O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Escola sob investigação após passar alunos chumbados

21 ago, 2017 - 06:52

A denúncia partiu de um professor depois de os estudantes reprovados aparecerem nas pautas com classificações de 11, 14, 15, 17 e 19.
A+ / A-

Sete alunos da Escola Professor Gonçalo Sampaio, na Póvoa de Lanhoso, com notas negativas passaram com 11, 14, 15, 17 e 19 valores. O caso está a ser investigado pelo Ministério Público após a denúncia de um professor.

As alterações de notas envolvem estudantes do 9.º ano dos cursos vocacionais de Design e Tecnologia, avança o "Jornal de Notícias". Em causa estão pelo menos sete alunos que tinham sido chumbados pelo docente da disciplina de Geografia, mas que surgiram aprovados nas pautas. Um deles até ficou com 19 (em 20) valores, após intervenção do Conselho Pedagógico da instituição de ensino.

Depois de reclamar junto dos órgãos escolares e do Ministério da Educação, o docente queixou-se ao Ministério Público.

Segundo os documentos, a que o jornal teve acesso, o professor acusa a escola de ter alterado as notas “sem o avisar e sem justificar a decisão”. Esta situação também aconteceu na disciplina de Inglês, mas a docente não reclamou.

O denunciante diz que depois de um processo estranho, alegadamente pedido pelos pais, houve repetição de provas fora dos prazos legais, permitindo que dois dos alunos conseguissem uma certidão de aprovação tendo ingressado na Escola Profissional da Associação em Diálogo.

Segundo a notícia, o motivo invocado para a passagem do secundário foi o de serem alunos com necessidades especiais.


[notícia corrigida em relação ao nome da escola]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • KanKan
    22 ago, 2017 alhobaixo 14:56
    Temos um ensino de farsa!! Hoje os professores sao coagidos a não reprovarem ninguém. Raramente algum aluno reprova nos 1º,2º e 3º ciclos do básico. Até hoje só um aluno reprovado porque nunca pôs os pés na escola e mesmo assim tudo foi feito para passar. No secundário temos uma situaçao quase semelhante e só esbarram nos exames nacionais, mas como o ensino é focado em resolver questões tipo a taxa de reprovaçoes nao reflecte o verdadeira natureza dos conhecimentos gerais dos alunos que se fossem confrontados com questões de âmbito mais alargado e questões envolvendo demonstrações o baile seria outro.
  • Kankan
    22 ago, 2017 belomolho 14:45
    Mas isto já há muito tempo que se verifica. Comigo aconteceu, em 2010, quando tive alunos do 12ºano e reprovei 4 ou 5 alunos e na reunião de turma mantive as reprovações, mas o director de turma insistiu e pressionou ao ponto de me ameaçar com o conselho directivo caso não alterasse as notas para passarem pois eram alunos que tinham nota elevada em ginástica. Os alunos acabaram por nota positiva e passaram. Outra situação é dar notas elevadas aos alunos para terem médias altas no acesso ao ensino superior, mas isto já existe há dezenas de anos, enfim uma farsa!!
  • Vitor Mateus
    22 ago, 2017 Lisboa 10:31
    Alunos do 9. ano com classificações de 0 a 20? Estranho!!!...
  • Bela
    21 ago, 2017 Coimbra 23:35
    Esta informação não traz nada de novo. Há tantos anos que existem alunos a passar de ano sem estarem devidamente preparados. Pessoalmente, conheço alguém que completou o 9º ano, com imensas faltas e fraco aproveitamento escolar. Na época, 2006, alegaram que não ser retido porque iria completar os 18 anos nesse ano. Após Abril de 74, muito aluno transitou de ano sem o aproveitamento adequado e isso não os impediu de serem médicos, engenheiros e seguir a carreira política. Actualmente, aqueles que muito estudam e têm bom aproveitamento, são os que têm menos probabilidades de conseguir trabalhar na área desejada, a não ser que emigrem.
  • Isabel
    21 ago, 2017 Lisboa 21:18
    Mas isto sempre aconteceu...parabéns sr professor!o problema é que provavelmente nunca mais vai arranjar trabalho.
  • Jorge
    21 ago, 2017 Maia 19:55
    Infelizmente os professores actuam de duas maneiras ate ao 9 ano deixam passar todos os alunos do nono para a frente deixam passar quem der alguma coisa em troca ou seja se os pais derem prendas ou andarem a rastejar atras deles outra coisa e os alunos chegarem atrasados uns minutos e levarem falta coisa que nao acontece com os professpres que estao na conversa uns com os outros e quando chegam a sala de aula ja passou mas de 15 minutos temos uma escola pessima
  • Jorge
    21 ago, 2017 Seixal 19:41
    Será que são da família do Relvas?
  • Silvana Cerqueira
    21 ago, 2017 Pedrouços -Maia 19:17
    Qual é o espanto por esta noticia?? Tenho conhecimento destas situações à mtos anos no dito ensino regular. Na turma do meu filho do 9° ano, alunos q andaram o ano lectivo todo com 6 e 7 negativas transitaram de ano. Agora expliquem-me como. Como disse a directora de turma, o conselho de turma foi mto benevolente. Logo na altura lhe expressei o meu descontentamento chegando mesmo a dizer-lhe q tinha sido uma palhaçada. Aqueles alunos q estudam e se esforçam para tirar boas notas sentem-se defraudados com esta situação. Foi apenas um desabafo. Obrigada Cumprimentos Silvana Cerqueira
  • Gajo do Tinder
    21 ago, 2017 Lx 18:24
    No meu tempo de liceu (há uns 20 anos) o caseirismo dos professores da terra fazia com que tipos com testes de 6, 7 e 8 valores a matemática o ano todo tivessem 10 no final.... uma pouca vergonha...
  • prof indignada
    21 ago, 2017 xxx 15:27
    Já há muitos anos que sofremos pressões das direções, oriundas do estado e da união europeia para apresentarmos resultados positivos. Se tal não acontecer, cortam-nos na nossa avaliação, o que se reflete em consequências gravosas nas carreiras de contratados, ou efetivos tendo de prestar provas infinitas como se fossemos sempre estagiários e não soubéssemos dar aulas. tudo porque os meninos estão ali contrariados e não querem fazer esforço algum. E porquê? Porque já se habituaram ao facto se serem cursos que lhes garantem a passagem sem fazerem esforço algum e sabem perfeitamente que nós professores estamos ali totalmente de "asas cortadas". Gozam connosco, portam-se mal, não levam materiais, recebem subsídios para tudo, danificam cadeiras, mesas, materiais que lhes são fornecidos e ainda passam sem saberem nada, e efetivamente com notas muito altas, não entendo porquê! Quando me cabe a mim, tenho muito trabalho, mas têm de repetir teste após teste, exame após exame, até ao limite previsto como razoável... pelo menos faço-me difícil. Não ponho em risco a minha carreira mas não os passo à terceira se não merecerem.