A+ / A-

BE responde a Cristas que ilegal é ter precários numa função permanente

26 set, 2017 - 21:41

Catarina Martins confessa "muito espanto" com "um discurso da direita que parece considerar que lutar contra precariedade no público é um ataque a qualquer tipo de trabalhador".
A+ / A-
PC Dias - Catarina Martins D26
PC Dias - Catarina Martins D26
Reportagem de Paula Costa Dias

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) respondeu esta terça-feira à líder do CDS-PP que ilegal é ter um trabalhador precário numa função permanente, seja no público ou no privado, considerando "de elementar bom senso e sensatez" respeitar os direitos laborais.

Durante a uma visita à Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF), no Entroncamento, distrito de Santarém, Catarina Martins foi questionada pelos jornalistas sobre as declarações da presidente centrista, Assunção Cristas, que de manhã tinha defendido que o processo de regularização de trabalhadores precários do Estado pode incorrer em inconstitucionalidade, argumentando que está em causa o princípio da igualdade.

"O que é ilegal é que numa função permanente esteja um trabalhador com um contrato precário. E isso é ilegal no Estado ou no privado. E o que nós queremos é que no sector público, como no privado, sejam respeitados os direitos dos trabalhadores. É de um elementar bom senso e sensatez", respondeu.

Catarina Martins tinha começado por confessar "muito espanto" com "um discurso da direita que parece considerar que lutar contra precariedade no público é um ataque a qualquer tipo de trabalhador".

"Quando nós puxamos os direitos de um trabalhador para cima, estamos a puxar os direitos de todos os trabalhadores para cima", enfatizou.

Assim, a líder do BE explicou que quando não querem "ninguém precário no estado central e nas autarquias" é porque também não querem "nenhum trabalhador precário no sector privado".

"E quem diz que não se deve incluir os precários da administração pública é porque, de facto, o plano que tem para o país é toda a gente precária no público e no privado. O caminho do BE é outro, é o caminho da dignidade do trabalho no público, como no privado", observou.

O jornal “Público” avançou esta terça-feira que os trabalhadores precários que exercem funções no Estado a tempo parcial poderão participar no Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários na Administração Pública (Prevpap), de acordo com um novo desenvolvimento nos entendimentos entre PS, BE e PCP.

De manhã, durante a primeira ação de campanha do dia, em Torres Novas, numa primeira reação a esta notícia, Catarina Martins tinha considerado ser "muito importante que antes do final desta semana" os critérios do concurso para a vinculação dos precários da administração pública "estejam feitos, sejam claros e não deixem ninguém para trás".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JULIO
    27 set, 2017 vila verde 10:07
    Porque não puxas para cima trabalhadores mas sim parasitas para teres votos ? . Quando o bce secar a turneira vamos ver a festa para jà o que enterça são rendimentos
  • pantufas
    27 set, 2017 lisboa 07:53
    ESTE GOVERNO E UMA MISÉRIA DEVE DEMITIR SE O MAIS RÁPIDO POSSIVEL .PARASITAS