O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Incêndio de Abrantes. 40 feridos e dezenas de pessoas retiradas de casa

13 ago, 2017 - 13:54

Fogo de Tomar já está em resolução.
A+ / A-

Quarenta feridos e dezenas de pessoas retiradas das suas casas desde que o fogo em Abrantes começou, na quarta-feira, é o balanço feito pela Protecção Civil, que revela que o incêndio em Tomar foi dado como dominado às 12:30.

Em declarações à agência Lusa, a adjunta nacional de operações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, afirmou que, às 13:20, eram cinco os incêndios mais preocupantes: Mealhada, Alvaiázere, Ferreira do Zêzere, Coimbra e Castelo Branco.

O incêndio em Tomar, que lavrava há 20 horas, foi dado como dominado às 12h30, embora os meios de mantenham de prontidão, tendo em conta o risco de reactivação.

Desde quarta-feira, altura em que começou o fogo em Abrantes, seguido de outras ocorrências em vários concelhos, dezenas de pessoas foram retiradas das suas casas por causa das chamas.

Segundo Patrícia Gaspar, o incêndio em Coimbra obrigou à retirada de 40 pessoas, que, entretanto, já regressaram às suas habitações.

O fogo na Mealhada, distrito de Aveiro, obrigou à retirada de 16 idosos, e em Ferreira do Zêzere, distrito de Santarém, também se registaram pessoas deslocadas.

Em Tomar, as chamas obrigaram à retirada de cerca de 80 pessoas das suas casas situadas em várias localidades.

No Louriçal, distrito de Castelo Branco, foi evacuada uma unidade hoteleira, além de residentes de casas em nove localidades.

Desde quarta-feira que os fogos já causaram 40 feridos - entre bombeiros e civis -, dos quais apenas um com alguma gravidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    13 ago, 2017 Leiria 20:11
    A "estratégia" de António Costa em 2005 enquanto ministro da Administração Interna, com a criação da ANPC ( Deus nos livre de tal gente), a eliminação dos guardas florestais, compra do SIRESP, compra dos KAMOV, está a dar os seus frutos. Todavia os médias, miseravelmente, digo eu, continuam a dar "cobertura" a tal personagem. A edição do expresso (irmão de Costa) é um autentico atentado. A última "razia" no comando da ANPC é a prova "provada" que a entidade parece ter sido criada para "boys" e não para profissionais. Agora, pergunto: O que é preciso mais acontecer para pedirmos contas a Costa? Até quando ela goza de imunidade que lhe é concedido pelos média? Vamos ver.