O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Passos Coelho. Governo demorou duas semanas a dar razão a Cavaco

17 set, 2017 - 19:24

Líder social-democrata reforça que “as retóricas mentirosas têm perna curta e sempre se vê aquilo que acontece”.
A+ / A-

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considera que o Governo "demorou duas semanas a dar razão" ao ex-Presidente da República Cavaco Silva e defende que "as retóricas mentirosas" têm um prazo de validade curto.

Na apresentação da candidatura de Nuno Gonçalves (apoiado por PSD e CDS) à Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, Passos Coelho recordou a intervenção de Cavaco Silva na Universidade de Verão do PSD, quando este disse que "a realidade acaba por derrotar sempre a ideologia" e foi então criticado por todos os partidos à esquerda.

"Demoraram duas semanas a dar-lhe razão", afirmou, apontando como exemplos afirmações do ministro Pedro Marques de que não há folga, do ministro das Finanças que chamou a atenção para as metas orçamentais e do próprio primeiro-ministro, que diz ser necessário prosseguir o caminho "com equilíbrio".

Passos Coelho salientou que esse equilíbrio "já existia em 2015", e lamentou que tivesse demorado dois anos para que "António Costa desmentisse as críticas que se faziam ao governo do PSD e do CDS quando tomaram medidas difíceis para pôr a economia nos carris".

"Em política, mais dia menos dia as retóricas mentirosas têm perna curta e sempre se vê aquilo que acontece. A verdade é como o azeite, vem sempre ao de cima", afirmou, reiterando que a primeira metade da legislatura foi tempo perdido.

O líder do PSD referiu-se ainda à entrevista do primeiro-ministro ao Diário de Notícias, em que António Costa falou da actual situação da geringonça: "Se me disser que o PCP e o Bloco gostavam que fossemos ainda mais longe eu digo-lhe que também eu gostava.

Agora, tenho a certeza de que se o Jerónimo de Sousa ou a Catarina Martins estivessem aqui na minha função porventura iriam tão longe quanto aquilo que nós temos ido".

Esta afirmação foi, contudo, contrariada pela coordenadora do BE, com Catarina Martins a defender que a execução orçamental de 2016 mostra que era possível "ter ido mais longe" em sectores essenciais.

"O BE é uma fonte de animação política nesta campanha", ironizou Passos Coelho, considerando que as críticas do Bloco sobre a falta de investimento vão ao encontro das que foram feitas por PSD e CDS e que foram na altura classificadas como ressabiamento pelos partidos da ‘geringonça'.

Considerando que o tempo fez com que até o BE viesse "dar razão" às críticas dos sociais-democratas sobre a falta de investimento, Passos deixou um lamento.

"O tempo que perdemos, o dinheiro que desperdiçámos apenas porque o dr. António Costa quis construir uma geringonça com BE e PCP apenas para chegar ao Governo", disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Morais
    18 set, 2017 Paredes 11:57
    Engraçada a necessidade dos adeptos de esquerda em insultar o Passos Coelho. Insultos gratuitos porque rebater as suas afirmações raramente o fazem...
  • O desesperado
    18 set, 2017 Lx 09:23
    Este farsola nunca mais larga o espelho. A retórica que utiliza é precisamente a que tenta colar aos outros! É a tática do baralhar para enganar!
  • Borges
    17 set, 2017 Chaves 19:29
    Este Passos é uma nódoa. Vai trabalhar Passos!