O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Passos acusa Costa de”sectarismo e mesquinhez"

16 set, 2017 - 22:55

Líder social-democrata queria ver realçado o papel do Governo PSD-CDS na subida do rating de Portugal.
A+ / A-

O presidente do PSD acusa o primeiro-ministro de "sectarismo e mesquinhez" sem paralelo na história democrática portuguesa ao dizer "nada" sobre o papel do anterior Governo na subida do 'rating'.

"Quero dizer ao dr. António Costa o seguinte: é uma atitude de um primeiro-ministro que revela um sectarismo e uma mesquinhez como não encontro paralelo na história democrática do país", acusou Pedro Passos Coelho, num jantar em Viseu de apoio ao candidato autárquico do partido, o actual presidente da Câmara, António Almeida Henriques.

Pedro Passos Coelho acusou ainda PCP e BE de se "fazerem de cegos" e de apoiarem uma política que anteriormente criticaram.

"O líder do PCP insistiu na ideia de que o país não se governa com 'ratings', como quem diz 'quero lá saber do rating'", ironizou o líder do PSD.

Sobre a reacção de Catarina Martins à subida do 'rating' da dívida portuguesa, Passos Coelho classificou-a como "uma pérola" por a coordenadora do BE afirmar que a decisão da agência Standard & Poor's se deveu ao facto de o Governo ter feito "tudo ao contrário" do que esta recomendava.

"Não se está mesmo a ver? Realmente, como se costuma dizer, não há maior cego do que aquele que não quer ver", disse.

Para o líder do PSD, "mesmo que os partidos da 'geringonça' tenham dificuldade em reconhecê-lo", foi o compromisso do actual Governo em prosseguir os objectivos do anterior que permitiu a Portugal sair do nível 'lixo'.

"E que disse o primeiro-ministro? O primeiro-ministro disse, sobre o passado, nada, como se esta matéria tivesse acontecido hoje simplesmente porque o actual Governo mudou de política", lamentou.

Passos Coelho citou ainda um argumento usado pelo primeiro-ministro, que destacou que a subida do nível do 'rating' permitirá a Portugal vir a ter juros mais baixos para a dívida pública.

Dizendo que António Costa "tem toda a razão", o líder do PSD lamentou que, em 2016, as taxas de juro portuguesas tenham aumentado em contraciclo com "a esmagadora maioria dos países da zona euro".

"E sabem uma coisa? No dia em que uma agência de 'rating' tirou Portugal do lixo, ainda tínhamos taxas de juro a dez anos mais elevadas do que quando deixei o lugar de primeiro-ministro", afirmou, concluindo que "fica muito claro" que a actual solução governativa atrasou Portugal em vez de ter adiantado.

Passos Coelho referiu que PCP e BE continuam a querer reverter reformas que foram essenciais para a subida do 'rating' de Portugal, como a legislação laboral.

Também na política europeia, o líder do PSD apontou contradições entre o discurso do primeiro-ministro na sexta-feira no Colégio de Bruges - que considerou semelhante ao seu - e o dos seus parceiros governativos.

"Está em Bruges e em Bruxelas com um discurso, mas alia-se em Portugal aos que têm o discurso oposto e são mesmo antieuropeístas", criticou.

