A+ / A-

"Mirtilão". Há uma nova bebida no mercado e sai de Oliveira do Hospital

01 out, 2017 - 09:48 • Liliana Carona

Há uma nova bebida no mercado: o mirtilão. É um licor à base de mirtilo, que surgiu da esperança de um jovem agricultor de Oliveira do Hospital, em ajudar a sua avó a travar a evolução da doença de Alzheimer.
A+ / A-

“Uma bebida que refresca a mente”, afirma o criador do "mirtilão", jovem agricultor que teve a ideia por causa da doença da avó. “Há cerca de seis anos, comecei a ver o potencial desta fruta, por causa da minha avó, por causa dos esquecimentos dela, embora não esteja numa fase avançada de Alzhiemer", conta

Nuno Pereira diz que "nas pesquisas que fazia, apareciam sempre os frutos silvestres" e o mirtilo em especial, como aconselháveis e, como a avó "não gosta do fruto, comecei a pensar noutras formas, como iogurtes e bebidas”.

O economista de 37 anos que passou a agricultor decidiu transformar o mirtilo numa bebida agradável, o "mirtilão", com 20% de álcool, 300 gramas de mirtilos para cada garrafa. “Começámos por fazer uma bebida para aproveitar o fruto mais maduro e numa 'bimby', de forma caseira, juntámos mirtilo, gelo, espumante, e as pessoas começaram a procurar muito até que registei a marca”, explica.

Nuno Pereira tem hoje uma plantação de 4,5 hectares de mirtilo. Criou a empresa Lusoberry e uma cooperativa de nome “Capital de Frutos Silvestres”, com 80 sócios. Com tanto mirtilo, lembrou-se também de o aplicar na produção de cosméticos. “Comecei a ver alguma coisa para valorizar a fruta e fomos a um laboratório a Lisboa explicar o que queríamos. Temos o creme facial de mirtilo, que, numa empresa francesa, fica a mais de 50 euros. Aqui, vendemos por pouco mais de 10 euros. Temos o champô, o creme de mãos...”, exemplifica sobre os novos produtos lançados no mercado.

Cada garrafa de "mirtilão" custa 13 euros e as primeiras, que foram produzidas há um mês, estão quase esgotadas.

A ideia gerou emprego em Oliveira do Hospital e, na altura da colheita do mirtilo, mais de 70 pessoas, sobretudo jovens, foram contratados pela Lusoberry.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.