O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Tecnoforma. Arquivado processo que envolvia Passos e Relvas

13 set, 2017 - 21:19

Segundo comunicado, “parte dos factos (…) já se encontravam prescritos”. Por outro lado, "não existem elementos probatórios suficientes que permitam concluir que a Tecnoforma tenha, de algum modo, sido favorecida, lícita ou ilicitamente”.
A+ / A-

O Ministério Público arquivou o caso “Tecnoforma”, que envolvia Pedro Passos Coelho e Miguel Relvas. A informação foi avançada pelo Observador e confirmada por um comunicado do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).

O processo era por suspeitas de corrupção, abuso de poder, participação económica e prevaricação, através da empresa Tecnoforma.

Segundo o despacho, “parte dos factos (…) já se encontravam prescritos três anos antes do seu conhecimento público e da abertura do inquérito pelo Ministério Público”.

O Ministério Público concluiu que "não existem elementos probatórios suficientes que permitam concluir que a Tecnoforma tenha, de algum modo, sido favorecida, lícita ou ilicitamente, pela Secretaria de Estado da Administração Local".

No que respeita à utilização de fundos comunitários em acções de formação desenvolvidas pela Tecnoforma no âmbito do Programa Foral, também o DCIAP entendeu não existirem "elementos que permitam imputar à Anafre e à Tecnoforma a prática dolosa de qualquer conduta dirigida a defraudar o património da União Europeia".

"Não permitindo a matéria factual apurada concluir pela existência de conduta criminal, foi determinado o arquivamento dos autos, sem que houvesse lugar à constituição de arguidos", conclui o despacho.

O inquérito foi aberto por ordem da então directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Cândida Almeida, depois de várias notícias na comunicação social darem conta de alegados favorecimentos à empresa Tecnoforma, ligada a Passos Coelho. Os crimes teriam acontecido quando Miguel Relvas era secretário de Estado da Administração Local, entre 2002 e 2004, mas o inquérito só foi aberto em 2012, era Passos Coelho primeiro-ministro.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • o ar
    15 set, 2017 port 13:37
    de comprometimento e de gozo de certos figurões é bem elucidativo e denunciam a trama da cumplicidade!...Quem vê caras não vê corações, mas também não se acredita em bruxas, mas que as há, há!...
  • Maria Martins
    14 set, 2017 Lx 17:19
    A justiça é charmosa defende sempre quem "olha e luta pelo País" Por isso é que estamos tão bem!!!!
  • Jorge
    14 set, 2017 Seixal 15:49
    Mais dois elementos do bando que andou a saltear os Portugueses a safarem-se à justiça com leis criadas por eles próprios.
  • Eborense
    14 set, 2017 Évora 12:29
    Mas que justiça é esta? Arquivam este caso gravíssimo da Tecnoforma e não arquivam o processo do Zézito e do Vara, porquê? Neste País já nem se pode ter um amigo que nos empreste meia dúzia de cêntimos, nem ter uma filha na conta da qual se possa depositar uns trocos. Será que a justiça só vê os inocentes do rosal e não vê os criminosos do laranjal?
  • Eborense
    14 set, 2017 Évora 12:29
    Mas que justiça é esta? Arquivam este caso gravíssimo da Tecnoforma e não arquivam o processo do Zézito e do Vara, porquê? Neste País já nem se pode ter um amigo que nos empreste meia dúzia de cêntimos, nem ter uma filha na conta da qual se possa depositar uns trocos. Será que a justiça só vê os inocentes do rosal e não vê os criminosos do laranjal?
  • DR XICO
    14 set, 2017 LISBOA 12:17
    Justiça cega com olhos vendados com rendas de bilros ... SEMPRE OS MESMOS
  • mendes
    14 set, 2017 braga 11:31
    porque sera que so pessoas do psd do ps e cds e que sao acussadas e investigadas e nunca pessoas do pcp e be ----ha ja sei e porque estes fazem tudo em nome dos trabalhadores dos partidos e da cgtp e nunca em nome pessoal kkkkkkkkkkkkkkkkk
  • 14 set, 2017 aldeia 09:14
    Porque será que este tipo de processos,prescrevem sempre e são sempre arquivados? Não é estranho?
  • Jonas
    14 set, 2017 Cacém 00:17
    Pois, pois. Arquivado por ter passado o prazo. Sabem muito os meninos do laranjal.
  • luis faez
    13 set, 2017 sintra 23:26
    Tudo gente séria...depois de prescrever tudo...grande PSD...o Sá Carneiro anda ás voltas na tumba, pobre coitado.