O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

“Os deuses debruçam-se no parapeito da escada” na Casa Fernando Pessoa

14 set, 2017 - 09:21

São mostrados trabalhos de 18 artistas, numa exposição onde é também contada "um pouco da história da Casa Fernando Pessoa".
A+ / A-

A exposição “Os deuses debruçam-se no parapeito da escada”, que reúne obras que “captam a expressão, o movimento, os lugares ou as palavras” de Pessoa, pode ser vista na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa.

“Saídas das reservas da Casa Fernando Pessoa, são mostradas à luz do dia peças que captam a expressão, o movimento, os lugares ou as palavras de Pessoa”, da autoria de artistas como Júlio Pomar, Costa Pinheiro, Manuel Amado, Jorge Martins, Ana Hatherly e Almada Negreiros, que representam “diferentes abordagens à figura do poeta ou à matéria do poema”, referiu a Casa Fernando Pessoa em comunicado.

No total serão mostrados trabalhos de 18 artistas, numa exposição onde é também contada “um pouco da história da Casa Fernando Pessoa desde a sua abertura, em 1993, e mostram-se obras recentemente doadas”.

O programa da Casa Fernando Pessoa para os próximos dois meses inclui também, nos dias 13 e 14 de Outubro, as últimas sessões do programa “Fixando breve o momento”, integrado na programação de Passado e Presente - Lisboa, Capital Ibero-Americana da Cultura 2017.

Nesses dois dias, cronistas da Argentina (Leila Guerriero e Graciela Mochkofsky), do Brasil (Fernando de Barros) e do Peru (Julio Villanueva Chang) juntam-se para falar sobre crónicas e o mundo.

Para dia 13 está marcada uma mesa redonda, moderada pelo jornalista Adelino Gomes, enquanto no dia seguinte decorrerão leituras com sonoplastia ao vivo. As duas iniciativas começam às 18h30 e têm entrada livre.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.