|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Portugal mais competitivo sobe no ranking do Fórum Económico Mundial

27 set, 2017 - 07:14

Organização lança todos os anos um relatório que classifica os países de acordo com as condições que oferecem às empresas para a realização de negócios.

A+ / A-

Portugal subiu quatro lugares no ranking da competitividade do Fórum Económico Mundial e ocupa a 42ª posição no relatório que vai ser apresentado esta quarta-feira de manhã.

Não é a melhor classificação já alcançada, mas é melhor do que as dos dois anos anteriores, sendo que Portugal estava em 46º em 2016. A burocracia do Governo, a par das taxas e dos impostos são os principais problemas apontados pelos empresários e que impedem uma maior pontuação.

Por outro lado, o receio de instabilidade política diminuiu face ao ano passado e é um dos factores que justifica a subida deste ano na tabela mundial.

Entre 2006 e 2013, Portugal atravessou um período de acentuada queda, mas subiu, em 2014, 15 posições, passado de 51º para 36º lugar. Em 2015, no entanto, voltou a cair para a 38ª posição e, depois, para a 46ª.

Este ano, Portugal conseguiu ainda, em termos de pontuação, subir de 4,48 para 4,57, a mesma que tinha em 2006.

Todos os anos, o Fórum Económico Mundial divulga a classificação de 137 países segundo as condições que oferecem às empresas para a realização de negócios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis B.
    27 set, 2017 Para cá da muralha da China 12:01
    Mais um sinal da "pesada" herança que Passos deixou ao País...