A+ / A-
Autárquicas em Lisboa

Cristas mostra lado humano no Facebook, Medina defende-se

21 set, 2017 - 11:00 • Teresa Abecasis

O investigador Sérgio Denicoli analisou as interacções das páginas do Facebook dos cinco principais candidatos a Lisboa e concluiu que a candidata centrista tem a estratégia “mais forte”.
A+ / A-

“Ao fim de uma longa semana, tive a surpresa dos meus filhos irem ter comigo.” A mensagem escrita na página oficial de Assunção Cristas à Câmara de Lisboa vem acompanhada de uma série de “emojis” com corações e de uma fotografia em que a candidata é apanhada num momento de descontração com um dos filhos.

Com quase dois mil “likes”, esta foi a publicação mais popular da página nas primeiras duas semanas de Setembro e faz parte de uma “estratégia muito forte” para as redes por parte da campanha da líder centrista. A análise é feita por Sérgio Denicoli, investigador do Centro de Estudos em Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho e dono de uma empresa que faz estudos de análise de dados nas redes.

Denicoli conduziu um estudo que analisou, durante as primeiras duas semanas de Setembro, as redes de interacções - “likes”, comentários e partilhas - das páginas de Facebook dos cinco principais candidatos à Câmara de Lisboa. No caso de João Ferreira, a página analisada foi a da secção de Lisboa do partido, uma vez que o candidato da CDU é o único que não possui uma página pública naquela rede social.

No universo das páginas analisadas, Assunção Cristas foi quem reuniu maior volume de interacções, com 46,03%. Em segundo lugar, está Fernando Medina, com 28,66%, seguido da página da CDU Lisboa, com 12,47%. Ricardo Robles (BE) reuniu 8,89% das interacções e Teresa Leal Coelho (PSD) não chegou aos 4%.

O “desgaste” de Fernando Medina

“Os ‘posts’ de Fernando Medina são sempre defendendo o legado do candidato em relação a temas que foram colocados pela oposição, o que gera um certo desgaste para ele mesmo”, defende Sérgio Denicoli.

No período abrangido pelo estudo, a publicação com mais interacções foi a nota sobre a transparência na compra da casa de Medina, uma resposta a uma denúncia anónima ao Ministério Público que está a ser investigada.

Enquanto Fernando Medina se destaca a responder a ataques, Assunção Cristas aproveita as redes para mostrar um lado “mais humano”, uma abordagem que tem mais probabilidade de vingar na internet. E isso comprova-se também pelo número de seguidores que cada um tem: Cristas tem mais de 76 mil “likes”, enquanto Medina fica-se por cerca de um terço, pouco mais de 26 mil.

Na rede, “a comunicação é muito mais emocional” e as publicações “menos políticas e mais pessoais chamam a atenção de outros tipos de eleitores que não estão habituados a compartilhar e comentar temas desses candidatos”, sublinha Denicoli.

E se a candidata do CDS-PP consegue atrair outras pessoas para a conversa, o mesmo não está a acontecer com João Robles e João Ferreira. Ambos têm uma rede de seguidores bastante activa, mas “têm uma certa dificuldade em atingir outros públicos” – sair da bolsa de seguidores para quem comunicam habitualmente.

Campanhas “pouco criativas” e sem apelo para os jovens

Olhando para o panorama nacional das campanhas para as autárquicas nas redes sociais, Sérgio Denicoli vê um conjunto “pouco criativo” e que não explora as potencialidades da internet, um meio que tem vindo a crescer em Portugal e onde hoje em dia já estão muitos influenciadores.

E isso, garante, trará consequências: “Os que não investiram [nas redes sociais], certamente vão perceber o impacto desse não investimento nos resultados que vamos obter no dia 1 de Outubro”.

Foi por estar a acompanhar as movimentações nas redes que o investigador não ficou surpreendido com a sondagem publicado pelo “Jornal de Notícias” esta segunda-feira: “a internet já reflectia essa tendência”. O estudo de opinião dá uma vitória sem maioria absoluta a Fernando Medina e um surpreendente segundo lugar a Assunção Cristas, um ponto percentual à frente da candidata social-democrata Teresa Leal Coelho.

Denicoli vê a análise das redes sociais como uma ferramenta fundamental para sentir o pulso das comunidades, e saber quais os assuntos que estão a centrar as atenções. “A rede é muito volátil e é preciso haver uma monitorização diária para que a comunicação seja perfeita com o público.”

