O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
Eleições em Angola

MPLA fala em “vitória inequívoca” e “praticamente incontornável” nas eleições

24 ago, 2017 - 09:45

Os angolanos foram chamados a escolher um novo Parlamento e o sucessor de Eduardo dos Santos, que esteve 38 anos no poder. João Lourenço poderá ser a pessoa que se segue.
A+ / A-

Veja também:


O MPLA, partido que tem estado no poder em Angola, já fala em vitória eleitoral. Gil Martins, secretário do partido para os assuntos políticos e eleitorais, sublinha que, a manterem-se as projecções, a vitória do Movimento Popular de Libertação de Angola será “inequívoca”.

“A vitória do MPLA é praticamente incontornável, está-se a consolidar em termos numéricos e cremos que nas próximas horas poderemos começar a anunciar os números ansiados pelos cidadãos”, afirmou à Rádio Nacional de Angola, no final de uma reunião da direcção do partido.

“O MPLA está cada vez mais confiante e com maior certeza, depois de ter feito uma apreciação preliminar dos resultados que os seus delegados de lista forneceram ao centro coordenador da campanha e que estiveram em apreciação pela direcção do partido”, acrescentou.

O candidato do partido é João Lourenço, até aqui ministro da Defesa. Na opinião do Superior Provincial da Congregação dos Missionários do Espírito Santo em Portugal, padre Tony Neves, que nos últimos anos se deslocou a Angola várias vezes, João Lourenço pode ser a pessoa certa para liderar os destinos do país.

“Tem uma esposa que é excelente em questões de economia e finanças [é funcionária do Banco Mundial] e tem, sobretudo, uma imagem muito positiva dentro de um quadro muito corrupto de governação”, começa por justificar nas declarações à Renascença.

“Creio que terá algumas condições para poder fazer algumas reformas. Li com algum cuidado o programa de Governo e uma das coisas que fala é a diversificação da economia. É absolutamente necessária”, defende ainda o padre Tony Neves.

As eleições decorreram na quarta-feira e a afluência foi na ordem dos 80%. Esta quinta-feira, a Comissão Nacional Eleitoral deve avançar com os primeiros resultados da votação, que envolve a eleição directa do Parlamento e indirecta do Presidente da República, que será o cabeça-de-lista do partido mais votado.

Bonga espera que MPLA não tenha “a maioria absoluta ridícula dos últimos anos”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CLEPTOCRACIA IMUNDA
    24 ago, 2017 Lx 10:43
    A ditadura marxista apoiada pelo PCP de Portugal continuará e a roubalheira da nomenclatura também. Assim se vê que Angola vai continuar a ser um país adiado, cujos dirigentes roubam o seu povo e isto a coberto de um partido comunista comandado pelo MPLA e suportado pelos kamaradas Jerónimos e sua troupe em Portugal.Lamentável e fico com imensa pena do povo angolano pois nem sequer se respeitam as liberdades cívicas naquele país...