O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Incêndios. Algumas pessoas retiradas de Dornes

13 ago, 2017 - 17:31

Chamas também estão em Figueiró dos Vinhos e em Parada do Pinhão.
A+ / A-

O incêndio que lavra em Ferreira do Zêzere, distrito de Santarém, obrigou à retirada de algumas pessoas de Dornes, e, em Figueiró dos Vinhos, arde a única freguesia que tinha resistido no incêndio de Pedrógão Grande.

O incêndio de Ferreira do Zêzere obrigou à retirada de "algumas pessoas" na aldeia de Dornes, face à passagem das chamas pela localidade, disse à agência Lusa a adjunta nacional de operações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, sublinhando que este fogo e o que começou no concelho vizinho de Alvaiázere eram "os mais problemáticos", às 16h30.

Operacionais tiveram de proceder "à defesa perimétrica de habitações" nas localidades de Vale do Prado e Brejo, no concelho de Figueiró dos Vinhos, face ao avanço do fogo que começou em Alvaiázere, distrito de Leiria. "Não foi preciso retirar pessoas", acrescentou Patrícia Gaspar.

O fogo que deflagrou em Alvaiázere na sexta-feira voltou a ganhar intensidade no concelho vizinho de Figueiró dos Vinhos, lavrando na Arega, "única freguesia que tinha sido poupada" no grande incêndio de Pedrógão Grande, em Junho, sublinhou o chefe de gabinete da autarquia, Gonçalo Brás.

"É a última mancha florestal do concelho que está a arder. Já tínhamos perdido mais de dez mil hectares. Agora, não sei quanto vai arder. É complicado", lamentou Gonçalo Brás.

Os incêndios que começaram em Alvaiázere e Ferreira do Zêzere são combatidos, cada um, por mais de 300 operacionais, tal como o incêndio que continua a lavrar em Miranda do Corvo, distrito de Coimbra.

Este fogo, que começou em Torres do Mondego, Coimbra, e que passou para Miranda do Corvo, "avança rapidamente com muitas projecções", disse à Lusa fonte da autarquia de Miranda do Corvo, sublinhando que, para além deste incêndio que lavra no norte do concelho, surgiu, perto das 16h00, outro foco de incêndio a sul, que arrancou "com grande força".

De acordo com a página da Protecção Civil, esse segundo incêndio começou na localidade de Barbéns e já mobiliza 52 operacionais e dez veículos.

Já um incêndio em Parada do Pinhão, concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, lavra em várias frentes e mobiliza dois meios aéreos e 180 operacionais para o combate às chamas, de acordo com a Protecção Civil.

O incêndio que deflagrou às 12h59 consome uma área rural e de mato e tem mobilizados dois helicópteros no combate às chamas.

Os 180 operacionais têm no terreno a ajuda de 42 meios terrestres.

Na região norte os bombeiros combatem também um incêndio em Miranda do Douro, Bragança, que mobilizava pelas 17h00 um total de 90 operacionais, 26 meios terrestres e dois meios aéreos, um helicóptero e um avião.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.