A+ / A-

Partidos prevêem gastar quase 35 milhões nas autárquicas

16 ago, 2017 - 22:56

PS tem o maior orçamento, seguido de PSD e CDU.
A+ / A-

Os partidos prevêem gastar quase 35 milhões de euros na campanha para as autárquicas de Outubro, com o PS a apresentar o orçamento mais elevado, cerca 15 milhões de euros, enquanto o PSD estima gastar cerca de nove milhões.

De acordo com os orçamentos entregues pelos partidos e coligações eleitorais disponibilizados esta quarta-feira no site da Entidade das Contas e Financiamento dos Partidos, nos 287 municípios onde o PS concorre sozinho, os socialistas deverão gastar cerca de 14,76 milhões de euros.

Porto e Vila Nova de Gaia são as autarquias onde o PS apresenta um orçamento maior, com a candidatura socialista de Manuel Pizarro na Invicta a prever gastar cerca de 360 mil euros. Em Vila Nova de Gaia, o PS contabiliza despesas de cerca de 303 mil euros, enquanto para Lisboa estão orçamentados 249 mil euros.

Na Maia, concelho onde o PS se apresenta coligado com o Juntos pelo Povo, e no Funchal (ilha da Madeira) onde os socialistas se juntam ao BE, Juntos pelo Povo, Partido Democrático Republicano e Nós, Cidadãos!, os orçamentos apresentados são de 249 e 150 mil euros, respectivamente.

O PSD irá concorrer sozinho às eleições autárquicas de 1 de Outubro em 190 municípios, prevendo gastar nestes concelhos cerca de 4,9 milhões de euros, com a maior 'fatia' reservada para a candidatura de Teresa Leal Coelho em Lisboa, com cerca de 179 mil euros.

No entanto, devido às coligações em cerca de uma centena de municípios, as contas da campanha do PSD sobem para cerca de 8,8 milhões de euros, segundo números fornecidos pelo partido.

No Porto, os sociais-democratas irão às urnas com o PPM e a candidatura de Álvaro Almeida prevê despesas de 350 mil euros, menos dez mil do que o candidato do PS.

Em Braga, o PSD junta-se a CDS-PP e PPM na recandidatura de Ricardo Rio, o orçamento de campanha é de 306 mil euros.

CDU tem o terceiro maior orçamento

Nos 304 municípios onde o PCP apresenta candidaturas concorre sempre coligado com o partido ecologista Os Verdes (a CDU - Coligação Unitária Democrática), devendo gastar cerca de 7,2 milhões de euros.

É no Seixal que a CDU apresenta a maior 'fatia', 155 mil euros. As campanhas eleitorais mais dispendiosas de comunistas e ecologistas, além do Seixal, irão realizar-se em Almada (130 mil euros), Loures (120 mil euros), Vila Franca de Xira (115 mil euros), Setúbal (110 mil euros) e Lisboa (100 mil euros).

O Bloco de Esquerda (BE) irá concorrer sozinho a 131 autarquias, tendo orçamentado 1,3 milhões de euros.

A maior despesa prevista pelos bloquistas é para Lisboa, pouco mais de 90 mil euros, seguida do Porto, com mais de 57 mil euros.

O CDS-PP orçamentou cerca de um milhão de euros para as campanhas dos 144 municípios onde se apresenta às urnas sozinho. O partido prevê gastar mais no Funchal, para onde foi apresentado um orçamento de cerca de 60 mil euros.

Em coligação, os democratas-cristãos concorrem a mais algumas dezenas de autarquias, nomeadamente em Lisboa, onde a líder do partido, Assunção Cristas, deverá gastar, juntamente com o Partido da Terra e o Partido Popular Monárquico, quase 100 mil euros.

Os Juntos pelo Povo (JPP) só irá concorrer em cinco autarquias, mas tem um orçamento global de 317.153 euros.

O PAN (Pessoas-Animais-Natureza) irá concorrer a 32 municípios e deverá gastar cerca de 87 mil euros na campanha. O maior orçamento é para a candidatura a Lisboa, com mais de 22 mil euros de despesas orçamentadas.

O Nós, Cidadãos! só irá concorrer a 12 municípios, com um orçamento global de cerca de 188 mil euros. Para a candidatura de Espinho estão previstas despesas de cerca de 102 mil euros.

O Partido Democrático Republicano (PDR) apresenta candidaturas para oito autarquias e orçamentou para as campanhas eleitorais cerca de 64 mil euros.

