O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Imobiliárias e turismo algarvio contra aplicação de IRS a reformados estrangeiros

15 set, 2017 - 17:58 • Henrique Cunha

Os estrangeiros reformados que vêm para Portugal ao abrigo do chamado regime "residente não habitual" não pagam impostos. O ministro das Finanças confirma que o Governo está a estudar a possibilidade de alterar a lei.
A+ / A-

O presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), Luís Lima, diz que a possibilidade de taxar com IRS os reformados estrangeiros a residir em Portugal constitui "uma mensagem muito negativa para quem precisa de captar investimento estrangeiro".

A notícia de que o Governo está a estudar a possibilidade de introduzir uma alteração ao regime de residentes não habituais, de modo a sujeitar a IRS os futuros reformados estrangeiros em Portugal, foi avançada, esta sexta-feira, pelo "Jornal de Negócios" e, posteriormente, confirmada pelo ministro das Finanças.

“É uma mensagem extremamente negativa sobretudo para quem tenta captar investimento estrangeiro", diz o presidente da APEMIP à Renascença.

Luís Lima lembra que países como a Suécia e a Finlândia estão descontentes com a taxa zero aplicada aos reformados estrangeiros e que a ideia de Mário Centeno "vem de uma viagem que o ministro das Finanças fez à Suécia, na qual a ministra sueca o sensibilizou" para os seus argumentos.

"Para o meu país, se estes estrangeiros não vierem, nós não temos receita fiscal nenhuma. E neste momento eles vêm para Portugal, investem - nomeadamente em imobiliário - gastam em restauração, gastam em saúde. Portanto, pagam muitos impostos, nomeadamente indirectos”, diz o presidente da APEMIP.

Os estrangeiros reformados que vêm para Portugal ao abrigo do chamado regime "residente não habitual" não pagam impostos. O Governo pondera vir a aplicar uma taxa de 10 por cento.

"Disparate completo"

O presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, classifica, pro sua vez, a eventual aplicação da taxa como um "disparate completo".

“Para ser muito simpático, acho que é disparate completo, porque, num país que está na moda, que tem capacidade de atendimento; qualquer agitação que se faça, neste sentido pode vir a prejudicar essa percepção muito positiva de um país acolhedor, que sabe receber”, argumenta.
Desidério Silva sublinha que o Algarve será a região do país que mais sofrerá com a eventual alteração legal: "Estamos a falar de muita gente - o mercado inglês, o alemão, o holandês, o irlandês e, nos últimos três anos o mercado francês - que, ao longo dos anos tem optado pelo Algarve para usufruir da sua reforma, dos seus rendimentos. Estamos a falar da região mais importante nessa componente e seria a região que mais sofreria com essa atitude do Governo."
Centeno: "Ajustamentos a fazer"

O ministro das Finanças, Mário Centeno, já confirmou que o Governo está a estudar, “já há alguns meses”, a introdução de uma taxa mínima de IRS para reformados estrangeiros, em nome da “boa relação fiscal” com outros países europeus.

À saída de uma reunião informal de ministros das Finanças da zona euro e da UE, em Talin, Centeno, questionado sobre a notícia do "Jornal de Negócios" de que o Governo está a estudar uma alteração ao regime de residentes não habituais de modo a sujeitar a IRS futuros reformados estrangeiros em Portugal, face ao descontentamento de alguns Estados europeus, confirmou que esse é efectivamente o caso, e admitiu que as alterações entrem em vigor já no próximo ano, embora o assunto esteja ainda "em análise".

“Nós estamos a olhar para essa questão já há alguns meses, num contexto que também tem em conta aquilo que é a realidade de outros países europeus. Nós achamos que há ajustamentos a fazer nessa matéria. Pensamos que num contexto também, mais do que de transparência, de boa relação fiscal em termos europeus, isso merecia a nossa atenção”, assumiu Centeno.

Questionado sobre se sentiu pressões por parte de outros países - como a Finlândia -, o ministro apontou que “há acordos de tributação com muitos países que são geridos de forma bilateral, esses acordos estão em vigor e estão a ser cumpridos, e há momentos de discussão desses acordos”.

“Nós gostaríamos, mais do que reagir a algumas posições que, até com alguma falta de informação, foram sendo feitas, que definíssemos uma estratégia mais completa para podermos enquadrar todas as situações”, argumentou.

Segundo Centeno, é evidente que Portugal quer preservar a sua “independência fiscal”, no sentido de poder ter a política que considera adequada, mas também é “muito importante” respeitar um enquadramento europeu, onde o país se inclui e quer “obviamente manter”.

Questionado sobre um calendário para a introdução desse IRS mínimo para reformados estrangeiros e se a taxa a aplicar será em torno dos 5%, escusou-se a comprometer com prazos – embora admitindo que “é possível” que se aplique já em 2018 - e apontou que “não há ainda nenhuma taxa definida, há estudos que estão a ser feitos”.

“Isto é uma matéria que é para ser enquadrada nos acordos de tributação que temos, que são variadíssimos”, disse, acrescentando que “a ideia é que não variassem de país para país”.

“É uma matéria que estamos a analisar”, concluiu.

[notícia actualizada às 18h40, com posição da Região de Tuismo do Algarve]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ezequiel Damaso
    16 set, 2017 Canada 20:21
    Ainda bem que avisaram!!! Será que essa gente não está pagando impostos no país de onde recebem seus rendimentos? Acho quase engraçado da maneira como o governo fala ser só um pequeno imposto! Parece quase o menino que está tentado entrar na menina e diz para deixar só a pontinha, mas todos sabemos o resto da estória! Governos explorando a pessoa que trabalhou a sua vida inteira e agora quer aproveitar um pouco de paz num lugar um pouco mais agradável! Mas a ganância é tanta que não podem deixar em paz! E certamente queira ou não queira já está pagando impostos diários em tudo que utiliza! Aprendam a governar e deixem de ser piratas á beira da estrada!
  • JP
    16 set, 2017 Lisboa 12:09
    Embora mal comparado, penso que será o mesmo que eu convidar alguém a vir a minha casa beber um copo e pedir ao convidado que traga ou subcidie a bebida.
  • S.Costa
    15 set, 2017 21:55
    Se for seguida a mesma politica de outros paises da Europa e serem taxados em "alguma coisinha" os reformados estrangeiros a residir em Portugal, porque não ? Agora ser só Portugal a taxar e aqui ao lado continuarem isentos, então bolas que fiquem por cá.