O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Trump criticado por resposta a protesto de extrema-direita

13 ago, 2017 - 11:14

Presidente norte-americano lamentou a violência de “muitos lados”, mas não condenou explicitamente os supremacistas brancos.
A+ / A-
Carro atropela multidão em violenta manifestação nacionalista nos EUA
Carro atropela multidão em violenta manifestação nacionalista nos EUA

O Presidente norte-americano, Donald Trump, está a enfrentar uma barragem de críticas pela sua reacção à violência numa manifestação de extrema-direita.

Donald Trump lamentou a violência de “muitos lados”, mas não condenou explicitamente os supremacistas brancos.

O senador republicano Cory Gardner criticou Trump: "Senhor Presidente, temos de chamar o mal pelo nome".

"São supremacistas brancos e isto foi um acto de terrorismo", sublinhou Gardner, uma ideia partilhada por vários políticos republicanos e democratas.

Os incidentes aconteceram em Charlottesville, no estado da Virgínia, e começaram na sexta-feira à noite com uma concentração de elementos da extrema-direita no campus universitário da cidade.

O caso mais grave acontece no sábado, quando um carro atropelou várias pessoas numa contra-manifestação de protesto contra os nacionalistas. Uma mulher de 32 anos morreu e 19 outras pessoas ficaram feridas.

Trump não condenou directamente os extremistas, mas o governador do Estado da Virgínia, o democrata Terry McAuliffe, foi claro: “Vão para casa. Não são bem-vindos nesta comunidade. Tenham vergonha”.

Os nacionalistas prometem continuar os protestos. “Absolutamente, vamos fazer mais manifestações em Charlottesville, porque os nossos direitos constitucionais estão a ser negados”, declarou Jason Kessler, autor de um blogue de extrema-direita.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • carlos pereira
    13 ago, 2017 lisboa 15:22
    assim vai a Trumpónia... onde o presidente mais não tem feito que abrir feridas antigas..., acicatar ódios... e dizer bacoradas constantemente.
  • Maria
    13 ago, 2017 Porto 14:58
    Se os media não lhe dessem tanto tempo de antena... ele gosta mesmo é de ser falado!
  • Madala
    13 ago, 2017 Évora 14:39
    Barragem dos média que continuam na sua saga anti Trump. Não conseguem engolir o sapo por apoiarem a candidata do regime a clinton..
  • António
    13 ago, 2017 Leiria 13:56
    Quando o quiserem travar já não vão ter oportunidade. Vamos rapidamente para o abismo. Lamento o futuro.
  • PSI
    13 ago, 2017 Lx 13:08
    É tempo pela desmascarar a mentira do mainstream e dizer "white lives matter". Nos EUA o número de brancos assassinados por negros é muito superior ao número de negros por brancos. O número de brancos atingidos mortalmente pela polícia é muito superior ao número de negros também atingidos pela policia. Isto são dados oficiais que estão disponíveis na Internet.
  • Fernando Ferreira
    13 ago, 2017 Amadora 12:27
    Tramp(a) será sempre Tramp(a) até que o "limpem" ou, se quiserem, um fascista será sempre um fascista!!!
  • Joao Magalhaes
    13 ago, 2017 Lisboa 12:07
    Mas porque é que tem que condenar a supremacia branca? Têm direito à opinião deles, seja diferente ou não dos outros. Nunca vi criticas quando é a supremacia negra .