O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Provas físicas deixam de ser obstáculo para candidatos ao Exército

13 ago, 2017 - 11:50

Tenente-coronel Vicente Pereira explica que a medida "será reavaliada anualmente" e não prejudica a qualidade da formação.
A+ / A-

As provas físicas de classificação e selecção exigidas aos candidatos a praças do Exército deixaram em meados de Março de ter carácter eliminatório, o que permitiu ao ramo aumentar a base de recrutamento.

Num primeiro balanço da medida, em vigor desde o dia 17 de Março, o Exército registou que 379 jovens dos cerca de 1.180 que foram chamados a prestar provas entre Março e Junho teriam sido liminarmente excluídos por inaptidão física no início do processo de selecção caso os critérios não tivessem sido alterados.

O porta-voz do Exército, tenente-coronel Vicente Pereira, garante à agência Lusa que a medida "tem carácter transitório e será reavaliada anualmente" e não prejudica a qualidade da formação, estando assegurado "o mesmo nível de exigência e rigor".

"Estima-se sim um aumento de candidatos aptos que se aproxime das necessidades do Exército", acrescentou.

Com esta medida, mesmo sem atingirem os mínimos físicos, os candidatos que forem considerados aptos nas restantes provas podem aceder à fase de recruta e os treinos diários "conseguem garantir ao soldado-recruta a aptidão física que não tinha quando se candidatou", sublinhou.

Na categoria de praças, os candidatos têm de correr 12 minutos, fazer abdominais por um minuto, extensões de braços no solo e transpor um muro com 60 centímetros de altura.

Para além das provas físicas, os candidatos continuam a passar por provas de aptidão psicológica, provas médicas de selecção e entrevista.

Fonte militar ligada ao processo de recrutamento explicou que, por vezes, candidatos com boas pontuações nas provas de aptidão psicológica e nas provas médicas eram excluídos por terem falhado "um ou dois abdominais" ou "uma ou duas flexões".

As novas regras não se dirigem a candidaturas às tropas especiais ou ao quadro permanente, que continuam a ter requisitos específicos mais apertados, esclareceu.

Segundo a mesma fonte, "o rigor está assegurado" e ninguém assina contrato com o Exército sem que tenha atingido no final do processo todos os requisitos físicos exigidos.

A medida foi a resposta encontrada pela chefia do Estado-Maior do Exército para enfrentar um dos factores que contribuía para a diminuição da base de recrutamento sentida ao longo dos anos, em consequência da baixa progressiva da natalidade ou da quebra do número de voluntários.

A inaptidão nas provas físicas, que continuam a ser obrigatórias, era o principal motivo de exclusões, rondando "20 por cento dos candidatos", disse à Lusa fonte militar.

Já nas exclusões por razões médicas, cerca de 10% em média, surgem no topo os problemas de audição e visão.

O Exército regista também um elevado número de desistências nas várias fases do processo de selecção e recrutamento.

"Não há um padrão uniforme, varia conforme a época do ano, a região do país, talvez uma média de 20% de taxa de atrição" no global, disse a mesma fonte.

No início de Julho, o plano de incorporações do Exército estava cumprido a 53% para oficiais (79), 100% para o primeiro de dois cursos de sargentos (175) e a 42% para praças (1.575), segundo dados fornecidos pelo ramo.

A próxima incorporação para a categoria de praças é em 20 de Outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    13 ago, 2017 évora 23:00
    Excelente ! Até porque as provas que os escuteiros efetuam são muito mais difíceis , embora saiba que hoje o exército apenas quer "pau para toda a obra" a fim de varrerem o chão e caiarem os muros para o bem estar da quantidade de oficiais e sargentos lá existentes . Estão a contrato durante 8 anos no máximo e depois rua , arrumar paletes nos hipermercados ! Para quê tanta dificuldade em entrar se o que eles procuram é escravos ?