O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

“Fábrica do nada” conquista dois prémios internacionais

16 set, 2017 - 22:25

Filme português foi premiado este sábado na Hungria e no Iraque.
A+ / A-

O filme "Fábrica de nada", do realizador português Pedro Pinho, foi distinguido nos festivais internacionais de cinema de Duhok, no Iraque, e de Miskolc, na Hungria, anunciou a produtora Terratreme.

"Fábrica de nada", primeira longa-metragem de ficção de Pedro Pinho, recebeu o Grande Prémio do Júri do CineFest Miskolc Internacional Film Festival, que termina no domingo na Hungria.

No Iraque, onde terminou hoje a quinta edição do festival de cinema de Duhok, o filme recebeu o prémio especial do júri.

"A fábrica de nada", que chega às salas portuguesas no dia 21, estreou-se em maio no Festival de Cannes, onde venceu o Prémio da Federação Internacional de Críticos de Cinema, a que se seguiu o prémio CineVision, em Junho, em Munique, para melhor novo filme.

Com três horas de duração, o filme é interpretado por actores e não actores e segue a vida de um grupo de operários que tentam segurar os postos de trabalho, através de uma solução de autogestão colectiva, e evitar, assim, o encerramento de uma fábrica.

Pedro Pinho assina a realização, mas o filme de ficção foi construído em conjunto com Luísa Homem, Leonor Noivo e Tiago Hespanha, a partir de uma ideia de Jorge Silva Melo e da peça de teatro "A fábrica de nada", de Judith Herzberg.

Actualmente, "A Fábrica de nada" integra o Festival de Cinema de Toronto, que decorre no Canadá, e em Outubro será exibido no Festival de Cinema de Londres.

O filme está entre os pré-seleccionados para os prémios da Academia Europeia de Cinema.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.