O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Passos acusa Costa de não ter "sentido de Estado" no caso de Tancos

25 set, 2017 - 08:01

Entrevistado pela Renascença, o líder do PSD garante que as eleições de 1 de Outubro “não servirão para se pôr ao fresco”.
A+ / A-
Passos Coelho entrevistado por Paula Caeiro Varela (25/09/2017)
Passos Coelho entrevistado por Paula Caeiro Varela (25/09/2017)
Foto: Manuel Araújo/Lusa

Veja também:


O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, critica a maneira como o Governo tem respondido ao processo do roubo dos paióis de Tancos e diz que o ministro “sacode as mãos com uma velocidade enorme”.

“O Governo liderou toda esta matéria mal desde o início; esta foi uma das áreas de Estado em que se percebeu que não há sentido de Estado nem na maneira como o Governo se tem pronunciado, como o ministro tem conduzido este processo ou mesmo como o primeiro-ministro tem respondido politicamente perante o país”, afirma à Renascença.

“O que aconteceu é grave, os meses vão-se passando, o ministro desconversa e sacode as mãos com uma velocidade enorme, deu praticamente a entender – depois de ter havido demissões nas Forças Armadas, depois de se ter criado um alarme público justificado com o que se passou – que afinal, se calhar, no limite, por absurdo, nem se tinha passado nada”, critica ainda.

Por tudo isto, o presidente do PSD conclui: “estas são questões sérias que o Governo não tem levado a sério”.

Quanto à actuação do Presidente da República neste caso, Passos Coelho diz acreditar que Marcelo Rebelo de Sousa estará muito atento e “tem uma palavra importante a dizer, na medida em que é o chefe supremo das Forças Armadas”, ainda que tal não signifique que “tenha sempre de andar a fazer alardo público quer das preocupações que tenha quer das orientações ou outros conselhos que possa ao Governo”.

“Não sei o que é que em privado se passa, mas tenho a convicção de que o Presidente da República está tudo menos desatento ao que se passa”, resume.

Questionado sobre a posição do Bloco de Esquerda e do PCP, que na actual campanha pedem mais força para terem mais influência, o líder do maior partido da oposição considera que o secretário-geral do PS, António Costa, terá depois destas eleições a vida que escolheu.

Foi o actual primeiro-ministro quem trouxe para a área da governação os dois partidos mais à esquerda, por isso não pode lamentar-se dessa dependência, considera.

“Não me vou pôr ao fresco”

Passos Coelho garante que fará a leitura nacional dos resultados das autárquicas no dia a seguir às eleições (a próxima segunda-feira) mas, até lá, recusa fazer especulações. Até porque não lhe cabe fazer análise política em público.

“Não sou um analista político. Sou presidente do PSD. E, como presidente do PSD, no dia a seguir às eleições cá estarei a fazer a leitura nacional que entenda dever fazer sobre essa matéria, mas não posso especular. Quem está com responsabilidades de liderança num partido não faz especulações sobre o dia a seguir às eleições”, justifica.

Pedro Passos Coelho assegura que não está agarrado ao poder, mas também diz que não faz depender destas eleições a sua vontade de continuar à frente do partido.

“Claro que se o PSD tiver um mau resultado autárquico é mau para a liderança do PSD. Mas a liderança do PSD não está em jogo com o resultado destas eleições”, destaca.

“As pessoas conhecem-me, sabem e já me ouviram dizer várias vezes que as eleições autárquicas não servirão nem para eu me pôr ao fresco nem para eu fazer provas de vida dentro do PSD. Sou presidente do PSD, quando existirem eleições internas, a seu tempo, me apresentarei a essas eleições – não sou de virar a cara ou de me pôr ao fresco, mas também não estou agarrado a isto a qualquer preço”, garante.

A esse propósito, o líder do maior partido da oposição lembra que “o PSD tem previsto realizar as suas eleições directas e o congresso no início do próximo ano”.

Até final de Novembro, há-de ser convocado um conselho nacional para marcar a data.

Passos sublinha, assim, que não são as autárquicas que vão ditar um novo ciclo político do ponto de vista nacional, uma responsabilidade que está apenas nas mãos do Governo que, no seu entender, tem adaptado as suas políticas à realidade.

Segundo o líder do PSD, o que importa é saber se o executivo vai manter a retórica de que está a fazer um milagre económico ou começar a aplicar verdadeiras reformas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Claro!
    25 set, 2017 lis 18:27
    O grude é tanto que nem à picareta é destruído! É preciso ter uma grande lata e querer destruir um partido só porque para este teimoso vale a máxima, mais vale quebrar do que torcer!
  • Ó passos
    25 set, 2017 Lx 16:19
    O desespero é total! Estás mesmo em delírio por veres o teu fim por perto! És um pseudo estadista sem qualquer importância!
  • Hugo
    25 set, 2017 Silves 15:48
    Sentido de Estado é vender tudo aos amigos do dotôr Relvas.
  • O anterior desgoverno
    25 set, 2017 Cas 15:42
    Foi uma grande escola de oportunistas e vendedores de banha de cobra! Desesperados continuam a querer vender o produto ainda em armazém e continuam a piar o conto do vigario à espera de incautos compradores!
  • Para este aldrabão
    25 set, 2017 San 15:37
    Sentido de estado é usar bandeirinha na lapela e mentir compulsivamente aos portugueses para não sair da zona de conforto e emigrar! É o maior farsola que apareceu em Portugal! Oportunista e manhoso! Ninguém o bate!
  • Toni
    25 set, 2017 Lisboa 13:24
    Pergunto eu a este tipo chamado Passos Coelho e a sua madame Cristas, senão tivesse existido a desgraça dos incêndios como tb o dito cujo roubo de Tancos, será que valia a pena PSD e CDS existir??
  • ze trovador
    25 set, 2017 guimaraes 11:50
    Este papagaio veio a público com um relatório fantasma. Isto depois dos suicídios inventados do verão. Depois fala de sentido de Estado? Tem uma trave no olho e fala do cisco na vista do governo. Pobre psd...
  • jams
    25 set, 2017 lisboa 11:41
    SEGUNDA FEIRA PASSOS COELHO VAI ENTREGAR A BANDEIRINHA.
  • Filipe
    25 set, 2017 évora 11:29
    O furto nunca existiu , foi uma manobra política para calar a polémica dos incêndios .
  • João Lopes
    25 set, 2017 Viseu 11:27
    Costa não tem sentido de Estado. É um malabarista simpático e sem escrúpulos: na campanha eleitoral nunca disse ao eleitorado natural do PS que poderia vir a coligar-se com os partidos marxistas do PCP e do Bloco! Mas os grandes culpados desta situação são os que votaram em branco ou não votaram. A eles se referia o filósofo Platão (428 - 347 antes de Cristo): "o preço a pagar pela tua não participação na política é seres governado por quem é inferior”; e assim ninguém se pode queixar: Portugal tem a governança que merece...