O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Resultados provisórios em Angola: 64,57% dos votos para MPLA

24 ago, 2017 - 16:59

O partido de João Lourenço lidera a contagem oficial. Segue-se a UNITA (24,4%) e a CASA-CE (8,56%). MPLA vence em quase todos os círculos provinciais nas eleições de quarta-feira. Dados são ainda provisórios.
A+ / A-

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) alcançou 64,58% dos votos nas eleições desta quarta-feira em Angola, quando estão escrutinados os votos de 5.938.853 dos 9.317.294 eleitores inscritos, anunciou em Luanda a Comissão Nacional Eleitoral.

Estes são os primeiros resultados provisórios conhecidos das eleições gerais realizadas quarta-feira, que vão definir a nova composição do Parlamento e o chefe de Estado.

A confirmar-se esta tendência, João Lourenço deverá tornar-se o terceiro Presidente de Angola, sucedendo a José Eduardo dos Santos, também do MPLA.

Há ainda um conjunto de mais de 1.300 eleitores, de três províncias, que só vão poder votar este sábado, anunciou a Comissão Nacional Eleitoral.


Resultados provisórios após escrutínio de 63,74% dos votos e 65,53% das mesas:

  • MPLA: 64,57%
  • UNITA: 24,4%
  • CASA-CE: 8,56%
  • PRS: 1,37%
  • FNLA: 0,95%
  • APN: 0,52%
  • Votantes - 4.562.969 (76,83%)
  • Abstenção - 1.375.884 (23,17%)
  • Votos válidos: (95,11%)
  • Votos brancos: 129.917 (2,85%)
  • Votos nulos:81.384 (1,78%)


"Eleições livres e justas"

Os ex-Presidentes de Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, na qualidade de observadores internacionais, consideram "pacíficas, livres, justas e transparentes" as eleições gerais em Angola.

Numa declaração conjunta realizada esta quinta-feira, Joaquim Chissano, Pedro Pires, Manuel Pinto da Costa e José Ramos Horta, exortaram os angolanos a aguardarem "com calma e serenidade pelos resultados finais das eleições".

MPLA já tinha cantado vitória

O MPLA já tinha anunciado esta manhã ter a " maioria qualificada assegurada" e a eleição de João Lourenço para Presidente da República.

O vice-presidente da UNITA, Raúl Danda, contestou o anúncio de vitória do MPLA nas eleições gerais angolanas, exortando a Comissão Nacional Eleitoral "a ter a coragem de divulgar os resultados provisórios reais" que vão chegando aos partidos.

"Não sei de onde o MPLA está a tirar este resultado. Nós estamos a falar daquele que é o resultado real, e que estamos à espera que a CNE tenha coragem de divulgar. Não sabemos porque não o fez até agora", disse à agência Lusa Raúl Danda.

A UNITA afirmou que os resultados que lhe estão a chegar contradizem o anúncio da MPLA e anunciou que os dados obtidos pelo seu centro de escrutínio das eleições gerais, com dois milhões de votos apurados, apontam para uma desvantagem de sete pontos percentuais para o MPLA.

[Notícia corrigida às 17h20. Valores da votação corrigidos]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vitor Lopes
    25 ago, 2017 Cacém 03:50
    Estes regimes de esquerda deviam virar monarquias. Angola governa José dos Santos mais a filha e alguns amigos. Na coreia do norte o King Kong Un herdou o poder do pai que, o herdou do avô. Em Cuba não passa dos irmãos Castro... E o Bloco de Esquerda não acha legitimo que os reis de espoanha não representem o seu povo?? Ora..
  • Ezequias Capalo Saca
    24 ago, 2017 luena-Moxico 21:24
    Agradeço pela forma que o nosso Deus ouviu as nossas súplicas, o MPLA, deve ganhar, para que o nosso candidato João Lourenço, governa esta nação, rogo que Deus o capacite, ricamente, lhe dê misericórdia para com o povo Angolano.