O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Enfermeiros. PCP chama ministro da Saúde ao parlamento

15 set, 2017 - 16:20

Os enfermeiros cumprem esta sexta-feira o último de cinco dias de greve nacional e juntaram aos vários protestos que têm realizado pelo país uma concentração junto à Assembleia da República.
A+ / A-

O PCP pediu, esta sexta-feira, a presença, no parlamento, do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, para prestar esclarecimentos sobre a situação dos enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde.

No dia em que termina uma semana de greve de enfermeiros, que afectou em especial os profissionais com o título de especialistas, o grupo parlamentar do PCP informou ainda, em comunicado, que reuniu com o Sindicato dos Enfermeiros, que convocou a paralisação, e o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), que marcou uma greve para Outubro.

Os comunistas querem esclarecimentos do ministro quanto à valorização profissional e social dos enfermeiros, nomeadamente dos especialistas, as desigualdades entre enfermeiros com contratos individuais de trabalho e contratos de trabalho em funções públicas, em particular a aplicação do horário de trabalho de 35 horas por semana e a reposição das horas de qualidade.

Os enfermeiros cumprem hoje o último de cinco dias de greve nacional e juntaram aos vários protestos que têm realizado pelo país uma concentração junto à Assembleia da República, à tarde.

Durante os quatro primeiros dias de greve a adesão dos profissionais tem andado em valores entre os 80 e os 90%, segundo o Sindicato dos Enfermeiros, que marcou a paralisação em conjunto com o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem.

Várias cirurgias programadas foram adiadas e muitas consultas canceladas.

Os enfermeiros reivindicam a introdução da categoria de especialista na carreira de enfermagem, com respectivo aumento salarial, bem como a aplicação do regime das 35 horas de trabalho para todos os enfermeiros, mas a Secretaria de Estado do Emprego considerou irregular a marcação desta greve, alegando que o pré-aviso não cumpriu os dez dias úteis que determina a lei.

O braço de ferro entre enfermeiros e Ministério da Saúde prolonga-se desde Julho, com a reivindicação da integração da categoria de especialista na carreira.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, deu o seu apoio ao protesto dos enfermeiros especialistas, bem como à greve convocada por dois d

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.