão é saber se há alternativa, ou se vamos ter saudades da integridade, correcção e seriedade de Pedro Passos Coelho, independentemente das decisões muito difíceis que teve de tomar.
  • Atento
    03 out, 2017 Leça da Palmeira, Matosinhos 18:16
    A independência a que nos tem habituado a Renascença ... até as fotos são escolhidas a dedo ... viva a geringonça ...
  • fanã
    03 out, 2017 aveiro 17:43
    Para memoria ; " quem chama o Diabo, lixa-se " !
  • Manuel Pereira
    03 out, 2017 Abrantes 17:40
    Se para o lugar de Passos Coelho for o Rui Ria....a trapa será a mesma. O Rio está comprometido até ao pescoço e a Manela Leite também já está azeda....arranjem gente NOVA !
  • luis
    03 out, 2017 lisboa 17:37
    Vai dar um excelente colador de cartazes. A única coisa para que sempre teve jeito.
  • fanã
    03 out, 2017 aveiro 17:36
    Desempregado ......como vai ele sobreviver ????.................. Terá que vender a bandeirinha da lapela no prego !