O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Derrame de petróleo ameaça praias do Kuwait

13 ago, 2017 - 17:00

A origem da fuga e a sua dimensão não foram divulgadas oficialmente.
A+ / A-

As autoridades do Kuwait estão a tentar controlar um derrame de petróleo na sua costa sul, que sujou as praias e ameaça danificar centrais eléctricas e estações de água.

"Equipas de emergência estão a tentar circunscrever uma maré negra perto do complexo petrolífero de Ras al-Zur" no sul do Koweit, indicou Talal al-Khaled, porta-voz da empresa Kuwait National Petroleum, num comunicado divulgado pela agência oficial KUNA.

O complexo encontra-se perto do campo 'offshore' de Al-Khafji, explorado conjuntamente pelo Kuwait e pela Arábia Saudita nas águas do Golfo.

A origem da fuga e a sua dimensão não foram divulgadas oficialmente, mas media locais indicaram que, segundo especialistas, o petróleo vem de um velho oleoduto submarino do Al-Khafji.

Segundo esses media, o equivalente a 35 mil barris de petróleo extravasou para as águas ao largo de Ras al-Zur, onde o Kuwait pretende construir uma refinaria, uma instalação petroquímica e uma fábrica de liquefacção de gás natural.

A maré negra obrigou as autoridades a encerrarem duas centrais que produzem electricidade e dessalinizam a água do mar, para evitar uma contaminação.

Khaled al-Hajeri, presidente da organização ambiental koweitiana sem fins lucrativos Green Line Society, criticou o Governo por não ter divulgado "a gravidade do desastre" e avisado a população, adiantando que a organização responsabiliza-o por quaisquer efeitos na saúde que o derrame possa ter.

Segundo Al-Hajeri, o derrame começou há já alguns dias e os activistas do seu grupo informaram as autoridades sobre o mesmo a 10 de Agosto.

A Arábia Saudita e o Bahrein indicaram que a maré negra não atingiu as suas águas territoriais, precisando Riade num comunicado divulgado pela agência oficial SPA que, ainda assim, lançou um plano de acção de emergência e está a realizar inspecções aéreas à zona.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.