Um crescimento da economia de 2%, em média, até 2020; um défice de 1,5% este ano e menos riscos no acesso ao financiamento levaram a agência de notação financeira Standard & Poor's a tirar Portugal do 'lixo' na sexta-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis
    17 set, 2017 Lisboa 19:14
    MENDES. Por falares em burros, os piores não são os que usam palas. São aqueles que usam palas e zurram. Só que as vozes deles nunca chegam aos céus. Fica tranquilo e continua.
  • fanã
    17 set, 2017 aveiro 18:55
    Cristas e Coelho duas cabeças vazias de tudo e cheias de nada , e querem o poder ??????................só se for para se governarem !
  • Que Deus nos dê...
    17 set, 2017 Lisboa 18:16
    ... muita paciência, e um paninho branquinho para a cobrir. Ai o desespero a subir, a subir, como a massa a levedar!!!
  • andam por aqui
    17 set, 2017 lis 17:43
    Alguns Pafosos que se dizem não políticos, mas defendem com unhas e dentes a sua "dama"!...Se isto não é ser político o que é? Com certeza que se mantiveram durante 4 anos de empobrecimento do país, na sua zona de conforto, protegidos pelo Pafoso mor e viveram alegremente, enquanto milhares de famílias empobreciam e se iam destruindo com emigração forçada! Abençoados os pobres de espírito que ainda acreditam em trafulhas!...
  • João Lopes
    17 set, 2017 Viseu 17:36
    A geringonça social-comunista não vai durar sempre. Muitos portugueses estão a descobrir que foram enganados: há muito mais impostos indiretos que "depenam" diariamente os cidadãos! As cativações no Estado são grandes e afetam a qualidade dos serviços públicos (veja-se na Saúde: enormes atrasos nas consultas e nas operações) e a despesa pública escondem-na mas aumentou 1,8 mil milhões de euros até Junho, somando agora perto de 250 mil milhões de euros (dados divulgados em Agosto pelo Banco de Portugal).
  • mendes
    17 set, 2017 braga 14:03
    o luis nao te preocupes com a casa dos outros olha para a tua - os burros usam uma pala e so veem o que lhes deixam ver -e so fazem o que lhes mandam -nao pensam e nao teem memoria --assim es tu e aqueles que criticam o anterior governo -nao sou nem nunca fui politico nao voto em nenhum partido mas gracas a deus nao sou cego e ainda tenho boa memoria por isso sei como estava o pais em 2011 e sei como estava em 2015 e sei como esta hoje por isso se aqui ha merito do governo esse merito e de quem tirou o pais da banca rota -mas como nao sou inocente sei que o merito nao e dos governos mas sim do povo dqueles que trabalham no campo e nas fabricas e dos empressarios sao esses que produzem a riqueza do pais nao sao os ministros nem os deputados nem os presidentes das cameras nem os mandoes das juntas de freguesia porque esses sao politicos e neste pais onde ha politicos ha aldraboes e curruptos mas a culpa dizeis vos e do SALAZAR porque ao fim de 40 anos morreu pobre e o bom foi mario soares que ao fim de 10 anos se tornou num dos homens mais ricos do pais a diferenca entre psd e ps e que o psd governa para o pais o ps governa para o partido o ps para estar no poder cai a direita cai ao centro cai a esquerda comforme a ocasiao e como as mulheres da ma vida que alinham com todos o que dizer de um partido que ontem mata os comunistas e se alia ao cds e hoje mata o cds e se alia ao be e pcp so para estar na mama quando aparecer neste pais um partido que governe o pais eu irei votar
  • 17 set, 2017 aldeia 13:09
    Sempre a acusar,a dizer mal de tudo e de todos,por aqui se vê que não tem (nunca teve) ideias para o bem do povo e de Portugal.O que terá acontecido aos sociais democratas do partido de Sá Carneiro?
  • cada vez mais
    17 set, 2017 lis 12:45
    este aventesma mostra a sua farsolice e o que é ser um pantomineiro a querer enganar tudo e todos! Será que este tipo está no seu pleno juízo?...Já não há pachorra! Com tanta teimosia entre no domínio da burrice!
  • ac
    17 set, 2017 lx 11:35
    Toda a razão Passos. Vergonhoso é os portugueses acreditarem e votarem neste Costa e nesta geringonça..
  • barsanulfo
    17 set, 2017 alcains 10:35
    O tipo, este tipo, sim este tipo. que nos vendeu, vendeu o país a patacos, é absolutamente patético. lembrar-me que o indigente mental foi 1º ministro do meu país quase 5 anos, causa-me arrepios.E, pior que isto, recordar-me da longa noite, o holocausto que foi a sua passagem pela governação, acompanhado por todos aqueles miseráveis tipos, o mal , a dor, o sofrimento, a angústia, o medo, que nos causaram, continuar a vê-lo por ai, é igualmente muito doloroso. Agora, de corpo e alma ao lado do recém surgido aprendiz de nazifeiticeiro candidato André (des) Ventura, vem com este, ensaiando o discurso Le Pen, numa tentativa de colher votos, "Trampizando" os portugueses.O tipo está a tornar-se um extremista perigoso.