Há, também, uma parte importante do público para quem as campanhas nas redes sociais, quando as há, não estão a falar: os jovens. “É tudo muito antiquado, a linguagem utilizada poderia ser muito mais moderna, mais dinâmica. A campanha eleitoral é muito pobre nesse sentido.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • maris
    22 set, 2017 lx 19:46
    Contaram-me que numa reunião de militantes do CDSPP que ela foi mal educada e disse que não precisava de arranjar mais militantes nem votos e amarfanhou uma folha de militantes à frente de vários membros do partido. Lembrem -se que quem acabou com os guardas florestais foi a PaF.
  • ALETO
    21 set, 2017 Lisboa 21:23
    Aquilo que vemos na Renascença todos os dias é um claro apelo ao voto no partido de Assunção Cristas.
  • Rui Tiborna
    21 set, 2017 Olivais 19:17
    Não era uma senhora chamada Cristas que foi ministra de Passos
  • Augusto
    21 set, 2017 Lisboa 17:30
    Desconheço quem seja a douta personagem , que opina sobre a internet e os candidatos . Mas o que fica claro é que esta página da RR , faz campanha pela candidata Cristas , e nem disfarça.
  • Guida Filho
    21 set, 2017 Lisboa 16:01
    A Cristas, membro do governo de má memória da PAF, foi cúmplice no desmantelar do Metro de Lisboa com vista a uma "privatização" (leia-se bodo a algum amigo). Tolerou a diminuição do número de carruagens em hora de ponta e a redução da velocidade comercial. Agora vem falar da hora de ponta? Tenha vergonha senhora!
  • Alexandre
    21 set, 2017 Lisboa 14:33
    A imagem transmitida por Assunção Cristas pela sua propaganda é das mais falsas e hipócritas que existem nesta campanha. O problema é que Assunção Cristas é a candidata da estação emissora «Renascença», uma estação emissora que censura a maior parte dos comentários que vão contra os seus gostos e ideias para uma sociedade desigual.
  • tuga
    21 set, 2017 lisboa 13:54
    Esta senhora no desgoverno ajudou as celuloses ao desbloquear o plantio de eucaliptos , deu tachos sem concurso a colegas da faculdade, deu tachos ao escritório de advogados de onde veio (Obra do Tua), aproveitou-se nomeadamente da desgraça de Pedrogão para se evidenciar, etc. ISTO É A DIREITA??? Esta senhora quer votos para nas próximas eleições legislativas ter votos suficientes para pressionar o PSD e obter bons tachos. O MEU COMENTÁRIO ANTERIOR FOI CENSURADO!! VIVA O 24 DE aBRIL.
  • Filipe
    21 set, 2017 évora 13:09
    É formidável a vida política em Portugal , vejamos : Tempos um 1º Ministro eleito em 2ª lugar pelo povo Português , no entanto na secretaria dos bastidores da Assembleia da República , consegui com uma espécie de Doping chegar ao poder . Temos na Câmara Municipal de Lisboa , um Presidente atual que nem sequer os Lisboetas quando votaram sabiam que ia ser um dia Presidente da Lisboa , chegou ao poder porque o outro eleito pelos Lisboetas abandonou o cargo confiado . Isto dá mesmo que falar numa espécie de política Corrupta !
  • velhinho
    21 set, 2017 coimbra 12:35
    Cá para mim são tudo boa gente, que para conseguir o TACHO, agora em campanha são capazes de se despir, limpar o RANHO OU A MER DA a um sem abrigo, mas depois com o TACHO, ninguém mais consegue chegar junto desta MALTA, MALTA QUE SE RODEIA SÓ DOS PARASITAS DO COSTUME. Na verdade, é preciso se ter muita coragem para fazerem o papel que fazem nas campanhas, o que mostra bem o CARATER DESTA GENTE. MAS É COMO DIZIA UM POLITICO PARA MIM, já lá vão mais de vinte anos: O QUE INTERESSA É CHEGAR AO LUGAR, COMO ( ! ), NÃO INTERESSA, depois, depois vamos esperar por outra vez e as pessoas esquecem.--------------MAS HÁ ALGUM POLITICO QUE SEJA HUMANO ?
  • tuga
    21 set, 2017 lISBOA 12:26
    Essa crista já enoja, isto é a direita?? no governo deu tachos a amigos da faculdade, deu tacho ao escritório de advogados de onde veio, du tacho às bruceloses desbloqueou o plantio de eucaliptos, Agora aproveita-se d desgraça de Pedrogão para colocar em bicos de pés. Mas alguém acredita nisto? Isto alguma vez á de direita ou seja o que for?? quer é votos para pressionar o PSD nas próximas para chegar ao tacho. o povo está a dormir??? alguém acredita neste grupelho a dizer-se de direita e a vender banha da cobra???