O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Deco aplaude corte nas tarifas de electricidade

14 set, 2017 - 12:34

O Governo quer cortar 170 milhões de euros às tarifas da luz do próximo ano.
A+ / A-

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) congratula-se com o corte de tarifas de electricidade.

De acordo com o diário "Público", o Governo quer cortar 170 milhões de euros às tarifas da luz do próximo ano, tendo publicado, na quarta-feira, em Diário da República, um despacho que declara a nulidade parcial de um diploma do anterior executivo, que permitiu às empresas de electricidade repercutirem os custos da tarifa social nas facturas dos consumidores.

"Naturalmente, como representes dos consumidores e sabendo que estes pagam muito para além do custo da energia, congratulámo-nos com o facto de estarem a ser revogadas medidas que contêm ilegalidades e que isso represente uma poupança para os consumidores", diz à Renascença a jurista da Deco Carolina Gouveia.

A Deco aplaude todas as decisões que possam ter reflexos positivos na factura dos consumidores, mas não se pronuncia directamente sobre a declaração de nulidade parcial de um diploma do anterior executivo. "Ainda não fizemos essa análise, não conhecemos o despacho em detalhe", argumenta Carolina Gouveia.

De acordo com o "Público, em causa está um valor de 100 milhões de euros que o actual Governo considera ter sido cobrado de forma ilegal nos anos de 2015 e 2016 e que beneficiaram ,em particular a EDP, mas também a Endesa. Haverá, ainda, mais 73 milhões de euros que a EDP recebeu e que o o Governo considera tratar-se de uma sobrecompensação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 14 set, 2017 aldeia 19:50
    Temos de pagar vencimentos milionários a mexias e outros e dar milhões de lucro aos chineses!.....................
  • JP
    14 set, 2017 Lisboa 18:24
    Porque não já e com a devida retroatividade. Já agora, porque continuo a pagar a taxa do áudio visual, se tenho de pagar para aceder ao serviço?.
  • Zé Espoliado
    14 set, 2017 18:00
    Ando a ser espoliado pela EDP à muito tempo , eles conseguem calar muita gente com a propaganda , ofertas e ajudas . Uma vergonha .
  • Antonio H.Fagundes
    14 set, 2017 Alfornelos 15:41
    Santa a inocencia da Deco. Então a deco acredita que vai baixar a conta da luz de alguém ... Enfim ...
  • FIlipe
    14 set, 2017 évora 13:40
    Quando acabaram com a taxa da TV de 1000$00 apareceu o imposto audiovisual , quando acabaram com taxa dos contadores apareceram esquemas nas faturas ainda mais elevados que essa taxa de aluguer e agora acabaram com o quê ? Esta hora já deve estar pronta um descritivo nas faturas que compense essa que retiraram , nunca os ricos nem o Estado fica a perder , é uma questão de Português .