O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Costa reafirma descongelamento das carreiras em 2018 e nega aumento de carga fiscal

16 set, 2017 - 09:46

Sobre a União Europeia, o primeiro-ministro considera que "não haverá estabilidade duradoura na zona euro", se continuarem a aumentar as divergências entre as diferentes economias e não se reforçar a convergência.
A+ / A-

O primeiro-ministro garantiu, em entrevista ao DN, que não haverá qualquer aumento da carga fiscal em 2018 e confirmou que será o ano do arranque do descongelamento das carreiras na função pública, que vai beneficiar mais os enfermeiros.

"Vamos começar (descongelamento das carreiras) por onde é justo, que são os que tiveram congelamento total há mais tempo", afirmou António Costa, na entrevista publicada este sábado no Diário de Notícias, confirmando que o descongelamento não será total.

Os enfermeiros, que estiveram toda a semana em luta, são quem mais vai beneficiar do descongelamento das carreiras da função pública, afirmou o chefe do Governo. "Porque o seu sistema de pontuação necessária para a progressão é majorado relativamente ao conjunto da administração pública", disse.

Em relação ao IRS, quando questionado se para aliviar os impostos nos escalões mais baixos a contrapartida será aumentar a taxa dos escalões mais altos, o líder do Governo foi claro: "Não está previsto haver qualquer aumento da tributação sobre os rendimentos das pessoas singulares".

Sobre o futuro da União Europeia, António Costa insistiu que o mais importante de tudo é haver "uma capacidade orçamental própria da zona euro que permita financiar a convergência económica e social entre as economias dos diferentes Estados-membros".

O primeiro-ministro acrescentou que "não haverá estabilidade duradoura na zona euro", se continuarem a aumentar as divergências entre as diferentes economias e não se reforçar a convergência. No entanto, Costa disse ver sinais muito positivos, não só "na atitude que o Presidente Macron tem apresentado", na forma como "Juncker se tem pronunciado", mas também nas "declarações que Angela Merkel fez" recentemente em que, "pela primeira vez, aceitou expressamente a existência de um orçamento da zona euro focado no investimento, visando suprir os défices de convergência".

A propósito da reavaliação da Standard & Poors da dívida soberana portuguesa, na noite de sexta-feira, que tirou Portugal do 'lixo', António Costa salientou que "confirma a correcção da estratégia" que o governo tem seguido.

A Standard & Poors reviu em alta o 'rating' atribuído à dívida soberana portuguesa de 'BB+' para 'BBB-', um primeiro nível de investimento.

Com esta revisão em alta para 'BBB-', com perspectiva 'estável', Portugal volta a ter uma notação de investimento, atribuída por uma das três principais agências de 'rating' mundiais.

Desde 2012 que a agência atribuía à dívida soberana portuguesa um rating 'BB+', a nota mais elevada de não investimento, com uma perspectiva 'estável'.

O primeiro-ministro disse estar ciente de que é preciso prosseguir um caminho de rigor nas contas públicas e que "ao longo destes dois anos se tem provado que o Governo e os parceiros parlamentares têm conseguido cumprir os compromissos que assumiram entre si".


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • velhote
    17 set, 2017 coimbra 11:47
    Quando me aposentei fiquei com uma pensão muito acima do Salário Mínimo Nacional. Como TRABALHEI PARA O ESTADO, sublinho TRABALHEI, porque andam lá muitos que são apenas EMPREGADOS, ----------------ESTIVE UNS OITO ANOS SEM AUMENTOS NA PENSÃO, porque só haveria aumento quando o FUNCIONÁRIO DO ACTIVO atingisse os 10% de aumento no ordenado. PARECE-ME QUE ERA ASSIM. Presentemente estou com uma pensão de 470 EUROS ! Bem, estou muito próximo dos 80 anos e como a farmácia é o meu principal supermercado, lá vou vivendo encostado aos filhos, que até me arranjaram este computador para eu me ir entretendo, para além de plantar ali no quintal umas couves , tomates e mais algumas coisitas para ir vegetando, eu e a velha E TUDO ISTO COMO PRÉMIO POR TER SIDO ESCRAVO DESTES POLITICOS, JÁ ANTES DO 25 DE ABRIL DE 1974, para que eles andem de barriga grande e com milhões de contos, perdão, de euros espalhados por todos os bancos onde não haja hipótese de serem caçados. Sem dúvida que se estão a distribuir alguns rebuçados, rebuçados que se vão consumir rapidamente, porque vai haver AUMENTOS CHORUDOS PARA ALGUNS, o que vai fazer com que os preços das coisas se tornem mais caras e portanto o rebuçado que tive no aumento da pensão, não vai cobrir o aumento do custo de vida. É ESTA A MATEMÁTICA DESTES SABICHÕES.
  • Hurtado
    16 set, 2017 Hermizinde 17:33
    KOSTOV ILUSIONISTA! Depois das próximas eleições é que vai ser... Onde é que eu já ouvi isto??? Vai à Loja... Maçon!
  • Eborense
    16 set, 2017 Évora 14:36
    Ó João! Deves ser daqueles que têm alergia à matemática e como esta disciplina aumenta a capacidade de raciocínio de quem a estuda, tu não tiveste esse privilégio. No entanto, já que falas tanto, hás-de verificar se aquelas pessoas que ganham 40 mil euros, descontam o dobro de quem ganha 22 mil, ou se descontam muito mais. Depois informa-me, se fizeres favor!
  • Leonardo
    16 set, 2017 Massamá 14:18
    Qual é a minha carreira? não tenho! ou melhor: a minha carreira é pagar mais impostos ao Estado para este pagar carreiras.......pagar até ao destino final ou seja nova Banca rota no Estado!!!!!!!!!!!!!
  • joao
    16 set, 2017 Lisboa 13:30
    mais mentiras!
  • Carlos Costa
    16 set, 2017 Santarem 13:09
    O que dirá Costa acerca disto: Desde que este governo entrou em funções A DÍVIDA PÚBLICA PORTUGUESA PASSOU A SER A QUARTA MAIOR DO MUNDO!!!!!!
  • joao
    16 set, 2017 Lisboa 12:12
    Mais mentira da corja politiqueira! 1º havia descongelamento, agora é só para os enfermeiros, amanha é só para os juizecos! Assim se faz há anos a desgovernação do sinistro bloco central Ps-Psd. O "descongelamento" deve ficar quase todo congelado, vai ser só um gota de "líquido", talvez uns 5 euros descongelos! Mas para os boys há grandes descongelamentos! Onde está a progressividade do IRS?! Ficou tudo na mesma! É justo quem ganha 22 mil ter a mesma taxa do que quem ganha 40 mil ao ano?! Onde está a progressiviade?!