O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

PCP admite como “possibilidade real” a abolição do corte de 10% no subsídio de desemprego

13 set, 2017 - 20:58

Jerónimo de Sousa está optimista em relação ao que são os 'assuntos chave' reclamados pelos comunistas.
A+ / A-

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, admite ser "uma possibilidade real" a integração no Orçamento do Estado para 2018 da abolição do corte de 10% no subsídio de desemprego.

"Em relação ao corte dos 10% creio que as coisas estão bem encaminhadas. É uma possibilidade real", afirmou o líder comunista no final de uma arruada de apoio ao candidato da CDU à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Mário David Soares.

Questionado sobre as negociações com o Governo do OE 2018, Jerónimo de Sousa mostrou-se optimista em relação ao que são os 'assuntos chave' reclamados pelos comunistas.

"Da nossa parte ainda estamos numa fase de exame comum. Desde 2015 que andámos a lutar para pôr fim a um corte inaceitável e injusto para os desempregados, vítimas de um corte de 10% no subsídio de desemprego ao fim de uns certos meses de desemprego", disse.

Da parte do Governo, afirmou, "houve uma abertura e consideração positiva em relação a essa matéria".

Por isso, acrescentou, se o PS mantiver essa posição "será mais um passo na valorização dos direitos e rendimentos dos desempregados".

Escusando-se a traçar cenários de desacordo com os socialistas nesta matéria, Jerónimo de Sousa argumentou que "neste processo e nesta fase de exame comum não cabe o tudo ou nada" e defendeu que a "persistência, determinação e a razão acabam sempre por prevalecer".

Como exemplo, Jerónimo de Sousa lembrou a "luta de dois anos" pelo aumento das pensões e das reformas e a questão da gratuitidade dos manuais escolares para as crianças do 1.º Ciclo como "fruto da persistência" comunista.

"É neste quadro que estamos, continuando nesta linha de reposição de rendimentos e de direitos que, tal como o Governo assumiu, permitiu uma evolução da nossa economia no sentido positivo, logo é um caminho a aprofundar e não a ser interrompido", sublinhou.


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Leonel
    14 set, 2017 Lisboa 06:46
    Jerónimo está um bocadinho gasto. Do topo das rugas, lá vai proclamando que tudo se deve a ele. Os outros, nada...Está aflito com as eleições...Qualquer dia alguém repara que só tem perdido votos, que cada vez tem menos deputados, que já não tem um inteletual, um escritor, um artista, um cientista, a apoiá-lo. Ele é o maior...
  • Pedro
    13 set, 2017 Porto 22:44
    Linda foto; estes parolos destes jornalistas devem pensar que está aqui o Messias....enfim.....
  • Santo
    13 set, 2017 Setúbal 22:15
    Concordo.Então e os que foram lesados nos últimos anos de vigência destes 10%? Depois 13,2% na reforma.Mais uma vez paciência...não é justo, Bem haja Catarina Martins que continua a lutar para a reposição dos 13% de penalização nas reformas.Força.
  • verdade
    13 set, 2017 aveiro 22:14
    Ainda bem que alguém se lembra das crianças com entrega de manuais, ao contrário de Municípios que esquecem as crianças para gastar verbas exorbitantes em festanças sem interesse local e da própria Cultura.
  • jorge
    13 set, 2017 cuba 22:05
    bla, bla, bla...