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) estima gastar cerca de 39 mil euros nos 18 municípios onde se vai candidatar.

O Partido Trabalhista Português (PTP) candidata-se a 23 autarquias e tem um orçamento de cerca de 40 mil euros, enquanto o Partido da Terra (MTP) irá concorrer em 15 municípios e gastar 6.600 euros.

O Partido Nacional Renovador (PNR) concorre em 13 concelhos e tem um orçamento global de 14.600 euros, enquanto o Livre apresenta candidaturas a apenas três municípios e deverá gastar pouco mais de cinco mil euros.

O Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP) só irá candidatar-se a Lisboa e a Carregal do Sal, tendo apresentado uma previsão de despesas de pouco mais de seis mil euros.

O Movimento Alternativa Socialista (MAS), que só se candidata a Barcelos e apresentou o orçamento fora do prazo, prevê gastar 2.200 euros.

O Partido Cidadania e Democracia Cristã (PPV/CDC) também só apresenta candidatura ao município do Porto, com um orçamento de cinco mil euros.

O Partido Popular Monárquico (PPM) concorre sozinho a apenas dois municípios -- Arouca e Ponte de Lima -- e orçamentou para essas duas campanhas eleitorais 1.300 euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rui
    19 ago, 2017 Lisboa 23:59
    Um investimento a curto-medio prazo, estes "donativos" ficam imediatamente disponíveis na conta à ordem e depois é só coletar os dividendos e mais ainda com a vantagem de ter risco zero AH nem o salgado fazia melhor salvo seja.
  • Lindo
    17 ago, 2017 Porto 23:51
    e mais... Sempre gostava de ver todos os partidos a abdicarem da verba no total e apoiarem. Todos os portugueses deveriam de apresentar uma petição para isso. Numa altura em que Portugal pede apoios e vai receber verbas da Europa, é puramente ABSURDO gastar-se verba absurda nas campanhas. Vê-se logo que temos bons governantes financeiros. Se calhar o Zé da tasca é capaz de saber governar melhor.
  • Jorge
    17 ago, 2017 lisboa 17:45
    Näo é com esse dinheiro que vão levar os portugueses às urnas. Vai votar na mesma quem quer votar sem ser preciso gastar tanto. Excepcionalmente, deviam dar todo esse dinheiro aos lesados dos incêndios. Quem vai estar de acordo? Certamente que esses lacaios de políticos que temos não vão estavam de acordo mas, não sabem o que perdem...Väo gastar gasolina e encher a pança com almoços e jantares, apenas para se beneficiarem a eles mesmos. Uma vergonha gastar tanto dinheiro depois do que se esta a passar com tanto incêndio.
  • Eborense
    17 ago, 2017 Évora 16:40
    Se não fosse o PS a gastar mais dinheiro, até Jesus Cristo se admirava! Só que quando acabar, venham outros arranjar mais!
  • atento
    17 ago, 2017 mira 12:15
    Basta reparar no dinheiro que esta gente gasta em campanhas, para se ver o quanto estes gajos apanhando o poleiro não vão roubar ao povo.
  • Maria Manuela Nunes
    17 ago, 2017 Queluz 09:49
    É uma imoralidade o que se gasta nestas campanhas. Já toda a gente os conhece. Basta ir lá no dia e votar. O dinheiro faz mais falta noutros sítios! Atente-se ao que se está a passar no país!
  • Portugues Atento
    17 ago, 2017 Porto 03:55
    Esse dinheiro tinha mais utilidade se fosse para os Bombeiros. Esses sim, agora jantaradas, etc, etc. para quê. Cada vez mais a maioria dos portugueses deixa de ir votar, e porquê. Simples. Nada fazem a bem da Nação e do Povo. NADA. metam os olhos no SR. Presidente da Républica, esse sim, junta-se aos portugueses e se ele concorrer a novas eleições, de certeza que as abstenções vão ser menores. Agora partidos, esses só ao longe. É só vê-los. Um ataque daqui, outro ataca dali. Resolução dos problemas ZERO.
  • Bela
    16 ago, 2017 Coimbra 23:44
    Quem vai votar sabe de antemão em quem o fazer. Por isso os partidos em vez de gastarem o dinheiro que lhes irá ser colocado à disposição em campanhas, que se resumem sempre a promessas, deveriam utilizá-lo para ajudar as pessoas que tem perdido os seus bens, casas e animais nos inc~endios.